Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Evil Dead (2013)

por Catarina d´Oliveira, em 09.05.13

 

"You're all going to die tonight!"

 

A espera foi impaciente e o momento do regresso de “The Evil Dead” chegou, desta vez pela direção de Fede Alvarez, mas com o aval na produção das forças motrizes do original, Sam Raimi e Bruce Campbell, o eterno Ash.

 

Em “Evil Dead”, Mia e David são dois irmãos distantes cuja mãe faleceu recentemente e que decidem reunir-se numa cabana com vários amigos de infância para realizarem uma intervenção a Mia, uma crónica viciada em drogas que se quer reabilitar. Na cabana isolada, Mia atira as suas últimas doses de droga para um poço, começando assim a enfrentar os debilitantes sintomas da desintoxicação. Entretanto, um elemento do grupo descobre o Livro dos Mortos e fica obcecado pela sua transcrição e tradução. Mal saberia qualquer um deles que o que estaria para acontecer libertaria um perigoso demónio que promete destruir tudo e todos, deixando um rasto sangrento inimaginável.

 

 

A reimaginação do clássico de culto tem em falta muitos dos elementos extravagantes que tornaram o original tão delicioso – na verdade, o tom é manifestamente diferente, pairando constantemente uma aura negra sobre a versão de Alvarez, enquanto recordamos a de Raimi com o sorriso matreiro e desconfortável.

 

Todavia, vale a pena tirar o chapéu à diferença. O ponto de partida da mudança é inteligente, aproveitando o que o original tinha mais fraco – a história - e desenvolvê-lo. Se na versão de Raimi os estudantes de reuniam porque sim, desta feita existe uma finalidade muito específica e importante para a interpretação do filme – atacar o problema de dependência de Mia, que, juntamente com o enredo desgraçado que já conhecemos, constitui uma sólida alegoria, onde o vício representa a possessão e vice-versa.

 

 

Funciona, é verdade, mas para elevação maior do novo filme, esperava-se ainda algo mais, pois a tal reflexão acaba tantas vezes perdida (ou mesmo esquecida) num mar de sangue, tripas e desmembramentos. É quase uma existência esquizofrénica, que tenta respirar num cerne de enredo fresco, mas que se sente na obrigação de revisitar uma série de lugares familiares que entusiasmam a plateia, diga-se, mas acabam por diluir a potencialidade da originalidade das decisões criativas de Alvarez e companhia.

 

Muita tinta já correu sobre os níveis de gore e violência no remake de Alvarez, pelo que acrescentaremos apenas o seguinte, em consciente tom de provocação: fazem a versão de Sam Raimi parecer um episódio dos Teletubbies – ainda que devamos recordar que esta mantém, até hoje, um rating X atribuído pela Motion Picture Association of America.

 

 

Não é habitual no Cinema de terror reservar grandes destaques ao elenco, mas neste caso em particular é imperativo dar todo o crédito e mais algum a Jane Levy que carrega autenticamente o filme às costas, e consegue prover com bastante eficiência (e sacrifício) os diferentes lados da alegoria – quer na configuração frágil do início, quer na sua contínua e radical transformação ao longo dos 90 minutos.

 

Se secretamente desejavamos algo capaz de superar o original, ainda não foi desta – ainda que tal asserção pareça, por várias razões e contextos, impossível. Mas mesmo sem a personalidade, humor ou o enquadramento de género do original de 1981, a versão de 2013 é um remake acima da média, que honra devidamente a sua origem, enquanto se reimagina para o público do novo milénio, com uma façanha técnica tremenda e uma queda muito particular para sangramentos viscerais, tripas expostas e uma generosa dose da boa e velha ultraviolência.

 

 

7.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D