Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Sophias - Filmes pré-seleccionados

por Catarina d´Oliveira, em 09.02.12

Cada vez mais os Nossos prémios Sophia continuam a ganhar forma.

 

Como sabem, a 19 de Dezembro de 2011 a Assembleia Geral da Academia Portuguesa de Cinema aprovou o regulamento dos prémios (que podem consultar aqui) e o nome dos mesmos: Sophias - uma clara homenagem e evocação a Sophia de Mello Breyner Andresen, uma das mais importantes poetisas da história portuguesa e ela mesma, uma "musa de todas as artes", como é descrita no site da Nossa Academia.

 

 

Para nossa felicidade a Academia vai cumprir a sua promessa de realizar a primeira cerimónia já este ano, e o dia de ontem trouxe frescas e importantes novidades: a lista provisória de filmes (longas, curtas e documentários) pré-seleccionados.

 

Sem mais demoras, segue abaixo:

 

 

Longas-Metragens e Documentários Estreados em Sala de Cinema em 2011

 Pré-Nomeados aos Prémios Sophia 2012 (Listas Provisórias)


48, Documentário, Susana Sousa Dias

A Cidade dos Mortos, Documentário, Sérgio Tréfaut

A Espada e a Rosa, Ficção, João Nicolau

A Morte de Carlos Gardel, Ficção, Solveig Nordlund

Águas Mil, Ficção, Ivo M. Ferreira

América, Ficção, Jão Nuno Pinto

As Doze Estrelas, Ficção, Luiz Alberto Pereira

Até onde?, Ficção, Carlos Magalhães de Barros

Budapeste, Ficção, Walter Carvalho

Cisne, Ficção, Teresa Villaverde

Com que voz,  Documentário, Nicholas Oulman

Complexo Universo Paralelo, Documentário, Mário Patrocínio

Durante o Fim, Documentário, João Trabulo

E o Tempo Passa, Ficção, Alberto Seixas Santos

Efeitos Secundários, Ficção, Paulo Rebelo

No Meu Lugar, Ficção, Eduardo Valente

O Barão, Ficção, Edgar Pêra

O Estranho Caso de Angélica, Ficção, Manoel de Oliveira

Perdida Mente, Ficção, Margarida Gil

Quem vai à Guerra, Documentário, Marta Pessoa

Quinze Pontos na Alma, Ficção, Vicente Alves do Ó

Sangue do Meu Sangue, Ficção, João Canijo

The North Canyon, Documentário, Garrte McNamarra, Paulo Caldeira, Polvo Concepts

Viagem a Portugal, Ficção, Sérgio Tréfaut

 

 

Curtas-Metragens Estreadas em Sala de Cinema em 2011

Pré-Nomeados aos Prémios Sophia 2012 (Listas Provisórias)

 

Waiting for Paradise (exibido com " A Cidade dos Mortos"), Documentário, Sérgio Tréfaut

Universo de Mya(exibido com "Quinze Pontos na Alma"), Ficção, Miguel Clara Vasconcelos

Espelho Lento (exibido com "Perdida Mente"), Ficção, Solveig Nordlund

Sinfonia Imperial, Documentário, Tiago Pereira

Voodoo (exibido com "Os Famosos Duendes da Morte") Ficção, Sandro Aguilar

O meu Raúl, Documentário, Patrícia Vasconcelos

 

 

Curtas-Metragens exibidas em Festivais de Cinema Nacionais 2011

Pré-Nomeados aos Prémios Sophia 2012 (Listas Provisórias)

 

1111, Ficção, M.F. Costa e Silva

4M, Ficção, Nelson de Castro e Wilson Pereira

A audição, Ficção, Francisco Campos e Henrique Bagulho

A Cabra, Ficção, Carlos Pedro Santana

A Corrida, Ficção, Rui Madruga & Catarina Carrola

A cova, Ficção, Luis Alves

A Divisão Social Do Trabalho Segundo Adam Smith, Ficção, Fátima Ribeiro

A History of Mutual Respect, Ficção, Gabriel Abrantes

A Parideira, Ficção, José Miguel Moreira,

A Primeira Ceia, Ficção, Luís Monge e Sofia Pimentão

A Ria, A Água e o Homem, Ficção, Manuel Matos Barbosa

A sarda, Ficção, Miguel Soares e António Fernandes

A Senhora da Floresta, Ficção, Renato Guerra&Paulo César Fajardo

A Song for a Prostitute, Animação,

A Tua Última Morada, Ficção, Joel Rodrigues e de André Agostinho

A Viagem, Ficção, Simão Cayatte,

A Volta, Ficção, Ana Delgado Martins

Afonso Henriques, O Primeiro Rei, Ficção, Pedro Lino

Alegoria dos Sentidos, Ficção, Nelson de Castro & Wilson Pereira

Alfama, Ficção, João Viana

Algarve 73, Ficção, Adriano Fernandes

Algo de Bom, Ficção, Rui Vieira

Anacronia, Bernando Antero e Tiago Namorado Gil

Arte Republica- 10 para cem, Ficção, Fernando Galrito

Árvores no Jardim, Ficção, João Paulo Oliveira

Banana Motherfucker, Ficção, Pedro Florêncio e de Fernando Alle,

Barba, Ficção, Paulo Abreu

Bats in the Belfry, Animação, João Alves

Boudoir, Ficção, Joana Linda

Brincarolas, Animação, Graça Gomes

Bruxas, Animação, Francisco Lança

Cada Mulher é um Filme de Amor, Ficção, Henrique Bento

Café, Animação, João Fazenda e Alex Gozblau

Candy Riot, Ficção, David Tutti dos Reis

Carne, Ficção, Carlos Conceição

Casa c/Piscina, Ficção, Vasco Monteiro, Pedro Mendonça

Catarina e os Outros, Ficção, André Badalo

Comando, Ficção, Patrício Faísca & Sonat Duyar

Conto do Vento, Animação,

Dente de Leão, Ficção, Tiago Ribeiro

Desassossego, Animação, Lorenzo Degl’Innocenti

Despertar da primavera, Ficção, Paulo Fajardo

Dia de Visita, Ficção, Luís Vieira Campos

Directo, Ficção, Luis Alvarães e Luis Mário Lopes

Dodu, O Rapaz de Cartão, Animação, José Miguel Ribeiro

Dois Irmãos, Ficção, Ana Eliseu

Drawing (Myself) By Numbers, Ficção, Patricia Guerreiro

Drink!, Ficção, Tiago Inácio

Encontro, Ficção, Mariana Castro

Ensinamentos para a Vida Adulta, Ficção, Ernesto Bacalhau

Feliz Aniversário, Ficção, Jorge Cramez

Fotograma 23, Ficção, Victor Santos

Fratelli, Ficção, Gabriel Abrantes e Alexandre Melo ·

Ginjas (EP. 3), animação, Zepe (José Pedro Cavalheiro) e Humberto Santana

Haikai Diamante, Ficção, André da Conceição Francioli

Herói e vilão, Ficção, Gustavo da Luz

Homenagem a Quem Não Tem onde Cair Morto, Ficção, Patrick Mendes

Incêndio, Ficção, Miguel Seabra Lopes, Karen Akerman

Independência de Espírito, Ficção, Marta Monteiro

Inferno, Ficção, Carlos Conceição

Infinito, Ficção, André Santos e Marco Leão

Insert, Ficção, Marco Martins, Filipa César

Justino, Ficção, Carlos Amaral

leid Fatal e o Cotão, Ficção, Ana Rita Correia

Liberdade, Ficção, Gabriel Abrantes, Benjamin Crotty

Linhas de Sangue, Ficção, Manuel Pureza e de Sérgio Graciano,

Lisboa - Província, Ficção, SUSANA NOBRE

Longtemps, Je me suis couché de bonne heure, Ficção, Andrea Fernandez

Lucifer, Ficção, Agnelo Jesus,

Luzes, câmara... tortura!, Ficção, Marco Barbosa e Ricardo Salgado

Magiae Naturalis, Ficção, Tiago Cravidão

Maybe, Ficção, Pedro Resende,

Memória de Cão, animação,

Miss Mishima, Ficção, Pedro Rocha

Momento, Ficção, Nuno Rocha

Mulher sombra, Animação, Joana Imaginário

My Music, Ficção, Tiago Albuquerque e João Braz

Naufrágio, Ficção, Flávio Pires,

Nocturnos, Ficção, Aya Koretzky e Rodrigo Barros

Noite fria em Castelo Branco, Ficção, Luis Diogo

North Atlantic, Ficção, Bernardo Nascimento

Nuvem, Ficção, Basil da Cunha,

O acidente, Animação, André Marques

O Amor acontece, Ficção, João Manso

O Amor é a solução para a falta de argumento, Ficção, Jorge Quintel

O bebé, Ficção, Mohamad reza Hajipour

O Homem da Cabeça de Papelão, Ficção, Luís da Matta Almeida e Pedro Lino

O Inferno, Ficção, Carlos Conceição

O meu café contigo, Ficção, George Felner e Liliana Brandão

O dia do desassossego, Ficção, Ricardo Filipe Feio

O Nosso Homem, Ficção, Pedro Costa

O Presente, Ficção, Bruno Nobre

O relógio de Tomás, Animação, Cláudio Sá

O Risco, Ficção, José Pedro Lopes

O Sapateiro, animação, David Doutel e Vasco Sá

O Tenente, Ficção, Rafael Antunes Martins

O Teu Sapato, Ficção, João Seiça,

O Universo, Ficção, Mya Miguel Clara Vasconcelos

OVento que Passa, Ficção, Diogo Costa Amarante

O Voo da Papoila, Ficção, Nuno Portugal,

Olha para mim…, Ficção, Paulo Alexandre Mota

Os Milionários, animação, Mário Gajo de Carvalho

Os Olhos do Farol, Ficção, Pedro Serrazina, ´

Os últimos dias, Ficção, Francisco Manuel Sousa

Peixe Azul, Ficção, Tiago Rosa-Rosso

Perdido e Achado, Ficção, Vitor Santos

Pickpocket, Ficção, João Figueiras

Porque já passava das 20, Ficção, Bernardo Antero

Post it, Ficção, Regina Gonçalves,

Purgatório, Ficção, João Filipe Silva,

Quando os monstros se vão embora, Ficção, Bernardo Gramaxo

Quem é este Chapéu?, Ficção, Joana Toste

Quote Story, Ficção, Raquel Martins

Sem Querer, animação, João Fazenda e João Paulo Cotrim·

Shlager, Animação, Xavier Almeida,

Shoot Me, Ficção, André Badalo

Should the wife confess?, Ficção, Bernardo Camisão

Silêncio de Dois Sons, Ficção, Rita Figueiredo

Sinfonia dos Loucos, Ficção, Vasco Mendes

Smolik, Animação, Cristiano Mourato

Sobre vivência, Ficção, Luís Lobo e João Azevedo

Sombras, Ficção, Nuno Dias,

Survivalismo, Ficção, José Pedro Lopes

Tarik, Ficção, Emanuel Lopes

Tejo, Ficção, Henrique Pina and Francisco Baptista

Temperar a gosto, Ficção, Susana Neves

Um Dia Longo, Ficção, Sérgio Graciano

Um Natal Especial, Ficção, João Azevedo e Rafael Antunes Martins

Verão Invencível, Ficção, Hugo Diogo

Verónica, Ficção, António Gonçalves, Ricardo Oliveira

Viagem a Cabo Verde, Animação, José Miguel Ribeiro

Vicky and Sam, Ficção, Nuno Rocha

Vintage, Ficção, José Azevedo

Zoo, Ficção, Margarida Leitão

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Deep Focus - Uma questão de Sotaque, pt. 2

por Catarina d´Oliveira, em 08.02.12

 

Hoje continuamos a nossa viagem internacional pelo mundo dos maus sotaques. Mais cinco magníficos a completar o top 10 do Close-Up e umas quantas menções honrosas que era inadmissível deixar de parte.

 

 

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Julia Roberts, Mary Reilly (1996)
Origem: Georgia, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Irlandês
Análise dos factos: É verdade que o sotaque irlandês deve ser um dos mais difíceis de emular, e por isso mesmo é um dos mais talhados a foice. Neste caso específico, é possível que Julia Roberts tenha feito uma das melhores imitações do sotaque de um verdadeiro nativo da República da Irlanda do Alabama… se esse país existisse.
Pérola das Pérolas: “I feel safe heire, that’s awll”
Prova do crime:

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Dick Van Dyke, Mary Poppins (1964)
Origem: Malibu, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Inglês
Análise dos factos: Dick Van Dyke e o seu Bert aquecem-nos o coração, e não há como negar o talento e alegria demonstrados pela arte. Mas este é considerada o pai e a mãe dos maus sotaques, pelo que não poderia falhar esta lista. É que é má, a sério. Foi votado e tudo! Mesmo considerando que é um papel cómico num filme para crianças, e mesmo considerando que quase só canta esta atrocidade não pode ser ignorada, e aparece dolorosamente a cada sílaba proferida. Se ainda não percebem o quão mau ele foi, fiquem a saber que o termo “sotaque à Van Dyke” é geralmente utilizado na Inglaterra para descrever as tentativas risíveis de actores de outros países para tentarem parecer britânicos.
Pérola das Pérolas: “All right, ladies an' gentssh! Comical poem! Shuitable for the occasion, exshtemporizhed and thought up before your very eyeshh!” – Amoroso mas doloroso.
Prova do crime:

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): John Malkovich, Rounders (1998)
Origem: Illinois, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Ru…sso.
Análise dos factos: Eu gostava de conseguir fazer uma piada sobre o sotaque absurdo que Malkovick adoptou em Rounders, mas não tenho capacidade. Não sei se me parece mais um bêbado a pôr pontos finais depois de cada palavra ou um bêbado gago. Mas parece-me definitivamente um bêbado.
Pérola das Pérolas: “Maderfacker! (…) Dis son of beetch” - Oh Malkovich, és um fartote, mas não voltes a fazer-nos uma destas.
Prova do crime:

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Mickey Rooney, Breakfast at Tiffany’s (1961)
Origem: Nova Iorque, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Chinês. Ou Japonês. Ou algo parecido.
Análise dos factos: Na primeira metade da sua vida, Hollywood teve alguma dificuldade em reconhecer a existência de actores de outras raças, mesmo quando fazia filmes sobre eles. Mas desde o homem amarelo de Broken Blossoms (1919) até John Wayne de bigode ralinho em The Conqueror, nenhuma interpretação se pode aproximar de explicar as proporções racistas do Mr. Yunioshi vivido por Mickey Rooney. Dizer que este é comummente considerado como um dos sotaques/interpretações mais ofensivos da história do cinema não chega para explicar o incrível feito do vizinho asiático da adorável Holy Golightly.
Pérola das Pérolas: “Miss Gorightry!”
Prova do crime: (a partir dos 8:50)

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): John Voight, Anaconda (1997)
Origem: Nova Iorque, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Espanhol
Análise dos factos: Parece que o talento para os sotaques não corre no sangue da família (Angelina Jolie foi a primeira na nossa lista). O caçador de serpentes paraguaio do muito sofrível Anaconda é uma das coisas mais ridículas do filme, e olhem que, entre serpentes gigantes que querem literalmente comer a Jennifer Lopez, isto não é dizer pouco, a sério. Parece um personagem saído de um episódio do Speedy Gonzalez com uma aura carrancuda em cima.
Pérola das pérolas: "You need protessshun? (…) Lon time...sinse ah hadda wum" – oi??
Prova do crime:

 

 

*** *** ***

 

Menções (Pouco) Honrosas:

 

Porque não podíamos passar sem lhes prestar a devida "homenagem"... :

 

Sotaque Britânico de Demi Moore em Flawless (2007) – o título do filme estava mesmo a pedi-las.
Sotaque “Irlandês” de Tommy Lee Jones em Blown Away (1994) – viram as aspas em irlandês? Pois.
Sotaque Irlandês de Tom Cruise em Far Away (1992) – hmm talvez o problema esteja em filmes acabados em “away”!...
Sotaque Irlandês de Brad Pitt em The Devil’s Own (1997) –  … ou então não. Felizmente temos sempre o Mickey de Snatch.
Sotaque texano de Nicolas Cage em Con Air (1997) - acompanhado de umas belas extensões capilares, perfeito!
Sotaque russo de Harrison Ford em K19: The Widowmaker (2002) – oh Harrison, deixa-te ficar com o han solo e o indy que ficas bem.
Sotaque britânico de Drew Barrymore em Ever After (1998)n– posh, é a palavra mágica.
Sotaque britânico de Forrest Whitaker em The Crying Game (1992) – wtf?

 

*** *** ***

 

E é isto pessoal. Espero que se tenham divertido tanto quanto eu a revisitar estas pérolas, e se ficaram interessados no tema, recomendo-vos a leitura de um artigo especialmente imaginativo( e divertido) que encontrei online: Top 7 Worst Regions for Movie and Television Accents e reflecte sobre alguns dos lugares mais fantásticos que tantas vezes têm relevo em Hollywood pela forma das suas personagens mais internacionais. Ainda que não estejam tecnicamente no Atlas...

Autoria e outros dados (tags, etc)

Deep Focus - Uma questão de Sotaque, pt. 1

por Catarina d´Oliveira, em 07.02.12

 

The Iron Lady estreia esta semana nos Cinemas portugueses, e com ele chega uma nova lição de como habitar um personagem por Meryl Streep. Adicionalmente, e porque desta vez falamos da interpretação de uma das mais icónicas damas inglesas, Streep oferece-nos o seu melhor sotaque inglês, completamente irrepreensível.


A construção de um personagem é um processo extremamente complexo, individual e, quando bem feito, demorado. Partimos do geral para o particular, e conforme o tempo e a convivência com o mundo da personagem aumenta, aumenta o conhecimento do detalhe e do pormenor até chegar às características primárias mais características. A fala e a forma como dizemos as coisas é um dos mais importantes instrumentos de um actor. De aulas intensivas de dicção à procura do tipo de voz certa, a oralidade pode tornar-se um trunfo ou uma maldição.

 

É verdade que o que não falta neste mundo são actores, mas como tive oportunidade de explicar num artigo passado (que podem ler aqui), em Hollywood vale tudo menos falar em língua estrangeira… porque isso ia implicar ler legendas, e é chato. Portanto, toca de mandar os actores fazer o sotaque desejado e está assunto arrumado.

 

O problema que surge é, no entanto elementar: por casa actor que passa bem entre as gotas da chuva, há 50 que assassinam um dialecto por completo. Ùmas vezes até dá para rir, mas outras parecem choques eléctricos directamente aplicados do cérebro.

 

Hoje partilho convosco algumas daquelas que são geralmente consideradas as mais tristes tentativas de sotaques em Cinema, e o mais engraçado é que a maior parte delas até vêm de bons actores... Sublinho ainda que todas terão vídeos, sendo que algumas pérolas foram deixadas de fora justamente por não terem vídeos que lhes fizessem justiça.

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Angelina Jolie, Alexander The Great (2004)
Origem: Los Angeles, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Ainda estamos para saber.
Análise dos factos: Alexander The Great é só por sim um fenómeno cinematográfico único, devido à quantidade de momentos “WTF?” que em si encerra, desde as pauladas que dá sem misericórdia nos livros de história até ao facto de Angelina Jolie interpretar a mãe de Colin Farrel. Mas tudo isto não consegue diminuir a grandeza do sotaque indistinto que Jolie aplica repetidamente às suas falas. Temos de dar o desconto, uma vez que é a única a tentar um sotaque que realmente se aplique à personagem, entre a amálgama de tentativas britânicas, arábicas, eslávicas ou inexistentes do restante elenco. Se calhar, se todos falassem assim, a coisa até ficava bem. Mas sendo só ela… é simplesmente... esquisito.
Pérola das Pérolas: “Névérr will dere be an Álegzander like you. Álegzander De Grret” – Ahoy!
Prova do crime:

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Keanu Reeves, Dracula (1992)
Origem: Nascido no Líbano; nacionalidade Canadiana.
Sotaque desejado: Inglês.
Análise dos factos: Quero por favor avisar qualquer possível fã de Keanu Reeves que é melhor passar esta parte à frente porque não vai ser simpática. Se há carreira que eu nunca vou compreender o sucesso é a de Keanu Reeves. Às vezes acho que uma porta conseguia ter conversas mais sentimentais comigo do que ele consegue ter com qualquer outra pessoa num filme. Eu nem sei bem se Reeves deveria aparecer nesta lista. Ele nunca vai conseguir fazer um sotaque britânico, irlandês, chinês, o que seja. Nunca. Isto porque o moço só sabe interpretar personagens que não demonstrem qualquer tipo de emoção ou presença física, o que limita em muito as suas opções. E aqui coloca-se a questão: quem é que, com dois palmos de testa, lhe vai dar um papel onde, ainda por cima, tem de alterar a forma como fala? E o mais grave é que o fizeram mais de uma vez.
Pérola das Pérolas: “25th May, Biiudapest” – sempre a conhecer sítios novos. Thanks Keanu.
Prova do crime:

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Kevin Costner, Robin Hood: Prince of Thieves (1991)
Origem: Califórnia, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Inglês.
Análise dos factos: Vamos esclarecer uma coisa: o Robin Hood era inglês. Uma vez que já dissipámos dúvidas, podemos investir-nos num dos casos mais dramáticos da história dos sotaques cinematográficos. O próprio Costner sabe que fez borrada, já que nos comentários do DVD se apressou a justificar que não teve tempo para dominar o sotaque. O maior problema é que esta deve ser uma das abordagens mais preguiçosas de sempre, onde um esforço muito ténue só se nota no primeiro acto do filme. Para piorar as coisas, o Sheriff de Nottingham é interpretado pelo fantástico e muito inglês Alan Rickman. Por uma vez na vida, era de desejar que o Sheriff lhe desse uma bolachada só para não termos de o ouvir.
Pérola das Pérolas: Nem dá para reproduzir.
Prova do crime:

 

 

 

*** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Sean Connery, em qualquer filme onde não possa ser Escocês
Origem: Edimburgo, Escócia
Sotaque desejado: Irlandês, Russo, Egípcio, Árabe…
Análise dos factos: Sean Connery é certamente um dos actores mais carismáticos vivos, é pena que tantas vezes faça escolhas profissionais infelizes, especialmente aquelas que trazem sotaques no pacote. Aí então é a desgraça total. Até o seu papel em Untouchables galardoado com um Oscar deixa muito a desejar no departamento dos sotaques – os senhores da Academia não deviam olhar para essas coisas na altura – o que vale é que ainda dá para umas gargalhadas. Além desse, tivemos ainda os casos célebres do aterrador sotaque espanhol (?) em Highlander e do horripilante sotaque russo em The Hunt for Red October.
Pérola das Pérolas: "He shendsh one of yoush to the hoshpital, you shend one of hish to the morgue!" – ao menos é escocês desde a espinha à ponta dos cabelitos.
(Uma das) Prova(s) do crime:

 

 

 *** *** ***

 

 

Ofensor, Filme (Ano): Nicholas Cage, Captain Corelli's Mandolin (2001)
Origem: California, Estados Unidos da América
Sotaque desejado: Italiano
Análise dos factos: Confesso que me lembrei deste belo exemplar enquanto pesquisava algumas listas relacionadas com o tema que hoje vos trago. Acredito que tenha recalcado tal memória, e por isso não me surgiu espontaneamente o sotaque atroz de Nic Cage em Captain Corelli. Não que os outros actores façam um trabalho exímio, mas Cage destaca-se pela negativa, não só com uma tentativa que se vê pensada a cada linha de diálogo, mas que coloca a importante questão: será que os italianos fazem gestos com as mãos em todas as frases? Segundo Cage, que até tem descendência italiana, parece que sim.
Pérola das Pérolas: “Quick get da gane, somebódy shut him, shut him!” - mas os gestos com as mãos falam por si.
Prova do crime:

 

 

 

(continua amanhã)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Oscars 2012 - Momentos para recordar do Luncheon 2012

por Catarina d´Oliveira, em 07.02.12

Ontem foi um dia especial. Ontem foi o dia em que, descontraidamente, os indicados da Academia (à frente e atrás das câmeras) se reuniram para o almoço anual dos nomeados, o Luncheon. E há decerto, imagens a guardar na memória. Aqui ficam algumas.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
E por fim, a mais desejada, e na qual podem clicar para ver a versão extra-large: a foto de grupo!
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Olá pessoal,

 

bom já há muito tempo que não tínhamos um post de trailers e tralhas semelhantes, portanto hoje vamos ter um peso pesado, não só porque ontem foi a final do SuperBowl (que significa a chegada de muita coisa nova), como também já há uns quantos trailers amontuados que gostava de partilhar convosco.

 

Não percamos mais tempo e vamos ao que interessa.

 

 

Primeiro trago-vos o trailer red band de The Grey, cujo enredo se inicia quando um avião cai no Alasca e uma equipa de extratores de petróleo, liderada pelo personagem de Liam Neeson, precisa lutar para sobreviver no clima adverso e dos ataques de lobos violentos. A ponto de curiosidade, grande parte da produção foi gravada em Vancouver e no norte da Columbia Britânica, no Canadá, onde as temperaturas entre novembro e fevereiro chegam a -30°C. Ouch...

 

 

 

Jeff Who Lives at Home segue um dia na vida de Jeff, quando este é despachado do seu quarto numa missão para a mãe. Nesta inesperada aventura ele poderá descobrir finalmente o seu destino ao passar o dia com o irmão enquanto ele segue a esposa que possivelmente lhe é infiel. A comédia dramática é escrita e realizada pelos irmãos Jay e Mark Duplass e protagonizada por Jason Segel, Ed Helms e Susan Sarandon. 

 

 

 

Baseado no aclamado romance de Julia Leigh, The Hunter é um poderoso drama psicológico que conta a história de Martin, um mercenário contratado por uma empresa para encontrar e matar um tigre extremamente raro na Tasmânia. A missão parece ser fácil, mas uma série de imprevistos vão atrasar a sua missão. Willem Dafoe é o protagonista do filme dirigido por Daniel Nettheim e que ainda não tem estreia marcada nos cinemas portugueses. 

 

 

 

 

A comédia Project X, produzida por Todd Phillips, conta a história de vários amigos que estão a planear uma festa mas as coisas acabam por não acontecer como eles planearam - ou seja, corre tudo maravilhosamente mal, como já seria de esperar de algo vindo de Phillips. 

 

 

 

Nos primeiros segundos parecia que Bruce Willis tinha feito um filme familiar, quem sabe, uma comédia romântica ou um drama familiar. Naaah. The Cold Light of Day é realizado por Mabrouk El Mechri e conta a história de Will Shaw que tem a família sequestrada durante férias na Espanha, e acaba por estar no meio de uma conspiração. O elenco principal conta com Henry Cavill, Bruce Willis e Sigourney Weaver.

 

 

 

 

De Takashi Shimizu, realizador de Ju-on, chega-nos 7500, um thriller que acompanha um voo do Pacific Flight 7500 com destino ao Japão. Tudo corria optimamente até o voo começar a ser ameaçado por forças do mal. È um autêntico filme de casa assombrada num avião.

 

 

 

21 Jump Street põe em acção uma das mais inesperadas duplas do ano: Jonah Hill e Channing Tatum interpretam dois jovens polícias que se disfarçam de estudantes de um colégio para investigar uma série de crimes. Phil Lord e Chris Miller são os realizadores da comédia inspirada na icónica série televisiva e que conta ainda com participações de Ice Cube, Brie Larson, Rob Riggle, Dave Franco, DeRay Davis e Jake Johnson. Confesso que, inicialmente, o nome Channing Tatum me assustava, mas de tudo o que já tenho visto a anunciar este título, até parece que o rapaz não se saiu nada mal.

 

A estreia portguesa está agendada para 14 de Junho de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

Para quem gosta de um bom título de acção e operações secretas, Act of Valor pode ser o filme a manter debaixo de olho. O enredo coloca uma equipa SEAL da Marinha numa missão secreta para resgatar um agente da CIA sequestrado. De Mike McCoy, Scott Waugh e com Alex Veadov, Roselyn Sanchez e Nestor Serrano.

 

 

 

The Avengers já dispensa grandes apresentações, mas se por acaso andavam (muito) distraídos com a awards season, este "pequenito" vai juntar o Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Capitão América (Chris Evans), Hawkeye (Jeremy Renner), Hulk (Mark Ruffalo), Viúva Negra (Scarlett Johanson) e Nick Fury (Samuel L. Jackson) para defender o planeta e a humanidade de ameaças intergalácicas.

 

Além do que já tínhamos vindo a ver em trailers anteriores, este especial emitido durante o Superbowl trouxe-nos a primeira boa visão de Hulk e do vilão Loki. Admitindo que é Blockbuster da espinha até à raiz dos cabelos, não tem nada mau aspecto.

 

A estreia portguesa está agendada para 30 de Abril de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

O realizador não é Michael Bay e o filme não é um spinoff de Transformers, mas pelo trailer, quase podia ser.

 

Battleship é uma aventura épica de acção dirigida por Peter Berg (Hancock) que começa no mar e continua pelos céus e na terra, enquanto o planeta luta pela sobrevivência contra uma estranha e poderosa força superior. Baseado no jogo clássico da Hasbro "Batalha Naval", Battleship conta com interpretações de  Taylor Kitsch, Alexander Skarsgard, Rhianna e Liam Neeson.

 

A estreia portguesa está agendada para 19 de Abril de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

Sacha Baron Cohen volta à sua zona de conforto caricatural com The Dictator, uma comédia que conta a heróica história do ditador  de um país localizado no Médio Oriente, que pôs em risco a própria vida para que a democracia jamais chegasse ao local que governa.

 

A estreia portguesa está agendada para 17 de Maio de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

O Presidente dos Estados Unidos da América decide decretar a ilicitude dos G.I. Joe, rotulando-os ainda como uma organização terrorista que se assume como uma forte ameaça internacional. Os G.I.Joe terão portanto que mostrar ao mundo que não são vilões, mas sim heróis que foram injustamente acusados por um Presidente que é afinal falso.

 

Gi Joe: Retaliation tem estreia portguesa agendada para 14 de Junho de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

John Carter. É este o título do filme cujo trailer vos apresento a seguir. Isto para o caso de se esquecerem entre as 1534 menções ao título que fazem durante o trailer.

 

Fora de brincadeiras, John Carter é inexplicavelmente transportado para Marte onde se vê envolvido num conflito de proporções épicas entre os habitantes do planeta. Num mundo à beira do colapso, Carter descobre que a sobrevivência de um povo está nas suas mãos. O trailer não traz muito de novo, e a Disney tem caído no mesmo erro sucessivamente: tenta impressionar-nos com acção e falha em sequer tentar interessar-nos pelas personagens. É pena, porque esta produção deve ter sido para lá de grande.

 

A estreia portguesa está agendada para 15 de Março de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

O calendário de animações deste novo ano é promissor, e uma delas ganhou ontem um novo trailer. 

 

Once-ler, é um empreendedor ganancioso que desmata a floresta de Truffulas para fabricar roupas. Apesar dos avisos contantes do Lorax, criatura porta-voz das árvores, sobre os perigos de seu empreendimento, ele continua até desmatar toda a floresta, levando a consequências catastróficas. 

 

Dr Seuss' The Lorax, dos criadores do fantástico Despicable Me, tem estreia portguesa agendada para 22 de Março de 2012 (sujeito a alterações).

 

 

 

Rundskop é um dos filmes candidatos ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro - uma das categorias mais subvalorizadas na cerimónia, uma vez que reúne alguns dos melhores filmes do ano - e chega-nos da Bélgica com um novo e aliciante trailer.

 

O jovem criador de bois de Limburg, Jacky Vanmarsenille, é abordado por um veterinário sem escrúpulos para fazer uma negociata com um comerciante de carne de West-Flanders. Mas o homicídio de um policial federa, e um inesperado confronto com um misterioso segredo do passado de Jacky deflagram uma cadeia de eventos de grande alcance. Rundskop é um emocionante  sobre destino, inocência perdida e amizade, sobre crime e castigo, mas também sobre desejos em conflito e a irreversibilidade do destino de um homem.

 

 

 

O último trailer que vos trago é de um thriller austríaco, ao qual vos chamo a mais copiosa atenção. Michael é realizado por Markus Schleinzer e centra-se na vida secreta de um tímido vendedor de seguros que mantém fechado a sete chaves numa casa com isolamento de som um rapaz de 10 anos chamado Wolfgang. O enredo, como devem lembrar-se, é semelhante ao famoso caso de Natascha Kampusch.

 

De qualquer forma, o argumentista e realizador Markus Schleinzer admitiu inspirar-se no caso verídico de um homem austríaco que manteve a filha fechada numa cave onde a violou durante mais de 24 anos, tendo sido pai de três filhos que também aprisionou.

 

O trailer é simples, e é a típica prova de que menos é mais, sendo completamente aterrador sem mostrar praticamente nada. Não deixem de ver.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Snorricam - O Marketing Fantástico de "Shame"

por Catarina d´Oliveira, em 05.02.12

O marketing cinematográfico na imprensa escrita tem limitações claras, mas o que também é claro é que ninguém se esforça muito por criar algo verdadeiramente criativo e inventivo. Na maior parte das vezes, somos corridos a poster ou a um banner maltrapilho e está a andar.

 

Mas por vezes há aqueles casos (cada vez mais) raros em que a criatividade transcende o normal para criar algo puramente genial.  Não há grandes certezas de que este seja um anúncio real; se for, como diriam os nossos irmãos brasileiros, Shame acabou de subir a parada.

 

*** ***
Shame traz-nos a história de Brandon, um nova-iorquino na casa dos 30 que é tão viciado em sexo como numa vida sem compromissos. Um dia as coisas complicam-se, quando a irmã mais nova lhe aparece à porta, pronta para viver com ele... e também com uns certos traços autodestrutivos que não ajudam nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

New Shots - 6 a 12 de Fevereiro de 2012

por Catarina d´Oliveira, em 05.02.12

 

Esta semana nos Cinemas:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Foram revelados os vencedores dos Art Directors Guild Awards e... deve ser das raras cerimónias que não atribui nenhum prémio a The Artist. Os vencedores nas modalidades de filme de época, filmes de fantasia e filme contemporâneo são distinguidos abaixo.

 

 

 

Filme de época
HUGO; Design de Produção: Dante Ferretti

 

Filme de Fantasia
HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS PART 2; Design de Produção: Stuart Craig

 

Filme Contemporâneo

THE GIRL WITH THE DRAGON TATTOO; Design de Produção: Donald Graham Burt

 

 

*** *** ***

 

Ontem ficaram também a ser conhecidos os vencedores dos Annie Awards, um dos mais ilustres prémios que pretendem distinguir o que de melhor se faz em Animação no Cinema.

 

 

O grande vencedor da cerimónia foi Rango que arrecadou quatro estatuetas, incluindo a mais desejada da noite: Melhor Filme de Animação. Os vencedores são distinguidos a bold na lista abaixo.

 

 

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

  • A Cat in Paris – Folimage
  • Arrugas (Wrinkles) – Perro Verde Films, S.L.
  • Arthur Christmas – Sony Pictures Animation, Aardman Animations
  • Cars 2 – Pixar Animation Studios
  • Chico & Rita – Chico & Rita Distribution Limited
  • Kung Fu Panda 2 – DreamWorks Animation
  • Puss in Boots – DreamWorks Animation
  • Rango – Paramount Pictures and Nickelodeon Movies present a Blind Wink/GK Films Production
  • Rio – Blue Sky Studios
  • Tintin – Amblin Entertainment, Wingnut Films and Kennedy/Marshall

 

MELHOR PRODUÇÃO ESPECIAL

  • Adventure Time: Thank You – Cartoon Network Studios
  • Batman: Year One – Warner Bros. Animation
  • Ice Age: A Mammoth Christmas – Blue Sky Studios
  • Kung Fu Panda – Secrets of the Masters – Nickeloden and DreamWorks Animation
  • Prey 2 –Blur Studio
  • Star Tours – Industrial Light & Magic

 

MELHOR CURTA-METRAGEM

  • Adam and Dog – Minkyu Lee
  • I Tawt I Taw A Puddy Tat – Warner Bros. Animation
  • La Luna – Pixar Animation Studios
  • (Notes on) Biology – Ornana Films
  • Paths of Hate – Platige Image
  • Sunday – National Film Board of Canada
  • The Ballad of Nessie –Walt Disney Animation Studios
  • The Girl and the Fox – Base14
  • Wild Life – National Film Board of Canada

 

EFEITOS DE ANIMAÇÃO

  • Can Yuksel “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • Chase Cooper “Rango” Industrial Light & Magic
  • Dan Lund “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • Dave Tidgwell “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Eric Froemling “Cars 2” Pixar Animation Studios
  • Jason Mayer “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Joel Aron “Star Wars: The Clone Wars” Lucasfilm Animation, Ltd.
  • Jon Reisch “Cars 2” Pixar Animation Studios
  • Kevin Romond “Tintin” Amblin Entertainment, Wingnut Films and Kennedy/Marshall
  • Willi Geiger “Rango” Industrial Light & Magic

 

EFEITOS DE ANIMAÇÃO (NUMA PRODUÇÃO LIVE-ACTION)

  • Branko Grujcic “Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides” Industrial Light & Magic
  • Florent Andorra “Transformers: Dark of the Moon” Industrial Light & Magic
  • Gary Wu “Cowboys & Aliens” Industrial Light & Magic
  • Lee Uren “Cowboys & Aliens” Industrial Light & Magic

 

ANIMAÇÃO DE UMA PERSONAGEM

  • Andreas Deja “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • Dan Wagner “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Jeff Gabor “Rio” Blue Sky Studios
  • Mark Henn “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • Olivier Staphylas “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • Patrik Puhala “Rio” Blue Sky Studios
  • Pierre Perifel “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation

 

ANIMAÇÃO DE UMA PERSONAGEM (NUMA PRODUÇÃO LIVE-ACTION)

  • Andy Arnett “HOP” Rhythm & Hues, Illumination Entertainment
  • David Lowry “Paul” Double Negative Visual Effects for Universal Productions/Relativity Media/Working Title Films/Big Talk Productions
  • Eric Reynolds “Rise of the Planet of the Apes” 20th Century Fox
  • Mike Hull “Paul” Double Negative Visual Effects for Universal Productions/Relativity Media/Working Title Films/Big Talk Productions

 

DESIGN DE PERSONAGENS

  • Jay Shuster “Cars 2” Pixar Animation Studios
  • Mark “Crash” McCreery “Rango” Paramount Pictures and Nickelodeon Movies present A Blind Wink/GK Films Production
  • Patrick Mate “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • Peter de Seve “Arthur Christmas” Sony Pictures Animation, Aardman Animations
  • Sergio Pablos “Rio” Blue Sky Studios

 

REALIZAÇÃO

  • Carlos Saldahna “Rio” Blue Sky Studios
  • Chris Miller “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • Don Hall & Stephen Anderson “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • Gore Verbinski “Rango” Paramount Pictures and Nickelodeon Movies present a Blind Wink/GK Films Production
  • Jennifer Yuh Nelson “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Kelly Asbury “Gnomeo & Juliet” Touchstone Pictures

 

MÚSICA

  • Henry Jackman “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • John Williams “Tintin” Amblin Entertainment, Wingnut Films and Kennedy/Marshall
  • Mikael Mutti, Siedah Garrett, Carlinhos Brown, Sergio Mendes, John Powell, “Rio” Blue Sky Studios
  • Zooey Deschanel, Kristen Anderson-Lopez, Henry Jackman, Robert Lopez “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios

 

DESIGN DE PRODUÇÃO

  • Paul Felix “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • Raymond Zilbach “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Tom Cardone, Kyle MacNaughton & Peter Chan “Rio” Blue SkY Studios

 

ARGUMENTO

  • Andy Riley, Kevin Cecil, Mark Burton, Kathy Greenburg, Emily Cook, Rob Sprackling, John R. Smith, Kelly Asbury, Steve Hamilton "Gnomeo & Juliet” Touchstone Pictures
  • Brian Kesinger, Kendelle Hoyer, Don Dougherty, Clio Chiang, Don Hall, Stephen Anderson, Nicole Mitchell and Jeremy Spears “Winnie The Pooh” Walt Disney Animation Studios
  • John Logan, Gore Verbinski and James Byrkit – “Rango” Paramount Pictures and Nickelodeon Movies present A Blind Wink/GK Films Production
  • Sarah Smith, Peter Baynham “Arthur Christmas” Sony Pictures Animation, Aardman Animations
  • Steve Moffat, Edgar Wright, Joe Cronish “Tintin” Amblin Entertainment, Wingnut Films and Kennedy/Marshall

 

MONTAGEM

  • Clare Knight, A.C.E. “Kung Fu Panda 2” DreamWorks Animation
  • Craig Wood, A.C.E. “Rango” Paramount Pictures and Nickelodeon Movies present A Blind Wink/GK Films Production
  • Eric Dapkewicz “Puss in Boots” DreamWorks Animation
  • Michael Kahn “Tintin” Amblin Entertainment, Wingnut Films and Kennedy/Marshall
  • Stephen Schaffer, A.C.E. “Cars 2” Pixar Animation Studios

Autoria e outros dados (tags, etc)

Point-of-View Shot - The Muppets (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 04.02.12

 

"As long as there are Muppets, for me there is still hope"

 

Antes de começar, devo dizer-vos que, por vezes vezes, uma crítica não é apenas subjectiva. É também emocional. É com grande prazer e o coração ainda meio derretido que hoje vos venho falar do reboot da Disney de um grupo de personagens que marcaram vidas e gerações: os Marretas. Esta é uma crítica completamente parcial, movida pela nostalgia de outros tempos e por uma alegria que há muito um filme não me proporcionava.

Mais de 20 anos passados da morte do seu criador (Jim Henson) e 13 depois do último filme, eis que nos surge o renascer de um ícone colectivo.

O enredo é engenhoso, e na verdade, apenas uma desculpa para cantar, dançar e contar piadas: um empresário petrolífero malvado pretende por as mãos aos estúdios dos Marretas e demoli-los. O nosso gang preferido – auxiliado por alguns coloridos novos amigos - tem de conseguir juntar 10 milhões de dólares para conseguir evitar a tragédia e voltar a ganhar o direito sobre o seu espaço original. Mas antes de conseguir atingir o objectivo, o líder Cocas tem de convencer os seus antigos amigos para a necessária reunião de grupo e a organização de um espectáculo à moda antiga para juntar a soma necessária.
 

 

The Muppets é um autêntico triunfo de simplicidade, alegria, inocência e piadas patetas. Mas é também um triunfo de sentimento, e da manutenção da criança que há em cada um de nós. É mais um espectáculo de variedades do que propriamente um filme, e a passagem dos anos, devo dizer-vos com grande felicidade, não afectou o grupo de fantoches nem um pouco. Nem sequer os temos de ver numa “versão melhorada por computador” ou com uns sempre (in)cómodos óculos 3D.

Os Marretas surgem-nos como sempre foram, e isso é tão reconfortante como uma caneca de chocolate quente numa noite fria. É esperto sem ser cínico, e inteligente sem ser complacente. As gargalhadas não virão apenas dos miúdos mas também dos graúdos, e isso é uma garantia que vos deixo.

 

É possível (ou bastante provável) que o interesse de um grande estúdio em reavivar um franchise de sucesso como o dos Marretas seja puramente comercial. Mas The Muppets nunca parece uma manobra de marketing oportunista. Na verdade, este é um daqueles filmes em que quase conseguimos ouvir o seu coração bater entusiastica e apaixonadamente. Isto deve-se, muito provavelmente, a Jason Segel, o grande impulsionador do projecto e um enorme fã do culto Marretas – se bem se lembram, em Forgetting Sarah Marshall, o seu personagem tinha o sonho de realizar um musical de fantoches, uma clara referência aos ícones dos anos 70/80 que surgem agora como uma espécie de extrapolação desse projecto, e que se revela com afecto no trabalho de um fã devoto.

 

 
Além de Segel, a "makeover" é encabeçada pelo realizador James Bobin e pelo co-argumentista  Nicholas Stoller. E é bom ver que além de paixão, os criadores desta versão moderna dos Marretas também demonstram um enorme respeito pelo passado.

A banda sonora merece destaque por si mesma: sempre energética, umas vezes hilariante, outras reflexiva, junta clássicos como "The Rainbow Connection" (uma das canções mais amorosas de sempre, devemos dizer), com interpretações de êxitos pop modernos, com material novo, como a alegre "Life’s a Happy Song" ou a possivelmente oscarizada "Am I a Man or Am I a Muppet?".


Até pode ser que The Muppets não venha a ser recordado com pompa e circunstância na timeline dos fãs mais fervorosos da série original de Jim Henson, mas este é um tributo com alma, e que não deixa ninguém envergonhado pela lágrima que inevitavelmente molha o rosto perto do final.

 

 

Sim, há cameos substancialmente melhores que outros. Sim, a inocência do filme é quase prejudicial - não podia uma das celebridades abrir os cordões ao bolso e salvar os Marretas de uma vez? Ou mesmo a própria Miss Piggy ou Gonzo, que não pareciam nada mal na vida… Sim, tem o formato tão americano de um “episódio em tamanho Super Size”. E sim, a energia baixa indubitavelmente sempre que o foco da acção se vira para os personagens humanos ou mesmo para o jovem Walter, que apesar de numa viagem inspiradora ter ganho um lugar entre o gang, não me parece na realidade “Muppet Material”. Mas sinceramente, depois de uma experiência tão feliz como estas, quem é que se importa com isso?

No filme, os Marretas foram esquecidos pelo público que habita um mundo cada vez mais cínico e violento. Esta é uma linha de narrativa que nos direcciona a duas conclusões-chave: Primeiro, que é preocupante que a cultura do entretenimento actual nos permita não ficarmos demasiado surpreendidos por haver um reality show fictício chamado "Punch Teacher" cujo objectivo está literalmente explicado no seu título. É este o mundo em que vivemos, e enquanto isso possa devastadoramente indicar que não há lugar neste mundo cão para alguém como os Marretas, é simultaneamente um indicador gritante de que precisamos desesperadamente do seu génio de volta.

E em segundo lugar, que todos os envolvidos na criação deste reboot têm consciência de uma outra dificuldade; a certa altura, Cocas canta com mágoa "Would anybody watch, or even care? Or did something break we can't repair?". Esta é uma pergunta que não vai apenas de encontro à constatação de que vivemos num mundo cada vez mais duro e plastificado, mas que questiona se será possível um regresso digno depois do fim de um ciclo, que terminou com a perda de um líder visionário (Henson). Eu diria que sim.

 

 

Não serve de nada chamá-lo um grande filme, ou um dos melhores do ano, porque nunca foi disso que se tratou. É claro que existem filmes com melhores argumentos, enredos, realização ou até com melhores piadas. Mas isso nunca interessou.

O que importou sempre foi por um sorriso na cara do espectador mais carrancudo. E os Marretas mostram uma vez atrás da outra aquilo que o entretenimento puro deveria sempre almejar. Foi isso que os tornou fenómenos, e foi isso que lhes garantiu um lugar no nosso coração.

O filme declara que a gargalhada é a terceira melhor prenda que podemos receber, logo a seguir a crianças e gelados. Fazer rir não é fácil, mas acho que fazer sorrir é ainda mais difícil. E o sorriso genuíno que vi na cara de todos os espectadores da sala de cinema mal as luzes se acenderam tem de garantir aos Marretas um lugar cativo nessa lista.

 

 

10/10

Autoria e outros dados (tags, etc)

De volta...

por Catarina d´Oliveira, em 04.02.12

...

 

depois de uma breve ausência por ter mergulhado de cabeça em trabalhos de Mestrado, já estou de volta, e ainda hoje trago-vos uma review muuuito especial. Fiquem atentos pessoal!

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D