Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Whip It (2009)

por Catarina d´Oliveira, em 29.09.11

 

"Nice jump, Evel Knievel."

 

Atenção senhoras e senhores, temos um importante comunicado a fazer: o girl power foi reinventado.

 

Não, não estou a falar do videoclipe da Beyoncé que grita a plenos pulmões que as mulheres dominam o mundo, as Spice Girls não se voltaram a juntar, e também não estou a falar de nenhuma manifestação feminista extremista que tenha havido por essas ruas terrestres. Não amigos, hoje o girl power chega a patinar e toma o dúbio nome de Whip It.

 

Feito por e para as mulheres, esta comédia dramática vivaça mostra que o segredo para a felicidade é fazer aquilo que queremos e gostamos. Resumindo, “doing your own thing!”.

 

Shauna Cross adaptou ao grande ecrã o seu próprio romance de 2007, "Derby Girl", e daí surgiu a  primeira longa metragem de Drew Barrymore, que é um objecto prazeroso como já se vêem poucos. Barrymore e Cross trabalharam com formulas familiares de dramas desportivos e comédias juvenis ao estilo ovelha-negra sem grande inovação ou reviravoltas, mas o humor e as mulheres duronas condizem com a energia do filme, tornando-o fresco, e querido até.

 

 

Ellen Page volta a estar irrepreensível no regresso aos papéis juvenis com uma perfeição quase diminutiva – é a receita certa de tristeza, piada, inteligência e sentimento. Mas Page está muitíssimo bem acompanhada, desde Andrew Wilson como o excêntrico treinador, até Kristen Wiig como a maternal Maggie Mayhem e claro, Juliette Lewis com a deliciosamente malvada Iron Maven.

 

Whip It assenta confortavelmente na sua humildade, revelando não só muitas amarguras do crescimento, mas o processo de nos tornarmos mulheres e de recusarmos a submissão a uma inexistência de personalidade num mundo pejado de obrigações e faltas de respeito, e a ligação que existe entre nós e o quão estamos dispostas a investir nessas mesmas ligações.

 

É uma visão berrante mas honesta da mulher moderna e o seu domínio de poder e independência, num mundo que teima em retirar-lhe a identidade. Um chick flick porreiro, que não dá vergonha nenhuma de apoiar e que tem o casting perfeito. E tudo bem, pode não ser um filme para todos os gostos. Não é uma obra de arte, mas também não quer nada com isso, como também não quer ser um filme vazio empacotado para as massas. É um filme independente sem grandes pretensões filosóficas, que não se interessa por fazer sentir a audiência confusa. É apenas um filme divertido, modesto e entusiasmado, cheio de mulheres a divertirem-se em cima de uns patins.

 

 

Ao contrário de muito do que Hollywood nos tenta impingir, aqui a realização surge do que pensamos de nós mesmos, e não do que os outros pensam de nós (e, que diabo, se isso não é inspirador, então não sei o que é!) e ainda trata o elenco feminino com respeito, o que, infelizmente, é coisa rara no cinema moderno.

 

Numa era dominada pelas Hannahs Montanas desta vida, bem que nos fazia falta uma Bliss Cavender.

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D