Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Hoje é... Dia do Solteiro!

por Catarina d´Oliveira, em 29.09.12

E não há mote melhor para nos pormos a ver uns quantos filmes. E se eles forem, inclusive, adequados para a ocasião?

 

Cliquem na imagem e vão até à Vogue.pt para revisitarem 23 Filmes capazes de fazer qualquer solteiro sentir-se feliz com o seu status atual!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

"This ain't the Ark. It's the Titanic!

 

Aparentemente, o apocalipse nem sempre chega sob a forma de ataques alienígenas, pandemias de zombies ou conflitos militares sem precedentes, e o mundo pode despedir-se condignamente da vida sem efeitos especiais e óculos 3D, mas com coração quente.

 

Segundo várias teorias científicas, já aconteceu antes, e poucos sobraram para contar a história que, por ironia no destino, volta a repetir-se.

 

Um asteroide com mais de 100 km de diâmetro encontra-se em rota de colisão com a Terra. Todas as tentativas de evitar o fatal embate falharam, e o fim do mundo, como tantos profetizaram vezes sem conta, chega dentro de 21 dias. O que termina também sem tréguas é o casamento de Dodge, um homem que sempre se resignou a jogar pelas regras e pelo seguro. Um dia, conhece Penny, a vizinha extrovertida mas de coração amolgado por nunca ter encontrado o Amor verdadeiro.

 

 

Estão lançadas as cartas e corpos celestes para uma jornada que tem como destino o reencontro familiar e dos amores perdidos… antes que o prazo de validade acabe e a mercadoria azede.

 

A sátira pouco convencional ao fim dos tempos de Seeking a Friend for the End of the World tem um tom mais meloso e calmo do que aquilo a que estamos habituados vindo deste quadro temático, sendo que a aderência à aventura agridoce de Dodge e Penny também pode ser determinada pela capacidade de encaixe cómico do espectador relativamente à fatalidade que envolve o enredo.

 

O conceito é mais forte do que a execução, o que poderá ser justificado pela parca experiência prévia da realizadora e argumentista no cargo, Lorene Scafaria, que se notabilizou em 2008 pela escrita do argumento da excêntrica comédia romântica ‘Nick e Norah – Playlist Infinita’. Em ambas as funções, Scafaria faz escolhas óbvias e nem sempre brilhantes, mas complementa-as com a presença de refrões ímpares.

 

 

A honestidade cortante de Seeking a Friend for the End of the World é especialmente palpável na primeira meia hora de filme, onde exploramos uma série de reações possíveis (muitas delas bem primordiais) ao prognóstico apocalíptico. O caos instala-se, e desde manifestações públicas de promiscuidade a pais a alimentarem os filhos a álcool, o mundo tenta absorver as últimas experiências que consegue alcançar. E é este tipo de verdades duras – porque talvez se revelasse assim, mais do que de outra forma – que tornam ‘Até que o Fim do Mundo nos Separe’ tão afetante. É a humanidade na sua mais gloriosa imperfeição.

 

Há contudo, uma extrema abundância de fofura. E não me interpretem mal: fofura é bom. Mas a fofura tem de ser muito bem doseada, por perigos de se deixar cair, como diriam os nossos amigos brasileiros, no brega.

 

 

Como vai sendo costumeiro na vaga indie, as escolhas musicais (Beach Boys, INXS, Scissor Sisters, Walker Brothers e muitos outros) são sempre inspiradas e prontas a dizer algo nas entrelinhas sobre o que se desenrola na literalidade da ação.

 

Steve Carell faz o que sabe e traz-nos o homem de sempre – o loser amoroso - com menos pitadas cómicas do que o costume. Do outro lado da barricada, Keira Knightley, numa rara oportunidade de contracenar nos tempos modernos, orienta o personagem mais interessante e misterioso do duo, numa performance bem condimentada pelo espírito livre e natureza otimista. A faísca cómica entre ambos está lá, a romântica… não parece tão clara. Fica sempre no ar a questão – e se eles tivessem sido mesmo e, apenas e só, amigos? O trilho do romance não é um dano irreparável, mas é uma das escolhas convencionais que acaba por enfraquecer ligeiramente o poderio da mensagem.

 

Pelo caminho conhecemos ainda brevemente uma série de personalidades cativantes veiculadas pela presença de cameos da mais alta qualidade e bem auxiliadas pelos dizeres certos.

 

 

Seeking a Friend for the End of the World não é um filme perfeito, seja lá o que isso for, seguindo um arco de road movie algo convencional baseado na noção que é, inclusive, discutida no filme, de que os opostos se atraem. Mas é fácil, demasiado fácil até, desvalorizá-lo como “mais um filme sobre as malvadas profecias Maias” ou uma comédia romântica aparentemente desajustada. Se podíamos ter uma dinâmica relacional diferente entre os protagonistas, uma sátira mais azeda sobre a sociedade ou um final mais irónico? Podíamos. Mas Scafaria cria algo que respeita a inteligência de quem assiste, numa narrativa que não vê necessidade em ser assistida por coincidências pouco credíveis, twists bizarros ou finais batoteiros.

 

O que acabamos por receber está, na verdade, inteiramente explícito no título: uma rendição adorável e honesta sobre a incessante procura humana pelo contacto e intimidade. E esse não é, nem deve ser um propósito menor. Nem hoje, nem no último dia das nossas vidas.

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mise en Scène - Os anões d'O Hobbit!

por Catarina d´Oliveira, em 27.09.12
O mais recente poster de The Hobbit presta um merecido tributo à raça dos anões da Terra Média!


Autoria e outros dados (tags, etc)

Snorricam - A saga dos trailers honestos

por Catarina d´Oliveira, em 26.09.12

Tenho ideia de já ter posto por cá um ou outros destes tesourinhos, criados exclusivamente pelo fabuloso Screen Junkies... e hoje não consegui resistir a partilhar duas das últimas relíquias, que se debruçam, não curiosamente, sobre dois dos maiores filmes do ano.

 

E independentemente dos gostos (eu, por exemplo, gostei bastante de Hunger Games)... há que reconhecer a genialidade quando nos cruzamos com ela.
Thank god for awesomeness!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mise en Scène - Pi & Misérables

por Catarina d´Oliveira, em 24.09.12

Foi recentemente disponibilizado um novo e renovadamente belo trailer de Life of Pi, o novo filme de Ang Lee.

 

O enredo conta-nos a história de um rapaz indiano chamado Pi, o filho de um administrador do jardim zoológico que se vê sozinho no meio do Pacífico com uma hiena, uma zebra, um orangotango e um tigre, depois de a sua família ter tentado emigrar para a América do Norte num cargueiro que acabou por se afundar.

 

Além da realização a cargo de Lee, o argumento foi escrito por David Magee e o elenco conta com interpretações de Suraj Sharma, Gerard Depardieu, Adi Hussain, Irrfan Khan, Rafe Spall,  entre outros. A muito ansiada estreia em terras lusas (em 3D, pois claro) está agendada para 29 de Novembro de 2012.

 

 

 

Quanto ao poster de Les Misérables, nada mais me apraz dizer que não... deleitem-se.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Freeze Frame Shot - Hugh Jackman sequinho, em The Wolverine

por Catarina d´Oliveira, em 24.09.12

Foi divulgada a primeira imagem oficial de The Wolverine, que mostra Hugh Jackman na pele do afamado protagonista com um aspeto bastante... saudável. 

 

 

Segundo a sinopse oficial, The Wolverine segue o arco original do personagem nos comics e encontra Logan, o eterno guerreiro e outsider, no Japão. Será em terras nipónicas que Logan confrontará uma figura misteriosa do seu passado que o mudará para sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festivais - Queer Lisboa 16

por Catarina d´Oliveira, em 24.09.12

Por confessada falta de tempo e cuidado, a 16ª Edição do Queer Lisboa, um dos maiores festivais de cinema da capital, passou ao lado aqui do Close-Up. Mas como mais vale tarde do que nunca e ainda temos até ao final desta semana para disfrutar do melhor do Cinema Gay e Lésbico, resolvi deixar aqui um apontamento breve ao evento.

 

 

Segundo a organização, e para aqueles que poderão não estar familiarizados com o projeto:

O Queer Lisboa é o único Festival nacional com o propósito específico de exibir filmes de temática gay, lésbica, bissexual, transgénero e transsexual, um género cunhado internacionalmente como Cinema Queer. É nosso objectivo programar o que de mais relevante, em termos estéticos e narrativos, se faz no panorama mundial, visando colmatar o facto de este Cinema ser de acesso restrito ao grande público. O Cinema Queer atravessa toda a história do cinema, apesar de corresponder a um rótulo recente: é o início da década de 1990 que vê surgir uma nova linguagem cinematográfica que aponta para novas negociações das subjectividades ligadas às identidades sexuais e de género.”

(in queerlisboa.pt)

Com 91 títulos em cartaz no cinema São Jorge (a programação poderá ser consultada em todo o detalhe aqui), esta edição do Queer celebra o “Ano do Brasil” com a secção especial “Queer Brasil”.

 

Tendo aberto com o premiado Weekend de Andrew Haigh, o festival de cinema mais antigo de Lisboa termina, infelizmente, já no próximo Sábado, com a exibição de Cludburst, o novo filme de Thom Fitzgerald, à qual se seguirá a festa de encerramento.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

New Shots - 24 a 30 de Setembro de 2012

por Catarina d´Oliveira, em 23.09.12

 

Esta semana nos cinemas:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Flashforward - Plano Nacional de Cinema

por Catarina d´Oliveira, em 22.09.12

Charlie Chaplin, Tim Burton, François Truffaut, Steven Spielberg, Martin Scorsese, Abbas Kiarostami, Manoel de Oliveira e muitos outros passarão a ser professores.

 

Isto porque foi instituído o Plano Nacional de Cinema, criado pela Secretaria de Estado da Cultura e pelo Ministério da Educação e Ciência e apresentado na passada sexta-feira em Lisboa.

 

 

O Plano é posto em andamento já este ano letivo com a participação de 23 escolas – um “plano-piloto” que se verá bem reforçado no próximo ano (2013-2014) a lista de participantes.O PNC tem o grande objetivo de atrair e impulsionar novos públicos para o Cinema, e segundo a Lei do Cinema e do Audiovisual (que entrará em vigor em outubro) deve promover “um programa de literacia para o cinema junto do público escolar para a divulgação de obras cinematográficas de importância histórica". 

 

A lista completa de filmes integrantes do plano, do 5º ao 12º ano, é apresentada abaixo.

 

 

Programa para o 5.º ano
– "Estória do Gato e da Lua", de Pedro Serrazina (Portugal, 1995)

– "O Estranho Mundo de Jack", de Henry Selick, escrito e produzido por Tim Burton (EUA, 1993)

– "A Bola", de Orlando Mesquita Lima (Moçambique, 2001)

– "Com Quase Nada", de Margarida Cardoso e Carlos Barroco (Portugal e Cabo Verde, 2000)

– "Aniki-Bobó", de Manoel de Oliveira (Portugal, 1942)

– "As coisas lá de Casa", de José Miguel Ribeiro (Portugal, 2003)

 

 

Programa para o 6.º ano
– "O Garoto de Charlot", de Charles Chaplin (EUA, 1921)

– "ET, o Extraterrestre", de Steven Spielberg (EUA, 1982)

– "Diz-me Onde Fica a Casa do Meu Amigo", de Abbas Kiarostami (Irão, 1987)

 

 

Programa para o 7.º ano
– "História Trágica com Final Feliz", de Regina Pessoa (Portugal, 2005)

– "A Noiva Cadáver", de Tim Burton (EUA, 2005)

– "Saída de Pessoal Operário da Camisaria Confiança", de Aurélio da Paz dos Reis (Portugal, 1896)

– "A Invenção de Hugo", de Martin Scorsese (EUA, 2011)

– "Serenata à Chuva", de Stanley Donen (EUA, 1852)

– "Shane", de George Stevens (EUA, 1953)

 

 

Programa para o 8.º ano
– "Adeus, Pai", de Luís Filipe Rocha (Portugal, 1996)

– "Eduardo, Mãos de Tesoura", de Tim Burton (EUA, 1990)

 


Programa para o 9.º ano
– "Romeu + Julieta", de Baz Luhrman (EUA, 1996)

– "A Suspeita", de José Miguel Ribeiro (Portugal, 1999)

– "O Barão", de Edgar Pêra (Portugal, 2011)

– "Um Outro País", de Sérgio Tréfaut (Portugal, 1999)

 

 

Programa para o 10.º ano
– "Persépolis", de Marjane Satrapi e Vicent Paronnaud (França, 2004)

– "A Noite", de Regina Pessoa (Portugal, 1999)

– "Douro, Faina Fluvial", de Manoel de Oliveira (Portugal, 1931)

– "Jaime", de António Reis (Portugal, 1974)

– "Rafa", de João Salaviza (Portugal, 2012)

– "Luzes da Cidade", de Charles Chaplin (EUA, 1931)

 

 

Programa para o 11.º ano
– "Os 400 Golpes", de François Truffaut (França, 1959)

– "Senhor X", de Gonçalo Galvão Teles (Portugal, 2010)

– "A Esquiva", de Abdelatlif Kechiche (França, 2004)

 

 

Programa para o 12.º ano
– "Belarmino", de Fernando Lopes (Portugal, 1964)
– "Fado Lusitano", de Abi Feijó (Portugal, 1995)

– "Os Respigadores e a Respigadora", de Agnès Varda (França, 2000)

– "Viagem à Lua", de Georges Méliès (França, 1902)

– “O Estranho Caso de Angélica”, de Manoel de Oliveira (Portugal, 2010)

– "Os Salteadores", de Abi Feijó (Portugal, 1993)

– "A Cortina Rasgada", de Alfred Hitchcock (EUA, 1966)

 

 

 

E posto isto... quem me dera voltar à escola...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Deep Focus - O melhor Cinema Português do séc. XXI

por Catarina d´Oliveira, em 21.09.12

 

NOTA: artigo publicado originalmente na Vogue.pt (pode ser acedido aqui)

 

 

Diz um tal anúncio de massas que “o que é nacional é bom”. Segundo mitos urbanos, se acrescentarmos ao nacional o antigo, ainda melhor. Mas, e o novo?

 

Diz-se que o velho derrota o novo desde a receita de bacalhau da avó reproduzida pelo bisneto, até ao filme a preto-e-branco inalcançável pelo irmão mais novo policromático. Diz-se que nunca voltaremos a ter ‘Casablanca’, ‘O Mundo a Seus Pés’ e ‘E Tudo o Vento Levou. Nem tampouco um ‘Pátio das Cantigas, ‘O Pai Tirano’ ou ‘Aldeia da Roupa Branca’.

 

O novo é tantas vezes obliterado. Subestimado. Desdenhado. Desprezado. Ignorado. Esquecido. Menosprezado.

 

Mas o novo é bom. O novo vale a pena, sem necessitar de viver na sombra do antigo, que é manifestamente charmoso e valioso, tendo luz própria.

 

Ainda tenho muitas horas de Cinema português pela frente, mas nesta minha ainda curta jornada pela sétima arte lusa, já descobri enormes tesouros. É num estado de espírito cheio de graça que, alavancada pelo percurso do nosso ‘Sangue do Meu Sangue’ no circuito nacional e internacional (afinal, é a nossa aposta na corrida à nomeação de Melhor Filme Estrangeiro nos Óscares da Academia do próximo ano), me proponho hoje a relembrar um pouco do melhor que o Cinema Português teve a oferecer nos 11 anos que leva o séc. XXI, além do drama de sacrifício de João Canijo. 

 

Por bem de ambos – o novo e o velho -, que cessem as comparações, que não beneficiam nem o que já foi, nem o que está para vir. E porque do passado já conhecemos de cor os encantos e graças, hoje celebramos o Hoje.

 

 

‘O DELFIM’, de Fernando Lopes (2002)

 

A adaptação do romance homónimo de José Cardoso Pires faz um retrato do Portugal mofado de Salazar e do auge da guerra colonial. Segundo o próprio Fernando Lopes é um “prodigioso pretexto cinematográfico para entender paixões e emoções, misérias e grandezas de um Portugal agonizante, e com o seu ditador a morrer lentamente, como o país”. A adaptação é distinta, notável mesmo, pela perceção da importância do retrato que faz, mostrando ou refletindo, em vez de ajuizar e sentenciar.

É o espelho do fim de uma era, como sentencia a última passagem: “Que caia a noite”. Ou como historicamente poderíamos reescrever, “Que amanheça o novo dia”.

 

 

'UM FILME FALADO', de Manoel de Oliveira (2003)

 

É o realizador mais velho do mundo ainda em atividade e uma figura incontornável do cinema nacional e internacional. Manoel de Oliveira era capaz de carregar aos ombros uma lista destas por si só, mesmo depois de ter vivido o suficiente para assistir a duas guerras mundiais. Por agora, resolvemos destacar o filme que lhe marca, para já, o século: o drama de uma jovem professora de história que embarca com a filha num cruzeiro com o objetivo derradeiro de encontrar o marido em Bombaim. Na viagem cruzam-se fronteiras virgens ao conhecimento palpável de Rosa (que as conhece de cor dos ensinamentos que transmite na escola aos alunos) com personalidades únicas que têm o seu papel a desempenhar no trajeto da professora.

Pejado de momentos em “estado de graça” e metáforas inquietantes, Um Filme Falado fala sobre a importância da experiência dos momentos e a prova irrevogável de que estamos perante um homem que viu muito da vida, e que compreende intrinsecamente a arte a que se dedica.

 


‘VAI E VEM’, de João César Monteiro (2003)

 

Considerado um louco por uns, e um génio por outros, João César Monteiro nunca deixou por mãos alheias o crédito que lhe era imperativo dedicar – o de um apaixonado pela arte de fazer filmes.

O indiossincrático realizador interpreta o protagonista de Vai e Vem, João Vuvu - um viúvo solitário com o filho na prisão e uma apreciável propriedade num bairro antigo de Lisboa, que perpetuamente repete o mesmo passeio no autocarro nº 100 todos os dias. É apenas o regresso do filho que abanará a vida de Vuvu, onde se manifestarão uma série de acontecimentos sombrios e criminosos.

Vai e Vem foi o último filme de um senhor Cinema tantas vezes incompreendido, que faleceu ainda antes da estreia. O que fica é um testamento épico, nem sempre de trilho fácil mas infindavelmente recompensador, à sua arte e à sua memória pelo próprio que conhecia como ninguém o Cinema e a vida.

 


‘NOITE ESCURA’, de João Canijo (2004)

 

Não se tivesse João Canijo inspirado na tragédia grega “Infigénia em Áulis” de Eurípedes, e talvez tudo estivesse bem com a família Pinto no fecho das cortinas. Mas Canijo não é homem de palavras (ou imagens) mansas. Na escuridão da noite, algures numa província portuguesa a dita família Pinto gere um bar de alterne e terá de aprender a lidar com a desgraça que qual tempestade ciclónica se aproxima para destruir os seus sonhos.

A agitação e o sufoco são palavras de ordem na direção de Canijo, que orienta a o remoinho trágico entre o espaço claustrofóbico com luzes fluorescentes e grandes planos reveladores. A quadra dramática composta por Rita Blanco, Fernando Luís, Cleia Almeida e, acima de todos, Beatriz Batarda é assombrosa, debitando diálogos e emoções com veracidade tal que a crença de que somos espias clandestinos num qualquer canto tenebroso deste bordel é uma constante.

A quinta longa-metragem de Canijo fala a um Portugal inerte, absorvido pelo materialismo e pelos males contemporâneos. Um violento murro no estômago que prova o vigor do cinema luso.

 


‘ALICE’, de Marco Martins (2005)

 

Entre muitas outras distinções, Alice levou para casa o Prémio Regard Jeunes de Melhor Filme da Quinzena dos Realizadores de Cannes em 2005, feito comparativamente pequeno quando anexado ao pungente drama de Marco Martins sobre um pai que se recusa a desistir da obstinação patoloógica de procurar a filha desaparecida há 193 dias.

No seu tempo, Alice foi uma produção atípica no cinema português, uma crónica sobre a perda que resiste sempre às teias pegajosas do melodrama.

A fotografia azulada (tal como o casaco de Alice), a banda sonora minimalista de Bernardo Sasseti e a interpretação meteórica de Nuno Lopes (um dos Nossos atores mais talentosos e versáteis) valeriam por si. Mas reduzir Alice a uma série de qualidades pontuais é um crime quando constatamos o poderio do todo.

Talvez a sua experienciação seja uma das mais penosas que o Cinema Português algum da nos ofereceu. Aquilo a que assistimos parece demasiado catastrófico e doloroso para ser real. Mas a mais aflitiva constatação é a de que há pouca ficção na verdade de Alice.

 


‘JUVENTUDE EM MARCHA’, de Pedro Costa (2006)

 

Não é de hoje o fascínio de Pedro Costa por tudo aquilo que de inovador o Cinema tem a oferecer, sendo sistematicamente indicado como um dos mais influentes e brilhantes realizadores portugueses de sempre. Uma das suas construções mais admiradas e admiráveis é a “trilogia das Fontainhas”, que explora a injustiça social que afeta jovens cabo-verdianos estabelecidos no referido bairro Lisboeta. Juventude em Marcha é o último capítulo desta coleção (seguindo Ossos, 1997 e No Quarto de Vanda, 2000).

O minimalismo e a abordagem naturalista do cinema (sem iluminações artificiais ou movimentos de câmera desnecessários) propagam-se por todos os 155 minutos desta crónica de pobreza e solidão, que ainda que exiba um confronto colossal entre demónios interiores, é também, nuclearmente, uma história de esperança.

 

 

'GOODNIGHT IRENE', de Paolo Marinou-Blanco (2008)


Numa Lisboa cujo tempo não se necessita precisar, encontramos Alex e Bruno. O primeiro é um ator inglês de meia-idade falhado e solitário, o segundo um jovem serralheiro que luta contra a passagem do tempo. Os dois homens partilham a única coisa que uma relação monogâmica não permite: o amor pela mesma mulher, Irene, uma pintura com a vida e carisma que não colora as suas vidas. Um dia Irene desaparece, e Bruno e Alex fazem-se à estrada para lhe descobrir o paradeiro.

A reflexão sobre o sentido da vida e relacionamentos humanos é a primeira longa-metragem de Paolo Marinou-Blanco, que também a escreveu com as palavras que pautaram uma das melhores apresentações de diálogo dos últimos anos no cinema português. é a sua primeira longa-metragem

Como noutros casos célebres, pode não representar aquilo que de mais fino recorte se faz por cá, mas pelo menos, ousou fazer diferente, e intentando-se assim, não se saiu nada mal.

 

 

‘MORRER COMO UM HOMEM’, de João Pedro Rodrigues (2009)

 

A história da protagonista de Morrer como um Homem, é, por ventura, a mais curiosa deste lote que hoje selecionámos. Ora Tonia é uma veterana da cena travesti lisboeta que se abeira do fim da carreira. Pressionada pelo namorado a submeter-se a uma operação de sexo, Tonia convulsa-se com as suas convicções morais e religiosas mais profundas, sabendo que, perante Deus, nunca será uma mulher.

A crise de Tonia desenrola-se sob os detalhes da sua existência. É uma chuva de incongruências que combinam na perfeição – o pragmatismo e a natureza visionária, o realismo e o fantástico, a pobreza e a riqueza – e que torna a sua história inquietante e muito mais relevante do que eventualmente poderá parecer à superfície.

Ao empregar uma radical mudança do tom real para o fantasioso no último terço, o filme de João Pedro Rodrigues ganha um novo poderio com uma compaixão tão incisiva quanto graciosa.

 


‘UM AMOR DE PERDIÇÃO’, de Mário Barroso (2009)

 

O título não deixa margem para enganos: Mário Barroso deu o que tinha de si à quarta adaptação cinematográfica do clássico da literatura escrito por Camilo Castelo Branco no séc. XIX. A história, essa do amor suicidário entre Simão e Teresa, já é sobejamente conhecida.

Inserindo-se no contexto português do séc. XXI, Um Amor de Perdição não poupa o espectador da violência e polémica da irreverência do realizador, que apresenta a revolta de histórias de amores impossíveis e não correspondidos com a agilidade de quem cavalga as páginas de Castelo Branco.

Como chegou a admitir Barroso numa entrevista, “é um Romeu e Julieta sem a Julieta”.

 

 

‘A BELA E O PAPARAZZO’, de António-Pedro Vasconcelos (2010)


Para provar que o Cinema português não detém exclusivos no campo do dramático e meramente artístico cuja aparente sobranceria afasta o comum espetador, o fenómeno positivo d’A Bela e o Paparazzo era uma entrada incontornável na nossa lista, por se apresentar como um dos títulos mainstream mais bem-recebidos pela massa da assistência na presente década e picos.

A simplicidade e o regresso às raízes cómicas, que no passado regámos e floresciam tão bem, são os trunfos da comédia romântica que junta Mariana, uma celebridade e atriz de telenovelas, e João, um paparazzo.

Não sendo, em rigor, um dos grandes filmes dos nossos tempos, A Bela e o Paparazzo cumpriu, talvez como nenhum outro, um objetivo incansavelmente perseguido por tantos cineastas do panorama nacional: comunicar e relacionar-se com aqueles a quem se dirige – o povo português. Uma saudável bolha de oxigénio essencial para alimentar o tecido conectivo entre a nação e a sua arte.

 

 

 

‘MISTÉRIOS DE LISBOA’, de Raoul Ruiz (2010)


Com quatro horas e meia (a versão mini-série integral tem cerca de seis), Mistérios de Lisboa é uma autêntica maratona cinematográfica que se apresenta como o último filme completo do prolífico realizador chileno Raoul Ruiz.

Diz-nos a descrição oficial que Mistérios de Lisboa nos mergulha num “turbilhão imparável de aventuras e desventuras, coincidências e revelações, sentimentos e paixões violentos, vinganças, amores desgraçados e ilegítimos numa atribulada viagem por Portugal, França, Itália e Brasil”, e uma vez mais, a inspiração busca-se num romance de Camilo Castelo Branco.

Apaixonado pela arte do storytelling, Ruiz tece cada centímetro da teia labiríntica do enredo demonstrando uma compreensão pela história e pela condição humana.

Apesar da duração intimidante, Mistérios é absolutamente imperdível e recheado de prazeres intelectuais e íntimos, sentindo-se como um clássico instantâneo e um presente inestimável que Ruiz fez questão de nos deixar.

 

 

‘JOSÉ E PILAR’, de Miguel Gonçalves Mendes (2011)

 

O maior elogio que podemos prestar a Miguel Mendes pelo trabalho hercúleo de seguir o casal enigmático do título durante meses a fio, é que ‘José e Pilar’ parece uma história saída do imaginário do próprio Nobel. É claro, Saramago nunca foi homem de histórias de amor, de palavras aveludadas, doces. As suas histórias e contos foram sempre irrequietos. “Vivo desassossegado e escrevo para desassossegar”, dizia ele. E assim era e foi. Saramago tinha o dom de transformar a mais mundana das coisas em literatura pura, tenha sido na construção de um convento ou na viagem de um elefante.

Mas este não é um filme sobre José Saramago, o Nobel, nem tampouco sobre José, o homem. Esta é uma equação mais complexa, e a incógnita de José é acompanhada perpetuamente pela incógnita de Pilar, o seu pilar – esta é uma história de amor.

“A Viagem do Elefante”, livro que narra as aventuras e desventuras de um paquiderme, é o ponto de partida e de chegada para ‘José e Pilar’. Enfrentando dificuldades várias, Saramago recuperou sempre e terminou a obra dedicando-a, como sempre, “A Pilar que não deixou que eu morresse”. José era um homem com sede de vida e com uma força tremenda, mas também com uma racionalidade cortante e sempre presente. “O que mais me falta? Tempo. (…) Sentir como uma perda irreparável o acabar de cada dia. Provavelmente é isto a velhice." Quando Pilar lhe pergunta "o que queres que eu faça?", ele responde: "Continuar-me". E mesmo sem querer, é isso que faz também Miguel Mendes.

 

 

‘TABU’, de Miguel Gomes (2012)

 

Inspirando-se no título e estrutura de Tabu, a Story of the South Seas de F.W. Murnau, Tabu desenrola-se como um sonho monocromático, serpenteia entre pontos narrativos aparentemente incompreensíveis à razão, para culminar num final que ilumina todo o caminho percorrido.

Quebrando as convenções de género e de estruturação de narrativa e precedido por um fantástico prólogo, Tabu está dividido em duas partes (de géneros completamente diferentes) – ‘Paraíso Perdido’ e ‘Paraíso’ – combinando uma história de memória numa Lisboa contemporânea com a de um amor impossível em Moçambique nos anos 60.

Uma soma de duas partes fascinante que cria uma justaposição entre a memória e o colonialismo, o realismo e a fantasia, o comum e o exótico; uma daquelas raras oportunidades de ver um trabalho que não só honra todo o caminho que o precedeu na história do cinema, mas que se sente completamente contemporâneo.

Passível de nos crescer cá dentro, não tanto durante mas depois do visionamento, Tabu toca com uma arte e engenho raros o músculo mais irreverente, por vezes insólito e insolente, do corpo humano: o coração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Setembro 2012

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D