Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - OSS 117: Le Caire Nid d'Espions (2006)

por Catarina d´Oliveira, em 29.02.12

 

"Comment est votre blanquette?"

 

 

Podíamos iniciar esta crítica dizendo que estamos perante o “James Bond Francês”, mas essa afirmação teria tanto de cliché como de inexatidão.

 

Na verdade o que devíamos dizer é que James Bond é o “agente 117 inglês”, isto porque o espião francês foi criado pelo prolífero Jean Bruce em 1949. Sendo assim, quando James Bond fez a sua primeira aparição num romance de Ian Fleming em 1953, já La Bath andava a espalhar charme e tiros há quatro anos.

 

Em 2006, o exímio coronel americano do Louisiana e de descendência francesa da CIA foi transformado num espião francês trapalhão porém eficiente da SDECE (Service de Documentiation Extérieure de Contre-Espionnage). La Bath, o agente 117, tinha assim renascido como um spoof das personagens de agentes secretos, uma figura cómica e, em muitos pontos, politicamente incorreta.

 

 

Jean Dujardin, que hoje celebramos como o grande “Artista” já aqui deixava duas coisas muito claras: que tinha um enorme talento para os papéis enraizados na comicidade e que era dotado de um carisma que faz transbordar do ecrã.

 

Mas vamos à nossa história: a nossa ação situa-se no Egipto, um autêntico ninho de espiões e conspiradores, em 1955. O sedutor mas eficiente Hubert Bonisseur de La Bath, de nome código: agente 117, é enviado pela França para uma missão secreta na capital egípcia do Cairo e para pôr ordem no caos que se vivia na cidade.

 

Pensem nao paródia ao bom estilo de Airplane! ou Naked Gun, e ponham de lado os sofríveis Scary Movies, ou qualquer coisa Movie. É no primeiro grupo que este OSS 117: Le Caire Nid d'Espions se encaixa, uma sátira que respeita o género com que parodia, e, ao mesmo tempo, a audiência.

 

 

Os preconceitos da era são totalmente incorporados pelo nosso protagonista e herói que, verdade seja dita, é um verdadeiro parvalhão. Desde nomes mal pronunciados, a insultos machistas e antirreligiosos, ou a pistas mal interpretadas – La Bath tem tudo o que poderíamos achar indesejável num agente secreto… e ainda assim, o seu charme e eficiência são inegáveis.

 

As convenções dos filmes de ação são satirizadas e a mentalidade colonial europeia é ridicularizada, mas o humor é geralmente inteligente e espirituoso. Os toques de época são incrivelmente fiéis, e aqui não me refiro apenas ao guarda-roupa ou aos sets, mas até aos efeitos visuais, sequências de ação e banda sonora. Uma curiosidade interessante de OSS 117: Le Caire Nid d'Espions é que marcou o primeiro encontro dos três grandes protagonistas de The Artist que, na ressaca da vitória nos Oscars, ainda exaltamos: Michel Hazanavicius dirige Jean Dujardin e Bérénice Bejo nesta caótica aventura de fazer corar o mais inspirado espião.

 

 

Talvez o seu maior problema seja que, apesar de ter pouco mais de 90 minutos, comece a cansar um pouco no terceiro ato – este tipo de humor tem um alcance algo limitado na nossa atenção e tolerância.

 

Mas não podemos terminar sem sublinhar: não é todos os dias que temos a possibilidade do prazer de assistir à luta entre dois espiões que se baseia na utilização de galinhas como armas de arremesso. Vai buscá-la, James Bond!

 

7/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D