Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Looper (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 13.10.12

 

"I work as a specialized assassin, in an outfit called the Loopers. When my organization from the future wants someone to die, they zap them back to me and I eliminate the target from the future. The only rule is: never let your target escape... even if your target is you."



O enredo é complexo, e por prevenção de equívocos faltosos, cingir-nos-emos à sinopse original.

 

Ambientado a um futuro (relativamente) próximo, o thriller de ação Looper transporta-nos para um lugar onde a viagem no tempo será inventada, mas proibida e apenas disponível nos mercados negros. Quando a máfia deseja livrar-se de alguém, enviarão o alvo para o passado onde um “looper” – um assassino contratado, como Joe (Joseph Gordon-Levitt) – o esperará com o dedo no gatilho, pronto a disparar.

 

Joe está de bem na vida. Bem-sucedido no trabalho, com dinheiro, boas perspetivas de futuro… até o dia em que a máfia deseja “fechar o ciclo”, enviando a versão futura de Joe (Bruce Willis) para que este seja morto, o que vai desencadear uma caça ao homem desenfreada que mudará o Amanhã.

 

 

Rian Johnson andava a deixar-nos da dúvida. Depois de uma estreia imensamente promissora na cadeira de realização com a singularidade de ‘Brick’ (2005), fez-nos questionar se estaríamos perante um caso de “sorte de principiante” depois de um largamente desapontante ‘The Brothers Bloom’, apenas três anos depois.

 

Podemos limpar a gotícula de suor da testa: Johnson é dos bons.

 

A narrativa é intricada e a mais criativa provavelmente desde ‘Inception’ em 2010, e é gerida com segurança pelo realizador que infunde subtilezas e pedaços de alma, sendo bem auxiliando por um trabalho de câmara gracioso e fluído. A Johnson (e, claro, à equipa por detrás do design de produção) se devem também as devidas congratulações pelos pequenos toques Western de extremo gosto dos quais soube tirar partido – silêncios, quietudes, sequências de espaço aberto, entre outros, apenas aproveitados para o melhor fim.

 

 

Looper consegue um equilíbrio raro entre uma viagem excitante e a inteligência que demonstra e que espera em igual medida do espectador. A pequena gema com toques q.b. de neo-noir faísca de dilemas existenciais e fatalismo carrega a premissa das “viagens no tempo”, sempre potencialmente venenosa, e Johnson permite-se a umas quantas batotices, mas nada temam: com um sentido de humor negro e ação entusiasmante, Looper raramente sai do bom trilho.

 

A certa altura, o Joe de Bruce Willis atira com uma expressão impassível qualquer coisa como “se começarmos [a explicar a viagem no tempo] vamos estar aqui o dia todo, a fazer diagramas com palhinhas".

 

De facto, Johnson toma uma série de decisões inteligentes, entre as quais o facto de manter a questão da viagem no tempo com rédea curta, não requerendo justificações demasiado explicativas sobre a mesma, que só levariam ao levantamento de mais dúvidas sobre a física e filosofia do dispositivo. Tudo se mantém simples, mas nunca palerma.

 

 

É, no fundo, uma reflexão sobre como uma decisão tomada por uma pessoa num espaço e tempo precisos, afeta profundamente o futuro, abrindo um leque de possibilidades imensas de acontecimentos.

 

Se a função da maquilhagem era fazer Joseph Gordon-Levitt parecido a Bruce Willis, falhou. Se, por outro lado, esta pretendia apenas endurecer o aspeto do jovem rapaz que um dia, de cabelos longos, protagonizou ‘3rd Rock from the Sun’ (1996-2001), então tudo certo.

 

Mas se a maquilhagem se pode estranhar, e não necessariamente entranhar, mais difícil será dizê-lo da sólida dupla protagonista. Joseph Gordon-Levitt está especialmente notável, uma vez que se nota perfeitamente nos jeitos e trajeitos que foi ele quem teve de trabalhar para “ser” Bruce Willis, e não o contrário – como aliás já se esperava.

 

 

Claro que tudo isto se torna melhor quando o elenco secundário é tão ou mais interessante do que o principal: Jeff Daniels é memorável como o líder da máfia, Paul Dano é afetante como um looper tramado e Emily Blunt que se mantém como a peça emocional mais importante de todo o enredo.

 

Não é difícil reclamar sobre incoerências no argumento, passagens inconsequentes, ou “desenvolvimentos que poderiam ter sido” – talvez o mais gritante neste último grupo, seja o caso do intrigante do sub-plot de Kid Blue.

 

 

Mas um dos segredos para disfrutar em pleno da poção mágica de um enredo intelectualmente instigante e entretenimento de qualidade que Looper tem para oferecer é não procurar a ciência exata na ficção, e vice-versa.

 

Não é o tipo de filme que pressagia uma mudança na indústria, mas é claramente o tipo de filme que não vemos surgir no Cinema com frequência suficiente.



8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D