Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Um desabafo - Sobre a escolha em "Les Misérables"...

por Catarina d´Oliveira, em 05.01.13

(atenção este artigo pode conter SPOILERS para os leitores que não tenham visto alguma versão do filme, lido o livro ou visto o espetáculo musical em palco)

 

Desta vez não é propriamente um desabafo, mas a partilha da minha felicidade perante uma escolha criativa.

 

"Les Misérables" estreou apenas há dois dias no nosso país, e já teve o poder de deixar a audiência dividida. Uns ficaram apaixonados, outros nem por isso, mas não é disso que hoje vamos aqui falar hoje, porque já me estiquem que chegue e sobre na crítica alargada que escrevi ao filme (quem não leu, está aqui).

 

Mas todavia, além dos gostos e uns e desgostos de outros, existem pontos que são de apreciação quase, quase consensual (porque nada o  consegue alguma vez ser a 100% nestas lides). A fabulosa interpretação secundária de Anne Hathaway de Fantine, a malograda mulher que vê a sua vida destruída enquanto o interior se lhe desespera pela impossibilidade de ajudar mais a filha (que se supõe doente), Cosette.

 

 

Tive pena que o filme só se debruçasse sobre ela durante apenas meia hora, ou coisa do género, mas de facto, a menos que o filme fosse focado na sua personagem, era difícil dar-lhe mais tempo de antena tendo em conta a dimensão da restante história. De todo o modo, e para os curiosos, saibam que Victor Hugo escreveu "Os Miseráveis" na forma de cinco livros, escritos e lançados separadamente (hoje existem nessa forma, mas há sempre mais acessível a compilação dos cinco, que é um calhamaço grandão de 1200 páginas). O primeiro chama-se "Fantine", e cobre a história desde a soltura de Jean Valjean (elaborando um pouco sobre a sua vida antes de ser preso), até à morte de Fantine. Como é natural, e apesar de conter muitas outras histórias adicionais, "Fantine" conta a história mais detalhada da personagem titular, incluíndo a história de amor que viria a originar Cosette, e o encontro com os Thénardier.

 

 

Enfim, isto só para os curiosos que desejassem saber o que mais podiam encontrar no livro sobre este ponto particular (e desde já recomendo a leitura a super bold, tem uma linguagem bastante acessível, e apesar de o tamanho não ser dos mais apelativos, vale inteiramente a pena, claro, não só pela história épica, mas pela atenção dada por Victor Hugo ao detalhe, e em fornecer a visão mais completa sobre o mundo das suas personagens).

 

Mas voltando a Anne Hathaway... é curioso recordar que ela e Hugh Jackman já tinham cantado juntos há tempos, quando ele aceitou a hercúlea e nem sempre generosa tarefa de apresentar a cerimónia dos Oscars, aqui há uns aninhos. Nessa cerimónia, e entre outras coisas, Jackman cantou o famoso medley dedicado aos nomeados a Melhor Filme do ano, e a certa altura, desafiou Hathaway a subir ao palco para o acompanhar no momento divertido. 

 

(o vídeo do medley está completo, mas a parte referida começa à volta dos 4:00) 

 

 

Ora foi o próprio Jackman, que depois de selecionado para protagonizar o novo filme de Tom Hooper, sugeriu Hathaway para o papel de Fantine. Isto não livrou Hathaway do moroso processo de casting até ser eventualmente escolhida - ao que parece, nomes como Amy Adams, Marion Cotillard, Kate Winslet e Rebecca Hall foram considerados.

 

Entretanto, Hathaway chegou, viu e venceu e ofereceu-nos aquela que já é conhecida como "a performance que lhe deverá valer o cobiçado Oscar da Academia". A meu ver, e contando apenas com os titulos que vi até ao momento, inteiramente merecido. Chega-se inclusive a dizer, que Hathaway só precisou de menos de 5 minutos para ganhar o galardão - nada menos que a duração do mais emocional, poderoso e famoso solo do musical, "I Dreamed a Dream".

 

 

E é o referido solo que me faz chegar ao ponto que queria hoje aqui fazer passar. Estou feliz com a escolha de Tom Hooper.

 

Não falo da escolha mais primária de Anne HAthaway - com essa estou radiante! - mas falo das escolhas criativas que envolveram o tratamento da cena em questão. Nunca pensei poder dizer isto, mas depois de assistir ao filme duas vezes, fiquei fã do método de filmagem sem cortes e aproximado, que, colocando-a contra um fundo negro vazio, nos permite focar em nada mais que a emoção da personagem durante aqueles minutos.

 

A escolha no entanto não fica por ai. Parece-me estranho não notar tanta gente a falar do assunto, talvez até porque não achem importante, muitos porque se calhar nem repararam. Mas a verdade é que o primeiro trailer, o primeiro de todos a surgir nos ofereceu uma versão da música completamente diferente da que a que acabámos por ouvir no filme. Mais limpa, mais afinada e com mais musicalidade. Mas com a emoção quase totalmente sugada.

 

 

Li por aí que Anne Hathaway insistiu em fazer 20 takes da cena, apesar de Hooper lhe dizer que tinha conseguido o perfeito apenas à quarta tentativa. A versão que ouvimos no primeiro trailer será, por ventura, uma das outras 19, mas é, pelo menos para mim, a resiliente prova de que a escolha final, apesar de, provavelmente (porque eu não percebo assim tanto de música), musicalmente menor, menos afinada ou mesmo reconhecível, foi a mais poderosa, verdadeira e, derradeiramente, a única escolha possível tendo em conta... bom, toda a desgraça do arco de Fantine.

 

Porque esta foi uma mulher que perdeu tudo, que se encontra desfeita, fisica e emocionalmente, sem ninguém no mundo, e sem forma de chegar à única pessoa que poderia ser o seu alguém, a filha. Perdoem-me se estou a interpretar alguma coisa mal, mas não consigo imaginar esta pessoa a cantar de outra forma que não a apresentada por Hathaway no corte final do filme. Porque nunca a dor e o sofrimento infligidos a Fantine lhe permitiriam uma versão glamourosa e perfeita da canção - mesmo sim, tratando-se de um musical, porque este, talvez acima das canções, deve convir acima de tudo emoções e verdades, tal como qualquer outra obra de arte. Porque se fecharmos os olhos, a própria interpretação de Hathaway conta a restante história de Fantine que o filme, por vários constrangimentos, não nos pode oferecer.

 

E essa foi a melhor prenda de todas.

 

(a versão do 1º trailer, mais clean e musical)

 

(a versão final, incluída no filme)

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Sofia a 05.01.2013 às 13:24

tens noção que contribuíste ainda mais para a minha fixação "na coisa" continuar ????
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 05.01.2013 às 13:40

ahahah desculpa Sofia!

mas isto realmente é uma coisa do demonio.. não me sai da cabeça, e a minha vida nestes dias tem-se passado com a banda sonora em loop na minha cabeça. aaargggh
Sem imagem de perfil

De J. Persoa a 06.01.2013 às 19:10

Vim directa à caixa de comentários pois, como sabes, só verei este filme lá para 2020. Vim só dizer que tiveste uma Passagem de Ano fraquinha, então! Nem te reconheço :P *

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Janeiro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D