Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Grace of Monaco (2014)

por Catarina d´Oliveira, em 22.05.14

 

"Long after the House of Grimaldi has fallen, the world is going to remember your name, Your Highness. You are the fairy tale, the serenity to which we all aspire. And peace will come when you embrace the roles you have been destined to play. For no matter where you are, in years to come, they will continue to whisper your name. The Princess, Grace"

 

Por várias razões e argumentos, o novo filme de Olivier Dahan foi o filme perfeito para abrir o Festival de Cinema de Cannes este ano, onde foi exibido há meros dias, antes de chegar às nossas salas.

 

É, verdadeiramente, uma história local – o Príncipe Rainier do Mónaco conheceu Grace Kelly, uma jovem atriz vencedora de um Óscar da Academia, durante o mesmo festival em 1955. No ano seguinte celebrou-se aquele que ficou conhecido como o casamento do século, e que marcou também a mudança de paradigma numa mulher que já se tinha tornado ícone: nunca mais voltou a fazer um filme.

 

 

Grace of Monaco” descansa o foco sobre o período de crise política que abalou o Mónaco e que o ameaçou com a invasão e consequente anexação francesa. Era imperativo que o ícone regressasse, agora sob nova forma e responsabilidade: Grace, a Princesa do Mónaco.

 

Mas apesar da relevância temática, geográfica e glamourosa do filme de Dahan para abrir o mais importante Festival de Cinema do mundo, a sorte e sobretudo o engenho não estiveram, desta feita, do seu lado.

 

As manchetes tóxicas têm andado consigo de mão em mão, desde a desaprovação das imprecisões e inconsistências do argumento por parte da família real do Mónaco, até aos embates entre o Dahan e o (mega) produtor e distribuidor norte-americano Harvey Weinstein, que mantendo o hábito de apoiar filmes mais “difíceis” de vender, veio uma vez mais reforçar o lado mais sombrio da sua fama, impondo a sua presença e preferências na sala de montagens e gerando fricção com o realizador.

 

 

A versão que nos chega às salas, profundamente higiénica e hollywoodesca, não deixa de proporcionar uma sentida desilusão. Parece atípico de alguém que nos trouxe coragem e determinação espelhados em “La Vie en Rose” (2007) oferecer agora uma obra tão plástica, bajuladora e vazia de alma, procurando desesperadamente nos close-ups fortes (e intrusivos) uma densidade emocional que simplesmente não está lá.

 

O argumento, temperado com um diálogo mais preocupado em fazer declarações supremas do que a apresentar conversas verosímeis, parece pouco preocupado em respeitar a inteligência da audiência ou dos próprios intervenientes, tanto atores como fontes de inspiração – não haveria afinal uma ou várias outras formas mais interessantes de apresentar uma história (ou parte dela) que sabemos fascinante sem ser através de uma hagiografia sem graça?

 

 

A própria performance de Nicole Kidman é desnivelada. Se por um lado existirão poucas atrizes capazes de incorporar o glamour de Hollywood à moda antiga, por outro a criação de Kidman parece ter, por vezes, mais afinidades com uma Marylin Monroe com um perfil psicológico menos problemático do que com uma rebelde e enérgica dissidente como Grace.

 

Como em virtualmente todos os casos, há, no entanto, algo bastante apreciável no meio do desastre generalizado, e nem tudo são espinhos no arranjo floral de “Grace of Monaco”. A reconstituição da era é notável, particularmente através do guarda-roupa de Gigi Lepage, que recriou mais de 40 looks apaixonantes de Grace, trabalhando a fundo com várias das Casas favoritas da Princesa, como Dior, Chanel, Hermes e Swarovski.

 

 

No final de contas, o filme de Dahan é profundamente indeciso e incerto: se será um drama político, o retrato de um casamento difícil, um conto de fadas de Hollywood, ou uma exploração da humanidade e vulnerabilidade da Princesa, não sabemos nós, nem ele próprio.

 

Mas há algo que temos com certo – Grace Kelly merecia mais e melhor. E nós também.

 

 

4.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2014

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D