Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Shame (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 29.06.12

 

"We're not bad people. We just come from a bad place."

 

O sexo e, por associação lógica, o vício que pode estar associado a esta prática é ainda um tabu na cultura ocidental, particularmente se resolvermos atravessar o Atlântico até terras de um tio que apesar de se chamar Sam, bem podia ser conhecido por Púdico. Curioso é o facto de estarmos bem habituados a sermos expostos a doses industriais de violência e mortes sangrentas, mas o sexo - que até é um processo biológico naturalíssimo, baseado nos impulsos mais primitivos do Homem – já é uma ordinarice que só tem ordem de soltura relativa quando serve para ilustrar situações caricatas ou poéticas numa qualquer comédia ou drama românticos.

 

É claro que é fácil rejeitar a ideia na base do argumento: “como é que é possível ter pena de alguém que gosta da fazer sexo e ainda por cima o faz muitas vezes? Especialmente se esse alguém tem o aspeto de Michael Fassbender. Pelo amor dos santinhos!”. Mas se não estão convencidos da importância social do tema, lembrem-se que a Oprah já fez um programa sobre isso; e quando a Oprah faz um programa sobre alguma coisa, é porque é importante.

 

 

Com trinta e poucos anos, uma vida profissional de sucesso (apesar de não sabermos muito bem baseada em quê, sabemos que rende bem) e um apartamento de luxo em Nova Iorque, Brandon está aparentemente a viver o sonho. Contudo a fachada perfeita esconde uma compulsão possivelmente temerária de todos aqueles com quem se relaciona. Mas numa noite fria, o quotidiano rigidamente planeado de Brandon é posto à prova quando a irmã rebelde Sissy lhe bate à porta.

 

Shame é complexo, perturbador e penoso, mas também um filme excecionalmente económico: tudo o que nos surge no ecrã conta.

 

A natureza angustiante da situação de Brandon tem um reflexo aterrador nas duas sequências que mostram o seu lado mais sensível e humano. Quando está num encontro com uma colega de trabalho, a relação parece ser a de um casal normal, onde se discutem temas íntimos como relacionamentos passados e compromissos. Há todo um sentido de inocência que os segue até ao quarto de hotel, onde até os preliminares surgem com a estranheza de uma curiosa primeira-vez, até ao término abruto e sexualmente insatisfatório. O sexo é, para Brandon, rápido, duro, sujo e anónimo; a gentileza e o afeto são, por isso, enormes entraves ao satisfazer de uma necessidade violenta.

 

 

A jornada amoral e anti-heroica e a personagem “anestesiada” fazem lembrar, em certa medida, Patrick Bateman de American Psycho (2000).  Mas se Bateman se visse com uma motosserra na mão e um punhado de mulheres nuas era a pessoa mais feliz do mundo. Já Brandon, por contraste, não encontra a felicidade em nenhum dos orgasmos que atinge, seja com prostitutas baratas, ou com as várias masturbações diárias que esconde nas casas-de-banho do emprego. O sexo de Brandon é meramente funcional, e como em qualquer outro vício, o prazer já há muito se foi, ficando apenas a necessidade gritante de alimentar o vício titânico.

 

McQueen exige muito da sua audiência, algo que sempre atraiu inequivocamente esta que vos escreve. Mas a perseverança e a paciência – que também é precisa para associar e relativizar muitos acontecimentos que não são nunca explicitados – são eventualmente recompensadas com um ensaio reflexivo brutal.

 

 

Além de tudo isto, o que choca é a exposição da vulnerabilidade e fraqueza masculina, a miséria abjeta que tantas vezes é ignorada no Cinema.

 

Quanto ao pano de fundo, merece inequivocamente um apontamento: Nova Iorque é uma metrópole fria, com metros a abarrotar de possíveis conquistas sexuais e o anonimato de milhões de transeuntes, põe em prática o famoso dito que contrasta a existência num local apinhado, com a experiência da solidão mais profunda, sentimentos estes amplificados pelo uso de takes longos e estacionários que dilatam o sentido de tensão e isolamento de Brandon.

 

A música tem uma utilização excecionalmente poderosa, com a fluidez dos momentos criados pela interpretação de Glenn Gould das composições de Bach. A sordidez da vida de Brandon é descrita na perfeição pelos acordes lentos e orquestrais da banda sonora original de Harry Escot, enquanto a fotografia fria de Sean Bobbitt retira a vitalidade de Nova Iorque, tornando-a uma cidade propensa à coabitação de fantasmas, como Brandon.

 

 

Michael Fassbender explora os aspetos mais lúridos e tortuosos da vida de Brandon com uma entrega física e emocional que é, por vezes, quase desconfortável de assistir. Numa performance silenciosamente furiosa, Fassbender é desconcertante. E porque protagonista bem acompanhado vale por dois, Carey Mulligan traz-nos o contraponto perfeito com a dramática, quase teatral, Sissy, naquela que é, talvez, a sua melhor performance desde An Education (2009).

 

Shame é demasiado cru para ser banal, apesar de o arco da má conduta não ser, nem de perto nem de longe, original. O que o eleva é justamente a abordagem impressionista de McQueen. É um arco brutal de fixação que alcança uma amálgama de emoções e uma experiência fascinante, ainda que negra.

 

 

É a erosão da alma e a humanidade na sarjeta em 100 minutos, e no final, não surgem soluções ou resoluções aparentes. O que fica é, como na própria vida, a dúvida se o monstro do vício – e todas as suas decorrentes consequências – será algum dia vencido. Isto porque nem sempre somos capazes de levar a melhor sobre os nossos demónios.

 

 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Flashforward - (Mais) Novas regras para os Oscars

por Catarina d´Oliveira, em 29.06.12

Já quase sinto uma espécie de carinho pela tradição dos senhores dos Óscares mudarem as regras dos mesmos todos os anos. Mentira, não tenho carinho nenhum porque, regra geral, as alterações só têm trazido resultados que só poderiam ser descritos com a utilização de palavreado que, na televisão, seria acompanhado de uma enxurrada de "piiiis".

 

De qualquer das maneiras, parece que este ano as alterações não são muito escandalosas, e poderão até passar ao lado de alguns membros da audiência - claro, apenas aqueles que não leem o Close-Up.

 

 

As alterações far-se-ão sentir nas categorias de Música, Filme Estrangeiro, Maquilhagem e Efeitos Visuais.

 

Na categoria de Melhor Canção Original, o comité executivo pode agora recomendar um quarto compositor, mas apenas se aplicará em situações extraordinárias (desde 2005 o limite era de dois, com a possibilidade do destaque de um terceiro compositor, se este se tivesse demonstrado como um contribuidor equivalente).

 

Os Filmes Estrangeiros terão de passar a ser submetidos à Academia nos formatos de 35 mm ou DCP (Digital Cinema Package), ainda que esse formato não tenha de ser o obrigatório na exibição no país de origem. 

 

A categoria da Maquilhagem será renomeada para Melhor Maquilhagem e Hair Styling. Durante o processo de nomeações, todos os membros da Academia podem escolher três dos sete filmes pré-nomeados.

 

Por fim, e no que respeita aos Efeitos Visuais, os "pré-nomeados" passarão a ser 10, ao invés de sete.

 

As regras enunciadas acima foram aprovadas na reunião da Academia que organizará a 85ª edição dos Óscares a 24 de fevereiro de 2013 no Hollywood & Highland Center.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje somos todos Portugal

por Catarina d´Oliveira, em 27.06.12

Eu, mesmo com as conversas de manhas de árbitros e Platinis e afins, acredito. E vocês?

 

Vamos PORTUGAL!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mise en Scène - Frankenweenie, novo trailer

por Catarina d´Oliveira, em 26.06.12

Tim Burton regressa (parece-me) em grande forma a este Frankenweenie que já temos falado e prezado aqui pelo blog. Hoje temos à disposição mais um soberbo trailer.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Snorricam - Atores Imortais

por Catarina d´Oliveira, em 26.06.12

...ou curiosidades deliciosas?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Snorricam - Liam God Neeson

por Catarina d´Oliveira, em 26.06.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

Freeze Frame Shot - Mais DiCaprio em Django Unchained

por Catarina d´Oliveira, em 25.06.12

Cada vez mais: que bom aspeto que isto tem!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Snorricam - The Great Gatsby Abridged

por Catarina d´Oliveira, em 25.06.12

Para quem já leu e já não se lembra bem... um resumo todo catita, a propósito da adaptação de Baz Luhrmann que está para chegar no final do ano.

 

Para quem não leu... bem... atenção aos SPOILERS.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

New Shots - 25 a 1 de Julho de 2012

por Catarina d´Oliveira, em 24.06.12

 

Esta semana nos cinemas:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Point-of-View Shot - Young Adult (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 23.06.12

 

"Psychotic prom queen bitch." 

 

Tenho a certeza que muitos de vocês se lembrarão de ver na escola tantos dos estereótipos que hoje vemos escarrapachados nos filmes de adolescentes: o geek gordinho, o desportista parvalhão, os góticos, o miúdo fantasma e, claro está, aquela rapariga que todas as outras odiavam mas secretamente queriam ser – e não estou a falar daquela rapariga que hoje tem sete filhos e um marido pouco fiel; estou a falar da rainha-mãe da escola, que ao mover da sua varinha de condão, fazia todos curvarem-se a seus pés.

 

Mavis Gray era essa rapariga, e hoje é uma daquelas mulheres que parece ter tudo na vida: um bom emprego, uma boa vida, e uma aparência de fazer muito boas raparigas cozer entranhas de galinha numa panela no meio da floresta para ter tal sorte genética. Mas 20 anos volvidos do final do secundário, vê-se a braços com uma paixão não resolvida. Mavis está obcecada com a ideia de se voltar a juntar com Buddy Slade, e colocando as coisas como elas são, a sua mulher e a filha recém-nascida vão ter de aprender a lidar com isso.

 

 

Já sabemos o que estão a pensar: este podia muito bem ser a premissa de partida de uma das incrivelmente profundas personagens dos Morangos com Açúcar, mas não é. De alguma forma, e devido à anterior colaboração de Jason Reitman e Diablo Cody, era natural que esperássemos de Young Adult uma sequela de Juno. O que, perdoem-nos a expressão, não podia ser mais palerma.

 

Young Adult é um anti-Juno, ou, se quisermos ir mais longe, o anti-Cristo das comédias românticas.

 

É refrescante sermos brindados, na era bombástica dos efeitos especiais e do 3D, dos vampiros vegetarianos e das comédias estilo sitcom, com um título inesperado que se alicerça numa situação desafiante e um diálogo maravilhoso.

 

 

À boa maneira pavloviana, fomos condicionados a esperar que os heróis aprendam com os seus erros e cresçam a partir de uma lição moral enriquecedora. Num filme mais convencional (e invariavelmente menor), o percurso de Mavis traduzir-se-ia no famoso arco de caráter redentor da personagem. Nem Reitman, nem Cody, nem Theron estão interessados em conceder-nos esse facilitismo. Porque a verdade, na vida real, é que nem sempre as pessoas mudam por obra e graça de uma epifania acompanhada de uns acordes inspiradores.

 

É, contudo, uma pena que Hollywood encontre ainda pouco espaço na sua convenção de machos-alfa, para mulheres tridimensionais, interessantes, com falhas e bem interpretadas.

 

É verdade que Diablo Cody deve ter algum fetiche secreto pelos circuitos de Wrestling por esse mundo fora: afinal, o nome dos seus personagens parecem diretamente saídos do WWE. Mas a verdade é que há pouca gente a tratar a temática sensível da adolescência como ela.

 

 

A argumentista já é especialista em criar protagonistas femininas que apesar de neuróticas e guiadas por um sentido de autodestruição muito próprio, são incrivelmente inteligentes. É a sua expectativas da audiência que é aqui sublime.

 

A realização de Reitman surge complementarmente sem artifícios estilísticos desnecessários e tão direta como a sua protagonista. Com Thank You for Smoking, o realizador americano já nos tinha mostrado que conseguia tecer comentários espinhosos sobre a natureza humana; em Young Adult, Reitman volta ao local do crime.

 

 

A performance de Charlize Theron é assustadoramente boa no seu retrato casualmente cruel, expondo a natureza cínica e destroçada dentro de uma sociopata. Vê-la perseguir predatoriamente Patrick Wilson é algo de uma beleza singular. Fica a certeza de que, apoiada por uma realização sólida e um bom argumento, Theron é uma das melhores (e mais versáteis) atrizes a trabalhar em Hollywood.

 

Em Patton Oswalt, Theron encontra o cúmplice anacronicamente perfeito: Matt é tudo o que Mavis não é. O comediante é surpreendentemente eficaz no papel de um geek gorducho e solitário que se resignou aos traumas do passado. A realização de que ele e Mavis têm muito em comum é, simultaneamente, um grito de Ipiranga para os gordinhos e uma demonstração de honestidade à imagem do célebre The Breakfast Club.

 

 

Um dos melhores dramas contemporâneos a surgir nos últimos anos; um filme da era facebook, onde as relações pessoais quebradas são miraculosamente restauradas pela presença do digital. Young Adult é comédia na sua máxima negritude e torna a pior pessoa ao alcance no seu íman mais magnético.

 

Mas, talvez mais do que qualquer outra coisa, é um estudo provocante sobre a moralidade (ou falta dela) de uma jovem mulher que, a olhos alheios, tem tudo para ser feliz. Os seus maiores críticos poderão argumentar que é um exercício eticamente perigoso, ao qual faltam virtudes cruciais como a catarse e a redenção. Mas partir dessas assunções para o criticar é, curiosamente, a demonstração da ignorância perante o que Reitman e Cody pretendiam atingir - algo incrivelmente mais diabólico.

 

8/10

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/4




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Junho 2012

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D