Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Force Majeure (2014)

por Catarina d´Oliveira, em 19.05.15

fm1.jpg

 

"I'm a bloody victim of my own instincts!"

 

Se “Gone Girl” é o apunhalar macabro do coração da instituição do casamento, “Force Majeure” é a tempestade que o precede.

 

Ebba e Tomas decidem passar cinco dias de férias a esquiar nos Alpes franceses com os seus dois filhos, Harry e Vera. Tomas tenta dedicar mais tempo à família, já que Ebba acha que trabalha demais. Mas quando os quatro almoçam num restaurante nas montanhas, uma avalanche aproxima-se inesperadamente e ameaça soterrar o local. Um impulso instintivo ditará o futuro da dinâmica desta família.

 

fm.jpg

 

Os peões organizam-se em jogo a ritmo calmo mas seguro para aquela que tem tudo para ser uma história comum de sobrevivência, um melodrama onde o núcleo parental trabalha conjuntamente para resolver uma situação de crise.

 

Contudo, o realizador Ruben Östlund não podia estar menos interessado em oferecer-nos um produto de digestão rápida ao qual já estamos habituados. Em vez disso, um enredo de catástrofe natural é substituído por uma exposição de cataclismo humano, onde o terror não se encontra nas forças desconhecidas da natureza mas nos recantos mais sombrios dos instintos humanos.

 

O absurdo e o angustiante tomam as rédeas à medida que “Force Majeure”, um exame profundo à gestão da crise num casal com traços desconfortáveis de hilariante deboche, nos desarma e despe perante a confrontação com as consequências de uma escolha escorregadia. Não temos para onde fugir, e as questões que são colocadas na ficção, rapidamente ganham alojamento nos recantos do nosso cérebro – como reagiria? O que faria? Que tipo de pessoa sou? Um herói ou um sobrevivente?

 

fm2.jpg

 

O retrato da família perfeita é rapidamente distorcido pelo fantasma da disfunção, e a queda, em câmara lenta, do castelo de cartas é absolutamente fascinante. A premissa é extraordinariamente rica em poder dramático, e Östlund explora-o com uma precisão cirúrgica. O tema do instinto de sobrevivência que vive por debaixo da capa de segurança do comportamento civilizado e politicamente (e socialmente) correto não é propriamente novo, mas o facto de ser criado e alimentado por um acontecimento tão mundano faz parte do seu fascínio.

 

Enquanto somos pontualmente assaltados pelo tempestuoso concerto de Vivaldi, a linguagem visual de Östlund diz-nos tanto como os seus diálogos, alternando entre planos magistrais do exterior nas imensas pistas de ski e segmentos apertados da família no hotel, onde todos se amontoam, mal cabendo no enquadramento.

 

Além de uma edição peculiar e do pecado da recorrência de alguma repetição, o filme tem ainda um fecho que tem sido celebremente discutido como despropositado ou estranho, alicerçando-se num bizarro acontecimento num autocarro para, quiçá, deixar no ar a possibilidade da vulnerabilidade no plano matriarcal. O final é aberto à interpretação, mas talvez também um formalismo necessário à estrutura de um filme que se edifica a partir das questões que (nos) coloca.

 

fm3.jpg

 

Como um livro de conclusões por explorar, “Force Majeure” é um ensaio de traços subtis mas cortantes sobre as nossas hipocrisias, e uma obra de implicações desconfortáveis e reflexões de tirar o sono empacotada numa sátira brutal à masculinidade do séc. XXI.

 

E parece que este país não é para homenzinhos.

 

8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D