Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Master Shot - Rock in... Movies

por Catarina d´Oliveira, em 15.10.15

rockinmkovies.jpg

 

Dos invernos em que nos perdemos em playlists cirurgicamente selecionadas a gosto aos verões em que nos deixamos levar pelos cartazes dos festivais, a Música habita o nosso quotidiano combatendo o silêncio ensurdecedor e promovendo o cultivo artístico, político, emocional, espiritual e, no fundo, da aptidão de viver uma existência mais completa.

 

Mas quando a primeira arte se cruza com a sétima, mergulhamos um pouco mais fundo no contexto e na realidade daqueles que também ajudaram a edificar o que vemos, o que ouvimos, e o que somos. E passamos a ser mais.

 

 

DON’T LOOK BACK (1967), de D.A. Pennebaker

dylan.jpg

É uma das poucas lendas ainda vivas das áureas décadas musicais de 60 e 70, mas não é por isso que a esquiva identidade de Bob Dylan, o eterno rebelde anarquista do folk/rock na linha da memória, se torna mais acessível ou menos simbólica. Filmado durante a tour britânica de 1965, o documentário de Pennebaker é, sobretudo, de natureza observacional - pioneira na altura - observando sem intervenção e de forma simples e espontânea a explosão de um ícone. Acompanhando Dylan na criação da mercurial rock star moderna – genial na tradução do engenho mas combativa e corrosiva fora de palco – Pennebaker construiu um dos melhores e mais influentes documentários musicais da história.

 

 

FRANK (2014), de Lenny Abrahamson

frank.jpg
Coescrito por Jon Ronson (ex-membro dos Oh Blimey Big Band) e inequivocamente inspirado na criação de Chris Sievey (uma personagem com uma enorme cabeça de papel chamada Frank Sidebottom), “Frank” é uma ficção por conta própria que nos leva numa viagem à boleia dos Soronprfbs, uma banda excêntrica encabeçada pelo enigmático personagem titular. Começando como uma extravagante e não raras vezes divertida excursão pelo processo criativo musical, é uma deliciosa dissonância, provocadora e sensível que explora a verdadeira importância do sucesso comercial nos dias de hoje em oposição à necessidade de conceção de algo verdadeiramente único.

 

 

BUENA VISTA SOCIAL CLUB (1999), de Wim Wenders

buenavista.jpg

Cores gastas, estética de hand-held, piadas da banda intercaladas com momentos de performance cheios de alma. São clichés que nos habituamos a amar nos meandros da história do documentário musical contemporâneo, mas que um dia foram frescos nos filmes que os criaram. Este foi um deles. Um tributo alegre e irresistível a um histórico e singular grupo de artistas puros e humildes onde a música é tão importante como as vidas e a cultura que existe por trás de si.

 



CONTROL (2007), de Anton Corbjin

control.jpg

 Antes do filme existiram as fotos que uniram o destino de Anton Corbjin à veia post-punk dos Joy Division, mas foi quando o fotógrafo decidiu passar à imagem em movimento que este casamento de paixões e intensões chegou ao auge do seu artifício artístico. Num preto e branco metálico, Corbjin explora a vida do vocalista Ian Curtis desde 1973 até à sua morte, em 1980, no pico da sua primeira tour norte-americana. A ficção de “Control” é tão pura que chega a roçar o documental quando mergulha de cabeça numa era esquecida onde, antes de computadores, toques polifónicos e redes sociais, era a música que ajudava a alimentar a imaginação.

 

 

WOODSTOCK (1970), de Michael Wadleigh

woodstock.jpg

As tentativas de replicação foram (e são) imensuráveis mas já é comummente aceite que nunca existirá outro festival de música como o Woodstock do longínquo verão de 1969. Há, no entanto, muito boa gente que defenda que o evento não teria adquirido tanta relevância social, histórica ou cultural se não fosse pelo filme homónimo lançado no ano seguinte, que viria, inclusive, a ganhar o Óscar na categoria de Melhor Documentário. Mais de 45 anos depois, a epítome da contracultura mantém a sua mística e perante a impossibilidade de viajar no tempo e regressar ao Éden musical que desceu à terra na quinta de Max B. Yasgur, assistir ao filme de Michael Wadleigh é a experiência mais próxima do fenómeno de paz, amor caótico e música que juntou Santana, The Who, Jimi Hendrix e muitos outros.

 

 

THIS IS SPINAL TAP (1984), de Rob Reiner

spinal tap.jpg

Se o virem uma vez, é provável que o voltem a ver vezes sem conta. É um dos suprassumos da comédia contemporânea e da sátira musical e geralmente considerado, sem grandes cerimónias, como um dos melhores spoofs de sempre. A maior parte do diálogo surgiu de improvisação, mas não é por isso que o clássico de Rob Reiner é menos referenciado e citado nos circuitos de culto. Seguindo uma banda fictícia britânica numa tour pelos EUA, este “mockumentary” é extravagantemente divertido e surpreendentemente verosímil – muitas bandas dirão que poderá versar sobre a sua história.

 


THE DOORS (1991), de Oliver Stone

doors.jpg

Foram príncipes da contracultura dos anos 60 e uma das bandas mais controversas e influentes de sempre com um vocalista carismático e dramático que inspiraria gerações – razões de sobra para levar o também rebelde Oliver Stone a inspirar-se na sua história para criar uma ficção que passou diretamente para o top de favoritos de muitos entusiastas da música. Não é o título mais forte ou unânime da lista, mas é uma carta de amor à cena do rock psicadélico dos anos 60 em geral, e um sentido tributo à figura de culto de Jim Morrison em particular.

 

 

A HARD DAY’S NIGHT (1964), de Richard Lester

harddays.jpg

Assumo que é impossível que algum dos dois ou três leitores deste blog não conheça os Beatles, mas é relativamente compreensível que seja difícil de conceber a verdadeira dimensão e relevância do grupo que ajudou a cunhar o termo “boy band”. Não falo tanto da influência artística e cultural, porque essa é irreproduzível em magros dois parágrafos, mas da adulação que moveu dezenas de milhões de seguidores por todo o mundo. Numa paragem quintessencial do Cinema com objetos musicais, não só conhecemos as distintas personalidades dos quatro membros como assistimos à criação da fundação de uma mitologia que se ergue até à atualidade. É um sorriso na cara do início ao fim enquanto Paul, John, George e Ringo incendeiam a sua histórica e alegre revolução musical.

 

 

Artigo originalmente publicado na Vogue.pt

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D