Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Quick Shot - Love & Other Drugs e No Strings Attached

por Catarina d´Oliveira, em 07.03.11

  

"I've never known anyone who actually believe that I was enough until I met you. And then you made me believe it too."

 

Ora aqui está uma história de amor que vale a pena, com Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway em grande forma a aquecerem o grande ecrã: falo-vos de Love & Other Drugs, uma das últimas comédias de 2010.

 

É verdade que podemos facilmente observar aqui a mistura de uns quarto filmes, mas também é verdade que é sincero e incansável no seu desconcertante objectivo, mantendo-nos colados ao ecrã pelas duas horas completas, sem precisarmos de olhar impacientemente para o relógio.

 

O argumento necessitava de maior cuidado e parece estar a uns quantos passos do foco e claridade total, mas o elenco enérgico, a química fantástica entre os protagonistas e o mergulho cego numa realidade pouco explorada tornam a fita viciante. É um cocktail intoxicante: uma história de amor amorosa, uma comédia de maneirismos e, corajosamente, um melodrama envolvendo uma grave doença crónica.

 

Todavia, Love & Other Drugs é por vezes perigosamente desigual, hesitando entre as piadas sexuais e as partilhas graves dos doentes de Parkinson, mas bem acima dos níveis da comédia romantica comum, é engraçado, sexy e inteligente. Só é pena não ser inteligente o suficiente para manter a estaleca no final e perdurar na memória do espectador. Bom, mas aqui também é a tal história… podiam ter feito um filme forte e realista, é verdade, mas também é verdade que assim ninguém iria vê-lo

 

7/10

 

 

 

"Emma: Do you wanna do this?
Adam: Do what?
Emma: Use each other for sex, at all hours of the day and night. Nothing else.
Adam: Yeah, I could do that.
Emma: Good. It's gonna be fun."

 

É um daqueles filmes simplesmente queridos, ainda que para chegarmos a esta conclusão tenhamos muito sexo pela frente (o que, obviamente, não é de si um pensamento mau), e diz-nos mais naquilo que faz, do que naquilo que prega ao longo das duas horas .

 

Ashton Kutcher e Natalie Portman não brilham mas são competentes e utilizam de forma bastante inteligente a diferença de alturas entre si, resultando em alguns bons momentos de slapstick comedy. A química existe, apesar de não ser tão visível como a de Jake Gyllenhaal e Anne Hathaway em Love & Other Drugs, mas Kutcher não é capaz de acompanhar o ritmo e de manter o seu personagem interessante por toda a trama, tornando Portman a figura mais dominante, e perturbando consequentemente o equilíbrio de um já não muito forte No Strings Attached.

 

Infelizmente, parece que uma estranha obsessão por ditos espirituosos obscenos estraga tudo - é que a premissa até não é má, nada má, mas o material acaba por sofrer por um desejo desesperado de se encaixar nas convenções e o diálogo deixa muito a desejar, roçando muitas vezes o vulgar.

 

Não podemos nem em mil anos dizer que revoluciona o género como o fez (500) Days of Summer, mas na melhor das hipóteses, é uma alegre jornada sexual trazida até nós por um elenco sólido (ainda que sub-aproveitado). Já se viram coisas piores, é verdade, mas Hollywood consegue fazer melhor.

 

6/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D