Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Anna Karenina (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 06.12.12

 

"You cant ask why, about love"

 

Diz-se que o mundo está para acabar num dia próximo, e talvez por essa razão, o Cinema de Hollywood decidiu este ano ser especialmente ousado. Desde “Cloud Atlas”, o filme que fala sobre tudo, a “Les Misérables”, o primeiro musical onde os intervenientes cantam ao vivo, passamos ainda pela singular abordagem de “Anna Karenina”, uma das estreias desta semana.

 

Regressamos ao séc. XIX, reimaginado sob a alçada da opulência da alta-sociedade russa para revisitar a história da personagem titular, uma famosa aristocrata que se vê envolvida num caso extraconjugal que colocará em causa o seu estatuto na sociedade e família. A exploração da capacidade de amar, em todas as suas formas, nasce das palavras do celebrado autor russo Leo Tolstoy, que vê a sua obra – considerada por alguns como o melhor romance alguma vez escrito – adaptada para o argumento de Tom Stoppard, que escreveu, entre outros, “Brazil” (1985) “Empire of the Sun” (1987) e “Shakespeare in Love” (1998).

 

 

Aproveitando a deixa, e parafraseando o Bardo, “o mundo inteiro é um palco, e todos os homens e mulheres não passam de meros atores; têm saídas e entradas, e cada um no seu tempo representa diversos papéis”. A este propósito, Joe Wright cria aqui um conceito que é simples de explicar, mas terrivelmente difícil de executar: o romance é apresentado como uma peça dentro de um filme, um olhar microscópico sob a vida deste pedaço de aristocracia da bancada de uma produção teatral, usando apenas quando estritamente necessário uma linguagem e expressão cinematográfica mais tradicional, um pouco incompreendida entre a crítica que praticamente apelidou a sua abordagem de “salta-pocinhas de necessidade”.

 

O dispositivo aparentemente bifurcado serve, no entanto, um claro propósito de comentário social sobre a forma como a alta sociedade tem sempre um papel a representar e, por oposição, como a vida rural e simples é sinónimo de uma vivência mais real e orgânica, livre da artificialidade.

 

 

 

Não são mecanismos subtis, mas é essa também essa exposição “desavergonhada” que torna “Anna Karenina” num pedaço cinematográfico com sabor igual a nenhum outro. O conceito é visual e intelectualmente estimulante, um exercício de interseção entre literatura, cinema e teatro que, apesar de não ser a melhor incursão do realizador – nunca consegue suplantar o poder dramático e emocional de “Pride and Prejudice” e “Atonement” – é entusiástico, corajoso e vistoso.

 

Inteligentemete, Stoppard mantém o diálogo de Tolstoy intacto em muitos momentos, acrescentando passagens sempre que necessário e com intuitos que acabam por ser claros e bem-sucedidos no contexto geral do ensaio. Os temas abordados pelo autor russo não são totalmente cobertos, sendo dada clara e justificada primazia à tragédia central da trama, pondo-se em segundo plano algumas observações sobre o progresso, a sociedade e a desigualdade entre classes trabalhadoras e aristocráticas – sendo que todos têm direito a pequeno tempo de antena, deve referir-se.

 

 

 

Grande parte de equipa reunida por Wright é repetente, como os casos do diretor de fotografia Seamus McGarvey – que uma vez mais cria planos-sequência que prometem perpetuar nas memórias mais apaixonadas pela arte –, o compositor Dario Marinelli, cujas valsas confluem perfeitamente com o visual e sumo da obra, Jacqueline Durran que produz um guarda-roupa esplendido e digno das maiores honras, e Sarah Greenwood que oferece ao design de produção o maior detalhe e luxo.

 

No elenco, Keira Knigthley cria uma Anna complexa e contraditória, que tanto é heroica como quase vilanesca, fazendo revisitar o eterno dilema sobre a protagonista: será ela uma vítima do seu posicionamento numa sociedade patriarcal, ou uma mulher neurótica e narcisista?

 

 

Se Jude Law fosse dez anos mais novo, seria uma escolha óbvia para interpretar o fervoroso Conde Vronsky sendo, como já veio a provar em papéis semelhantes, fabuloso. Felizmente, a cara laroca vem acompanhada de talento, e é uma lufada de ar fresco ver Law num papel que foi tantas vezes o dos seus “rivais” românticos, e o ator britânico vive-o intensamente.

 

O erro mais gritante da produção jaz no casting do Conde Vronsky, e Aaron Taylor-Johnson (que tinha dado promissoras indicações em “Savages” de Oliver Stone ainda este ano) cria um amante esmagado pelo uniforme e opulência do seu bigode que, além do visual manifestamente agradável à vista, poucos mais atributos apresenta à emoção que justificassem uma qualquer pinga de simpatia por si.

 

 

 

Os intervenientes secundários – onde se destacam Matthew Macfadyen, Kelly Macdonald, Domhall Gleeson e Alicia Vikander – são bastante sólidos ainda que, por manifestos constrangimentos de tempo e espaço, vejam a sua ação confinada à brevidade da adaptação.

 

O maior e definitivo problema de “Anna Karenina” é, infelizmente, dramático. Resumir uma obra de mais de 800 páginas a duas horas é uma luta desigual e impossível de vencer perante todos aqueles que já viajaram pelas páginas envelhecidas de Tolstoy. A tragédia é condensada e acelerada, mas mesmo assim, fica a ideia de que algo poderia ter sido feito para tornar esta história naquilo que ela verdadeiramente foi e é: uma tragédia com grandeza e poder de ópera, e não um simples melodrama relativamente estéril, que se vai tornando menos estimulante pelo caminho. O estilo prevalece sobre a substância, e o storytelling é, em determinados momentos, irregular.

 

 

De todo o modo, “Anna Karenina” pode ter falhado algumas notas pelo caminho – como o fez -, mas criou mesmo desse jeito e forma um evento cinematográfico, um tema de conversa, um filme que ambicionou quebrar as convenções da tradição de filmar uma história, contando-a numa espécie de híbrido de meios. Um quadro vivo transposto para um orgasmo visual, uma espécie de ballet sem dança infundido numa ópera sem cantores.

 

Consegui-lo com este grau de sucesso, é um feito, e o que sobra são duas horas do mais ousado, sumptuoso, luxuoso e belo Cinema do ano.

 

E aí está ela. A deixa para aplaudir de pé.

 

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Dezembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D