Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Rango (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 16.03.11

 

"So you want something to believe in?
[aponta para a placa que diz "Sheriff"]
Believe in that there sign. For as long as it hangs there we've got hope."

 

Na cidade de Dirt, o único líquido existente está contido no cuspo de tabaco de vermes sedentos. Nesta curiosa cidade no meio do deserto, a água é tão preciosa que é guardada a sete chaves no cofre de um banco, excepção feita ao stock privado do presidente. Parece que este pequeno ponto no imenso deserto precisa de um herói, e pronto ou não, esta é a hora de Rango.

 

Com imagens geradas por computador esta comédia western povoada com criaturas do deserto dá a 2011 um salto algo tardio (afinal já estamos em Março) mas bem-vindo com uma peça divertida e com um estilo de animação distinto e impressionante.

 

Num mundo asfixiado do cinema de animação, começa a ser realmente complicado ser original ou magnífico. Ainda assim, e logo na sua estreia em animação, Gore Verbinski matou três coelhos de uma cajadada só sendo não só magnífico e original, como não tendo necessitado do truque 3D para fazer vender o seu peixe.

 

 

O grande aplauso tem de ir para o realizador Gore Verninski e a equipa de autênticos magos dos efeitos visuais da Industrial Light & Magic que de pixels fizeram paisagens quase perturbantemente semelhantes ao real: o melhor elogio que lhes podemos fazer é que, de facto, em muitos momentos, este parece um autêntico filme live-action, e não uma animação. A pele escamosa dos répteis e os pêlos pejados de sujidade dos roedores têm a si associado um realismo quase táctil.

 

No que respeita a storytelling, Rango vai saquear e depois misturar variados elementos de filmes clássicos, desde Chinatown aos westerns de Clint Eastwood, dando uma lufada de ar fresco à já de si familiar história do herói por engano e conveniência. É claro que estes elementos comuns são aplicados, não podemos esquecer, a dois protagonistas que são lagartos, um presidente que é uma tartaruga, e o grande pistoleiro da cidade é uma cascavel cujos olhos amarelos apenas parecem capazes de nos engolir.

 

Este deverá ser um deleite para os amantes do bom Western. O diálogo incorpora falas (ou adaptações das mesmas) do passado, a filmagem imita momentos clássicos, a banda sonora utiliza elementos sonoros conhecidos. Todos os motivos e clichés Western que nos possamos lembrar

estão presentes em Rango, desde o confronto no meio da cidade sob o Sol quente até às ervas secas arrastadas pelo vento.

 

O que parece, no entanto, é que tanto o argumentista John Logan como o realizador Gore Verbinski se apoiam demasiado nas referências intermináveis, tanto de filmes cómicos como dramáticos, que acabam por, descuidadamente, empilhá-los sem nenhuma base ordeira.

 

 

É um trabalho de técnica e amor, e é uma grande pena que seja tão vazio da alma que deveria ter para ser grandioso. A premissa não é má, mas John Logan cria um deserto populado por ganância, malícia e um herói inadvertido sem a graça necessária. Não me entendam mal. O espírito não podia ser mais western, e as personagens, apesar de esteticamente desprezíveis, são muito atraentes do ponto de vista narrativo.

 

Roger Deakins, o homem responsável pela fantástica fotografia de True Grit do ano passado serviu como consultor visual de Rango (como é possível notar em tantas sequências). Este é um filme incrivelmente bem desenhado. É verdade que as personagens são exageradas, mas tenho a sensação de que se não fossem, não só a fita perderia muita da sua personalidade, como a confundiríamos inúmeras vezes com um live-action, tal é o cuidado na representação e projecção de locais e objectos. O mais recente filme de Gore Verbinsi é tecnicamente perfeito, podemos dizer, e faz coisas muitos interessantes com o espaço e a perspectiva, especialmente se tomarmos em atenção as sequências de acção. As texturas são maravilhosas, e a cor chave é sem dúvida o castanho, que fornece uma palete quase ilimitada.

 

É apenas óbvio que Johnny Depp brilhe no papel do camaleão Rango quando ele próprio é um actor tão camaleónico e adaptável a tantos e tão diversificados ambientes. Mas não é apenas dele o mérito. Isla Fisher também salta à vista como a carismática Beans, bem como Abigail Breslin como Priscilla, uma jovem ratinha de grandes olhos amarelos mas com bravo coração, Alfred Molina como o filosófico Roadkill, Bill Nighy como a fantástica cascavel Jake e Ned Beatty como a tartaruga punho de ferro e presidente de Dirt.
E a vivacidade das interpretações advém em grande parte da decisão de Gore Verbinski de por toda a gente a mexer e a representar enquanto gravava as suas vozes, em vez de estarem simplesmente fechados numa cabine de som. O resultado vê-se mas, acima de tudo, sente-se.

 

 

Com muita pena minha, este Rango, ainda que revolucionário em termos técnicos, acaba por ser uma espécie de continuação do trabalho de Verbinski ao longo dos anos: uma fita que dá muito prazer de ver, mas que faz uma mistura frustrante de um enredo algo desleixado, uma atitude marota e muita acção.

 

Ah! E outra coisa! Está em glorioso 2D! E o que é que isto quer dizer? Ora quer dizer que as imagens mantém a sua cor e vivacidade e que não precisamos de óculos escuro que só empatam. 2011 começa bem. Venha mais disto!

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D