Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


 "Nothing can take the sting out of economic problems like watching millionaires collecting gold statues."

(Billy Crystal)

 


Era fácil de prever, mesmo antes de o Deus Cinematográfico Morgan Freeman subir ao palco para nos recordar da importância e beleza da sétima arte, que a 84ª edição dos Oscars da Academia seria uma homenagem à magia do Cinema e àquilo que de melhor desperta em nós.

 

 

Depois de um descarrilamento no ano passado e da polémica do abandono de Eddie Murphy do leme da cerimónia, a Academia resolveu jogar pelo seguro, tanto no tema como na abordagem, e Billy Crystal foi pela nona vez o anfitrião da noite mais importante da indústria cinematográfica norte-americana.

 

 

O Anfitrião

 

A cerimónia começou forte e segura, com o anfitrião Billy Crystal a dar o pontapé de saída com uma familiar montagem de alguns dos nomeados a Melhor Filme que incluiu, entre outros atrativos, um beijo apaixonado com George Clooney (yep, leram bem), e um cameo surpreendentemente inteligente de Justin Bieber.

 


Depois veio o breve e usual monólogo inaugural, que entre algumas graças fortes, teria mais a ganhar se tivesse deixado um medley musical algo desastrado e bastante esquecível para uma outra ocasião.

 

Apesar de ter recebido algumas críticas menos simpáticas direcionadas carácter "same old, same old" da sua performance, não desgostei do trabalho de Crystal. Como em tudo na vida, houve coisas a correr melhor que outras, mas numa cerimónia que abraçou ternamente o passado e a história do Cinema, era quase desajustado ter outro alguém em palco ou que a performance do anfitrião tocasse num tom diferente.

 

 

Os Vencedores

 

Hugo e The Artist foram sem surpresas os reis da noite, matematicamente falando – com cinco estatuetas cada um, parecia quase inevitável que outro “final feliz” houvesse que não o que confluísse com uma cerimónia que quis celebrar a alegria de assistir e fazer Cinema.

 


 

Mas The Artist acabou por levar a melhor nas categorias mais apetecidas, que incluíram Melhor Ator, Melhor Realizador e Melhor Filme, tornando-o assim apenas o segundo filme mudo a vencer o prémio mais alto, depois de Wings, na cerimónia inaugural dos Oscars em 1929.

 

As categorias de interpretação estavam praticamente fechadas à partida, sendo a de Melhor Atriz a única que realmente parecia jogar-se taco a taco. Meryl Streep acabou por derrubar graciosamente a outra favorita – Viola Davis – e brindou-nos, depois de subir ao palco e aceitar o terceiro Oscar da sua carreira (quase 30 anos depois de receber o segundo, em 1983), com um dos discursos mais emotivos da noite. "When they called my name I had this feeling I could hear half of America saying, oh, c'mon. Oh, no. Not her again… But... whatever!" – Oh esqueci-me, Streep também tem esse enorme talento de incutir uma imensa graça de cada vez que se aproxima de um microfone.

 


 

Os secundários proporcionaram também alguns momentos para mais tarde recordar e ambos mereceram ovações de pé. Christopher Plummer, o actor mais velho a receber um Oscar, confessou que desde que nasceu que praticava o seu discurso, enquanto Octavia Spencer mal conseguiu escolher as palavras, entre soluços e olhares emocionados – “Thank you, world”.

 

 

Os Apresentadores Convidados

 

Com os prémios entregues sem surpresas escandalosas, alguns dos melhores momentos da noite surgiram de pequenos momentos protagonizados pelos apresentadores convidados a apresentar um galardão.

 

As protagonistas de Bridesmaids abrilhantaram o espetáculo na altura certa em que começava a arrastar-se: não me recordo de uma secção de curtas tão animada e irreverente como esta, que incluiu piadas sobre órgãos sexuais e um penalti de Vodka que sucedeu um grito por Scorsese.

 


 

Sandra Bullock pode não gerar consenso relativamente aos seus talentos dramáticos, mas é inegável que esta é uma senhora com piada e que é sempre uma mais-valia nestas pequenas participações. Demonstrando as suas habilidades no domínio das línguas pseudo-asiáticas, a sua apresentação da categoria de Melhor Filme Estrangeiro foi encantadora e habilmente capaz de arrancar algumas gargalhadas.

 

Emma Stone agarrou-se com unhas e dentes à oportunidade de subir ao palco do Kodak Theatre e brindou-nos com um entusiástico e enérgico discurso na apresentação do Oscar para Melhores Efeitos Visuais. Depois de tentar arrastar Jonah Hill para o palco para uma sessão de “abanar o esqueleto” acho que deveria passar a ser regra que Stone estivesse sempre presente para animar a malta na cerimónia.

 

Mas porque não foram só as mulheres a dar espetáculo, quero também dar uma palavra de apreço à aparição hilariante da dupla Zack Galifianakis e Will Ferrell - e eu nem simpatizo nada com o segundo senhor - na apresentação da categoria de Melhor Canção Original, cujo excerto podem apreciar já abaixo.

 

 

 

Montagens & Saltaricos

 

Os pequenos clips que juntavam uma miscelânea de atores a discutir os seus momentos cinematográficos favoritos foi uma das vitórias da noite. Curtos porém adoráveis, estes instantes humanizados contribuíram para aproximar um pouco mais de todos nós uma cerimónia que tantas vezes nos parece estar a anos-luz de distância.

 

O segmento de tributo aos que partiram contou com a participação de Esperanza Spalding e um coro infantil para nos oferecer uma fabulosa rendição de “What a Wonderful World”, e uma montagem de fotografias, vídeos e sons que confluíram na perfeição para honrar as tremendas perdas que 2011 nos trouxe.

 


Se por um lado não houve espaço para as Canções Originais terem o seu tempo de antena, por outro, tivemos direito a uma representação única e especial pelos profissionais do Cirque du Soleil. Apesar de me ter sabido um bocadinho a pouco depois de uma segunda visualização, temos de lhes dar o crédito por terem montado todo aquele aparato à premissa pouco acessível de “assistir a um filme”.

 

Um dos momentos mais inspirados da noite surgiu de um visionamento secreto de um Focus Group fictício a The Wizard of Oz, que reuniu as caras conhecidas de Christopher Guest, Bob Balaban, Eugene Levy, Fred Willard, Catherine O’Hara e Jennifer Coolidge. Inteligente, com a duração certa e o mais importante – divertido.

 

 

Resumindo e Concluindo…

 

A sensação que fica é que esta 84ª edição dos Oscars se esforçou para revitalizar o nosso amor pelo Cinema.

 

Ainda que por vezes a iniciativa tenha saído ao lado, não podemos ignorar o mérito de alguém pelo menos tentar reconquistar-nos, ainda que pareça ser na base de uma política totalmente oposta à do ano passado, que tentava atingir a fatia mais jovem da audiência.

 

A produção foi impressionante, e o Kodak Theatre estava resplandecente, tal como sentimos que devesse estar naquela noite de estrelas.

 

Ainda que ache que tão cedo o formato não deva ser repetido – não podemos, ano após ano, recorrer ao mesmo tema de “celebrar o passado” etc, porque aí é muito difícil injetar dinamismo – penso que, com o ano cinematográfico que tivemos, liderado por duas homenagens à história do Cinema, era difícil montá-lo de outra maneira.

 


Acho que, antes de embarcarmos no criticismo fácil, temos de recordar também que este é um evento cuja duração muito dificilmente está abaixo das 3 horas e cujas obrigações publicitárias são rígidas e incontornáveis. Boa sorte a quem quiser fazer disto um espetáculo magnificente non-stop que agrade a toda a gente.

 

Por isso resta-nos reconhecer que foi um bom e reconfortante serão que celebrou algo que, em tempos de crise, tendemos a esquecer: que podemos encontrar nos filmes a magia que a vida tantas vezes nos obriga a extinguir e que a experiência cinematográfica pode ter, se assim o desejarmos e permitirmos, um alcance ilimitado. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D