Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Intouchables (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 22.07.12

 

"Pas de bras, pas de chocolat."

 

Se as relações românticas estão para o cinema como as desgraças quotidianas estão para o noticiário das oito, por alguma razão que desconheço, e apesar de representar um dos pilares fundadores na vida de qualquer indivíduo são, a amizade encontra inúmeros obstáculos no que ao seu retrato cinematográfico diz respeito, particularmente se se tratar de uma amizade entre dois homens.

 

No cinema, para o macho ser amigo não chega, e das duas uma: ou nos servem buddy movies regados com ação ou com comédia, muitas vezes e infelizmente de gosto discutível.

 

Continua a ser um mistério para mim que existam tão poucos filmes que sejam honestos e diretos no tratamento de uma das variações relacionais mais importantes na vivência humana. Felizmente, os franceses mostraram que há uma solução para o problema.

 

Intouchables baseia-se na história verídica que relata a amizade entre Philippe, um homem que ficou tetraplégico na sequência de um acidente de parapente, e Driss, um jovem dos subúrbios acabado de sair da prisão que é contratado para o assistir no dia-a-dia.

 

 

Le Scaphandre et le Papillon meets Driving Miss Daisy, portanto, o que não pretende de todo ser um apontamento pejorativo.

 

A aversão americana às legendas a ponto de serem quase consideradas inimigas nacionais não impediu que um título simultaneamente muito francês na execução mas relativamente mainstream na sua estrutura fizesse história. Intouchables, a comédia dramática realizada por Olivier Nakache e Eric Toledano, tornou-se o filme não falado em inglês mais rentável da história, e apesar de ter quase 200 filmes falados na língua de Shakespeare à sua frente em ganhos globais, este é um feito que apenas com muito esforço poderá ser ultrapassado.

 

Em termos de enredo, não vale a pena enganar ninguém: não acontece grande coisa se excluirmos as pequenas voltas e reviravoltas que são estrategicamente colocadas para manter a atenção do espectador quando é mais passível que esta se comece a perder.

 

 

O título original (Intouchables) apela muito menos ao sentido narrativo do título do que o português (Amigos Improváveis), que parece largamente mais adequado ao enquadramento. Contudo não é preciso ir muito longe para compreender porque é que cada um dos nossos protagonistas é, de facto, intocável: Philippe pela sua paralisia, e Driss pela classe social.

 

Ainda antes do início do filme somos informados de que Intouchables é “baseado numa história verídica”, contudo, os seus pontos mais fortes pouco têm que ver com o grau de veracidade factual da mesma, e nesse sentido, fica o conselho: não percam o sono por causa das divergências. Driss poderia ser de qualquer raça, etnia ou nacionalidade. Não faria qualquer diferença, uma vez que o núcleo duro de Intouchables é a forma como ele e Philippe se unem enquanto seres humanos, sem olhar a outras superficialidades.

 

Sem se tornar um clássico contemporâneo – pelo menos para já – é um olhar simples e enternecedor sobre a génese e o desenvolvimento de uma amizade verdadeira e que nos deixa a questionar no vazio a razão pela qual não existem mais filmes como este.

 

 

Os realizadores/argumentistas Olivier Nakache têm especial atenção à caracterização das personagens, pondo de parte os clichés (ainda que o tratamento do choque cultural entre ricos e pobres seja um pouco rude) para encontrar o núcleo de dois homens que estabelecem uma relação emocional aparentemente impossível.

 

Omar Sy interpreta Driss, e pela performance chegou a levar a melhor sobre Jean Dujardin nos Césares – para os mais distraídos, são os Óscares franceses – e tornou-se o primeiro negro a levar o referido galardão para casa. Mais que justificado: poderosíssimo nos momentos dramáticos, Sy brilha inequivocamente quando lhe é permitido dar azo à sua veia humorística descontraída e com o carisma maior que a vida, retratar na perfeição a exultação máxima do espírito humano: a mais pura manifestação de joie de vivre.

 

François Cluzet é instigante na performance cheia de nuances de um homem apesar de só conseguir expressar qualquer tipo de sensação do pescoço para cima é inteligente, compassivo e sobretudo humano.

 

 

A camaradagem é excecional o que é, no fundo, essencial num filme cuja relação retratada é não só essencial para construir o significado do todo, mas também a razão única para a sua existência, sendo assim a única coisa que precisa de estar bem oleada e funcionar bem para que o resto resulte.

 

O elenco secundário, encabeçado exemplarmente por Anne Le Ny, rodeia a dupla principal agilmente.

 

A análise das diferenças entre classes é condescendente e grosseira (não estou certa que precisássemos, por exemplo, de ouvir Ave Maria de Franz Schubert enquanto Driss se encanta com uma casa-de-banho gigante que se opõe ao cubículo apertado que partilha em casa com meia dúzia de irmãos), mas ainda apesar do sentimentalismo e da inegável natureza formulaica (mais difundida pelos ideais cinematográficos norte-americanos) há algo em Intouchables que se convulsa para transcender o cliché – o seu retrato da intimidade entre dois homens cujos orgulho e alegria de viver foram roubados por dois enquadramentos muito distintos.

 

 

Com destino carimbado para as audiências mais maduras (apesar da minha crença de poder ser apreciado pelos mais jovens), esta é uma história sólida, regada com performances extraordinárias e sem um único condimento apelando aos efeitos visuais ou 3D. É aquele tipo de filme que inspira a proliferação do word-of-mouth através da linguagem universal do choque cultural.

 

A box office é dominada por dois tipos de filmes muito claros: os blockbusters tão caros que fazem corar quem se aventura a adivinhar o seu orçamento, e os mais raros filmes surpresa, que surgem de nenhures para abanar a competição. Intouchables é um desses filmes despretensiosos, mas que mesmo assim alcançam um sucesso que nada menos é do que espantoso e, em certa medida especial: porque este tipo de magnetismo está normalmente confinado a contos fantasiosos, invasões aliens e super-heróis.

 

Saber que uma das mais honestas manifestações da capacidade de amar pode lutar pela nossa atenção ao lado de colossos como estes é uma reafirmação análoga da crença de que, afinal, até somos uns tipos com bom coração.

 

 

8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D