Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Last Night (2010)

por Catarina d´Oliveira, em 27.09.11

 

"You can be happy and still be tempted".

 

Como fez Closer, em 2004, Last Night espreita a vida e as relações de um par de jovens casais; mas desenganem-se se esperam um drama atrevido e perturbante como o trazido por Mike Nichols.

 

A palavra ideal para descrever Last Night… nem sequer é bem uma palavra. É uma daquelas expressões que usamos caracteristicamente para reagir a algo que esperávamos ser bom, mas que sem ser horrendo, é vulgar e mediano. E deixa aquele gostinho a desilusão… Bom, a forma fonética mais semelhante talvez seja “meh…”. Então este é um filme absolutamente “meh…”.

 

Os temas da tentação sexual e da infidelidade são apenas tratados com pouco cuidado, numa narrativa pouco satisfatória e que tem falta de intriga, desenvolvimento de personagens ou algo que lhe valha.

 

 

A premissa é simples: Michael e Joanna estão casados há apenas três anos, mas a chama da relação está praticamente reduzida a cinzas. Num momento de alívio, talvez não só para o espectador, mas para os protagonistas, Michael parte para uma viagem de negócios, e o casal passa um dia separado. Um dia, ou talvez mais correctamente, uma noite que porá em jogo um fogoso jogo de resistência, atracção, infidelidade mas de pouco amor.

 

A história tem potencial sólido, mas, e perdoem-me a linguagem, tem falta de chicha e graves problemas de ligação: há demasiadas cenas desconexas e mundanas que acabam por ser frustrantes. E só no último acto é que a coisa volta aos conformes e a edição também melhora, com bons cortes entre os dois graus de infidelidade – física e emocional – a que assistimos.

 

Quanto ao elenco, (quase) todo se esforça por fazer deste um filme melhor do que o que é. Keira Knightley e Guillaume Canet formam sem dúvida o par mais carismático (e na realidade o único que nos interessa). No Sam Worthington já perdi toda a esperança depois de tanto tiros ao lado em géneros diferentes… até o cão era mais expressivo, e diga-se que parecia bem aborrecido com tudo isto.

 

O maior problema do filme talvez seja mesmo Michael: ninguém sabe muito bem o que fazer com ele, o que resulta num personagem que anda cabisbaixo o filme inteiro (bom, talvez excepto naquele momento fogoso no quarto de hotel). Michael arrefece tudo, até a fogosa Laura e até a inequivocamente mais viva relação entre Joanna e Alex – eventualmente, ela começa a recordar o marido e tudo mais e puff. Michael’s here.

 

 

Mas seria injusto não reconhecer em Last Night algumas boas cartadas, como os silêncios reveladores e o posicionamento privilegiado da luz e da música; mas talvez a mais notável seja a visão que dá do efeito dos principais nos eternos “outros” – Alex e Laura – o casalinho quebrado deixou um rasto de mazelas atrás de si.

 

Massy Tadjedin estreia-se com um filme que aposta no poder da revelação e também dos momentos familiares, apostando no reconhecimento por parte da audiência de situações que também já viveram (ainda que parcialmente talvez). Às vezes resulta, outras não.

 

6/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D