Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Maps to the Stars (2014)

por Catarina d´Oliveira, em 04.01.15

maps.jpg

 

"On the stairs of Death I write your name, Liberty"

 

O suor escorre em bica enquanto se convulsa na cama, às voltas, aos gritos desesperados e presos a uma realidade fabricada, cada vez mais fictícia e desumana. No novo filme de David Cronenberg, Hollywood vive e respira o seu pior pesadelo.

A família Weiss é um arquétipo do show biz andante: o pai, Strafford, é um analista e life-coach que fez uma fortuna com os seus manuais de autoajuda; a mãe, Cristina, é a manager da carreira do filho de ambos, Benjie, uma criança-estrela de 13 anos acabada de sair de um programa de reabilitação pelo consumo de drogas. A chegar perigosamente perto do “núcleo familiar” está ainda a filha afastada Agatha, agora maior de idade, que foi recentemente liberta do hospício onde foi tratada e internada na infância. A juntar ao mix explosivo, introduz-se Havana, uma atriz cliente de Strafford que sonha protagonizar o remake do filme que tornou a sua mãe famosa nos anos 60.

 

maps2.jpg

 
Se ALL ABOUT EVE, SUNSET BOULEVARD e MULHOLLAND DRIVE se envolvessem numa noite de excessos, é muito provável que o fruto bastardo fosse algo muito semelhante a MAPAS PARA AS ESTRELAS.

Impiedoso e implacável, é um murro no estômago de uma Hollywood entorpecida pela ilusão de paraíso glamouroso e trabalhador que furiosamente tenta exteriorizar. O acídico comentário de Cronenberg sobre o narcisismo oco da cultura da celebridade, embrulhado numa sensação de sonho febril povoado por aberrações e perversão é constantemente polvilhado por um humor negro sórdido, no limite do depravado, que abocanha violentamente a mão que o tem vindo a alimentar.

Ao tema em questão (também abordado, de outro ponto de vista, pelo mais recente filme de Sofia Coppola – BLING RING), pouco se acrescenta de novo, mas o filme de Cronenberg acaba por se diferenciar por ultrapassar o limite da sátira para cavalgar ferozmente para o campo do cruel e selvagem.

 

maps3.jpg

 
É verdade que a perturbação sempre fascinou o realizador canadiano, desde os primórdios da sua sórdida carreira, em meados dos anos 70. E se é igualmente rigoroso afirmar que este agente do caos pode ter modificado drasticamente a sua abordagem à sétima arte na entrada do séc. XXI, por outro lado, o deslumbramento pela facilidade de derrubamento dos frágeis sistemas sociais continua a ser a força motriz por detrás do seu cânone cinematográfico.

As motivações ou pontos de ligação para tal desmoronamento têm sido várias, desde a tecnologia (Videodrome, 1983) ao crime (Promessas Perigosas, 2007), passando pelo romance (A Mosca, 1986), a psicologia (Um Método Perigoso, 2010) ou até, veja-se os automóveis (Crash, 1996). Em MAPAS PARA AS ESTRELAS, o agente acaba por ser, por ventura, o mais assustador de todos: os nossos piores impulsos.

 

maps4.jpg
As performances são, de um modo geral, competentes na retenção da insegurança e ansiedade extremas das personagens. Julianne Moore é especialmente bem-sucedida no complexo retrato de uma mulher com tiques de diva e com mais do que ligeiros traços de neurose e crueldade.

John Cusack agarra o melhor papel que lhe foi disponibilizado na última década para emprestar toda a monstruosidade a Strafford, enquanto Mia Wasikowska é maravilhosamente distante como Agatha, o verdadeiro anjo da destruição.

 

maps5.jpg


Apesar de pouco subtil e nem sempre especialmente gracioso, o argumento de Bruce Wagner é especialmente apto a manter um bom ritmo ao longo de duas horas de assombrações, revelações, twists e drama. É, à semelhança de COSMOPOLIS (ainda que por diferentes razões), uma narrativa relativamente impenetrável e fria, mais crítica e cerebral do que emocional, mas é impossível negar o seu charme de b-movie no coração enegrecido.

As conclusões não são propriamente satisfatórias, mas para um filme sobre a superficialidade existe sempre o risco de ser… superficial. Resta agarrar o mapa de Cronenberg, degustar o delicioso fruto proibido e aceitar como escabroso destino o caos da moralidade.

 

 

8.0/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D