Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Flashforward - Harry Potter 7 pt. 2 pode bater Twilight?

por Catarina d´Oliveira, em 13.07.11

 Pela relevância e antecipação que tem, Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2 só pode ter um grande futuro na box office à sua frente: a questão prende-se com os números concretos que poderá atingir.

 

Nos Estados Unidos a estreia só está agendada para sexta-feira, mas o filme já rendeu mais de 25 milhões de dólares. Este dinheiro surge, quase na totalidade, das reservas para a sessão da meia-noite de quarta-feira, o que coloca o filme baseado na obra épica de J.K. Rowling num bom caminho para detronar o record mantido por The Twilight Saga: Eclipse (30 milhões de dólares feitos no primeiro dia).

 

 

Por outro lado, para se tornar o filme mais lucrativo de 2011 nos Estados Unidos, Harry Potter só terá de fazer 100 milhões de dólares (Transformers é actualmente o líder com 97 milhões), uma tarfea fácil, visto que o capítulo anterior, a Parte 1, conseguiu fazer 125 milhões sem 3-D e sem a antecipação do fim da era Hogwarts.

 

O último filme da saga do rapaz com a cicatriz na testa, estreia amanhã (quinta-feira, 14 de Julho) em 95 salas de cinema portuguesas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Boa tarde pessoal.
 
Hoje trago-vos algumas da novidades cinematográficas em termos de trailers/posters que surgiram nas últimas horas.
 
Em primeiro lugar, temos Sean Penn que interpreta um músico de meia-idade bem-sucedido, uma rock star que entediada com a sua reforma, resolve iniciar uma busca pelo homem que matou o seu pai, um criminoso de guerra nazi que está refugiado nos Estados Unidos. O filme chama-se This Must be the Place e é realizado por Paolo Sorrentino.
 
 
Depois temos um novo trailer para o novo projecto de Steven Spielberg, The Adventures of Tintin: Secret of the Unicorn. A longa-metragem mostra o primeiro encontro de Tintin com o Capitão Haddock e a descoberta de uma pista para o tesouro dos ancestrais do capitão. Assim, os dois partem para a aventura com a ajuda de Dupond e Dupont.
 
 
 
 
A seguir, temos a primeira vista de olhos em formato de trailer a Sherlock Holmes: A Game of Shadows, a continuação do original lançado em 2009, e onde Noomi Rapace (da trilogia sueca de Millenium) se junta a Robert Downey Jr. e Jude Law.
 
 
A fechar o post temos três posters (que podem clicar para aumentar): um para The Thing, outro para This Must be the Place outro para The Dark Knight Rises, que nos próximos dias (mais concretamente, sexta-feira) deverá ter também direito ao seu primeiro trailer. O Close-Up ficará atento a novos desenvolvimentos.
 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

"Harry Potter, the boy who lived... come to die"

 

A conclusão da história cinematográfica fenomenal de Harry Potter é a prova de que a excitação autêntica é uma forma muito particular de magia.

 

Na Parte 1, Harry, Ron e Hermione tornaram-se lutadores da Resistência, forçados aos esconderijos escuros à medida que as forças de Voldemort cresciam e ganhavam domínio. A Parte 2 avança a partir do exacto ponto onde foi deixada na parte 1, e Harry, Ron e Hermione continuam a sua missão para destruir os sete Horcruxes que contêm pedaços da alma de Voldermort. São libertados os tanques de guerra para uma luta até à morte onde o trio e restantes resistentes caminham entre a morte e o limbo para vencer inimigo. Harry tem de enfrentar os sacrifícios que os seus amigos fazem por si, e lutar pelas suas obrigações enquanto feiticeiro e enquanto Homem.

 

Este é, na sua génese, um filme de Guerra: um cerco prolongado a Hogwarts e uma cruzada jovem contra o Senhor do Mal e as suas forças (aparentemente) imbatíveis. Os danos fazem lembrar Munique coberta de crateras na Segunda Guerra Mundial – uma visão que Rowling poderá ter tido aquando da escrita.

 

 

A acção não desaponta nem por um segundo. Esta é uma aventura de escala épica onde cada emoção é aumentada pelo sentimento agudo do que está em jogo e em risco. Ainda há muito diálogo e cenas de exposição, mas são contrabalançados com cenas de acção igualmente excitantes, tornando o ritmo muito mais complexo e construíndo uma estrutura que cria um filme carregado de tensão e emoção.

 

Para todos os que consideraram a parte 1 lenta (eu cá achei um prenúncio absolutamente fantástico ao final, e que, para melhor funcionamento de ambas as partes, requeria um ritmo diferente), esta é a confirmação de que esta era a calma antes da tempestade, um reunir de forças para a explosão infernal.

 

As cenas de batalhas são corrosivas e apresentadas de forma corajosa – com corpos sem vida adolescentes e adultos espalhados pelas ruínas – mas o coração da Parte 2 está nas trocas mais íntimas, levadas a cabo pela realeza britânica do cinema. O sentimento de que o exército de Voldemort está cada vez mais perto é palpável, tornando os fugazes momentos íntimos ainda mais preciosos. 

 

Pontos altos? Demasiados para lhes fazer justice nesta humilde review, mas podemos destacar a “emancipação” de Neville, o ressurgimento da fantástica Maggie Smith (professora McGonagall), o protagonismo maior ou mais pequeno dado a personagens do passado que aparecem de novo, nem que por apenas alguns segundos despedindo-se, a luta empilgante ainda que curta entre Julie Walters e Helena Bonham Carter (mãe dos Weasley e Bellatrix Lestrange) e Snape, que emerge como uma peça fundamental no destino de Harry, e Alan Rickman volta a brilhar guiando, com poder misterioso e concentrado, o feiticeiro de capa negra e cabelo escorrido numa reviravolta emocional.

 

 

Por ter tido a oportunidade de se dividir em dois filmes, o segundo filme não parece demasiado cheio ou longo e move-se com a urgência necessária até ao confronto final.

 

HPATDH 2 mostra-nos algum do melhor e mais expressivo trabalho do realizador David Yates e do responsável por fotografia Eduardo Serra. O clímax é completamente atingido: um ataque ao estilo blitzkrieg a Hogwarts, um twist em forma de flashback e o duelo final entre Harry e o seu nemesis. A fotografia é novamente rica e sombria. Hoje Hogwarts não é um local caloroso e cheio de possibilidades, mas uma fortaleza assustadora rodeada por devoradores da morte, onde um professor de traços negros impõe o seu regime fascista.

 

Yates consegue formar um emocionante sentimento de convergência de linhas dramáticas, temáticas, românticas, emocionais e musicais dos passados sete filmes. O realizador e a sua equipa de designers e magos dos efeitos especiais tomam vantagem do castelo para nos oferecer visões e cenários infinitamente inventivos e maravilhosos que existem numa escala que está a um nível que a série nunca achou almejou sequer atingir.

 

Ainda digna de apontamento é a banda sonora de Alexandre Desplat, que ajuda subtilmente ao entusiasmo das batalhas, mas também dá um certo calor aos momentos mais tocantes.

 

 

O único tiro ao lado, parece-me, foi a escolha dúbia de exibir o filme em 3D. Apesar de teoricamente a tecnologia se adaptar muito bem ao mundo da fantasia, neste caso faz pouco ou nada pela história, sendo uma apresentação até bastante plana. O epílogo também tem uns ares um pouco foleiros e antiquados, mas pode inspirar alguns sorrisos num final tão doloroso para os fãs.

 

Com tanta acção e emoção, o ritmo é a chave, e aqui, Yates e a sua equipa de produção têm um trabalho de excelência. Num episódio a rebentar pelas costuras com a abundância da imaginação de J.K. Rowling, a narrativa conjuga-se como um puzzle encantado.

 

 

Apesar de os filmes da saga terem sido muito sobre uma espécie de afastamento da realidade e imersão no espectáculo e fantasia, estes adolescentes e as suas lutas no equilíbrio sensível entre o bem e o mal oferecem um ancoramento muito eficiente e bem-vindo à realidade.

 

O final traz mixed feelings: ao mesmo tempo que significa o final definitivo da saga, não tem o mesmo impacto que teve para quem leu os livros, com todas as revelações, dores e alegrias em primeira-mão. Mas eu, devo confessar, fiquei um pouco como Rowling que disse, ao terminar de escrever a sua saga “nunca sonhei que pudesse sentir-me simultaneamente eufórica e com o coração partido”.

 

Harry Potter and the Deathly Hallows — Part 2 deixa-nos com o sentimento fantástico de que o mundo é enorme, enigmático, perigoso e mágico, e no derradeiro final, de que são os jovens que têm a responsabilidade de moldar um futuro melhor. E podemos dizer que este é um feito e pêras para uma história sobre um rapaz com uma varinha mágica.

 

 

Numa posição em que têm de agradar a gregos e troianos, a produção e a Warner Bros estão de parabéns por terem acertado no que era realmente importante, criando um magnífico ciclo de continuidade e magia. Ao permitirem o insight de talento de realizadores tão diferentes, desde Alfonso Cuaron a Mike Newell, enquanto honraram o trabalho da autora e ao escolherem três jovens promissores mas sem experiência para actuar ao lado dos grandes nomes do cinema britânico, foi criada uma obra indelével.

 

Em ambos os lados da câmera, todos tiveram performances inventivas e honradas, todos com serventes da grande feiticeira-mor Joanne Rowling.

Despedindo-nos de uma época feliz que não tem retorno (apenas pelos repetids visionamentos), dizemos adeus e obrigada.

 

"Until the end"

 

9.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D