Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Midnight in Paris (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 16.09.11

 

"You're in love with a fantasy."

 

Continuando a rota europeia de Vicky Cristina Barcelona, Woody Allen encontra agora em Paris a sua grande musa. Reencontrando-se e redescobrindo-se, o realizador traz-nos a história mágica de um homem que um dia deixou de ter medo e decidiu seguir o seu sonho.


Gil sempre idolatrou os grandes escritores americanos. A vida levou-o a trabalhar como argumentista em Hollywood, o que se por um lado fez com que fosse muito bem remunerado, por outro lhe rendeu uma boa dose de frustração. Agora, está prestes a ir a Paris com a noiva, Inez, e com os pais dela, John e Helen. John irá à cidade para fechar um grande negócio e não esconde a sua desaprovação pelo futuro genro. Estar em Paris faz com que Gil se volte a questionar sobre os rumos da vida, desencadeando o velho sonho de se tornar um escritor reconhecido.

 


Midnight in Paris abre, desenvolve e fecha como um belo postal da cidade das luzes. É importante conhecer os locais onde vamos filmar o nosso filme, e Woody Allen não só faz isso como também se apaixona repetidamente por estes locais, e como um jovem embriagado de paixão, filma-os. O que vemos é o resultado dessa relação quase amorosa entre o realizador e as cidades que filma, que sempre tiveram lugar de destaque no seu Cinema.
 

O realizador e Darius Khondji (fotografia) deram ao filme um estilo visual vívido e único: seja, por exemplo, na montagem inicial em jeito de postal ou nas cenas dos anos 20, cheias de texturas ricas e fluídas.
 
O filme é cheio de graça e vivacidade, e é impossível não ficarmos inegavelmente apaixonados pelo passado como o nosso protagonista. E todas aquelas fascinantes figuras histórias… fascinantes em toda a humanidade que equiparavam à sua genialidade (e aqui entre nós, os actores pareciam estar a divertir-se à grande).
 


Estamos perante um conto lírico sobre o prazer, a criatividade e o romance. E se Midnight in Paris tem o seu quê de esquizofrenia, pairando entre a realidade e a fantasia, eu cá não me importo nada com isso.
Os elementos de fantasia nunca são exagerados, e compreendemos sempre que não têm a intenção de serem levados a sério, mas são uma forma interessante e diferente de o filme se manter em cheque com os seus temas mais profundos.
 

Infelizmente para nós e para a história, há simplesmente algo que não bate certo; os contrastes são demasiado fortes. Como é possível que Gil tenha chegado a este ponto da relação – ao ponto de casar – com uma pessoa que nunca se esforça para o compreender, ou apreciar, ou sequer amar? Este é um dispositivo que serve para nos separar da fantasia e da dura realidade, mas a verdade é que não tinha de ser assim tão dura – que diabo, onde é que ele foi desencantar uma família destas?

 

 
O elenco é fantástico; todos os actores parecem perfeitos para o seu papel, e acho que este é o melhor elogio que lhes posso fazer. E como ouvi por aí algures, Owen Wilson parece ser o avatar perfeito de Woody Allen.
 
Midnight in Paris é encantador, inteligente e nuclearmente esperançoso. E obviamente não tenho espaço nem engenho para prezar este filme quanto baste, por isso toca a levantar os rabinhos da cadeira e vão ver esta maravilhosa parada mágica por vocês mesmos.

 

 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D