Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - The Hurt Locker (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 03.10.09

 

"The rush of battle is often a potent and lethal addiction, for war is a drug"

 

The Hurt Locker é uma aventura profundamente tensa passada em Bagdade no ano de 2004 e que acompanha uma equipa de soldados norte-americanos cuja missão faz da sua companhia aquela com maior taxa de mortalidade de todas: desarmar bombas e explosivos na ruas, nos corpos dos terroristas, ou mesmo nos cadáveres dos que já partiram.
O único desejo de todos é sair do Iraque com vida; e a contagem decrescente até ao regresso ecoa a cada segundo na cabeça de todos.

 

A abertura é devastadoramente imparcial e desde logo demonstra o tom no qual Bigelow contará a sua história. The Hurt Locker segue, no seu itenerário principal, o destemido e viciado na adrenalina Sargento James, o jovem Eldridge e o sargento veterano Sanborn.
Em todo o lado, iraquianos espreitam e controlam o trabalho dos bravos soldados. De uma janela, de uma vala, por detrás de uma vedação, lá estão eles a observar. E qualquer um deles é um possível infiltrado, um possível inimigo.

 

 

Katherine Bigelow é mestra na realização construindo, peça por peça, um retrato psicológico e um filme de acção excitante. The Hurt Locker capta como poucos as complexidades da Guerra sem se debruçar sobre quaisquer reflexões políticas. O Iraque é apenas uma desculpa de cenário. O filme e a história não se importam com culpados, com moralidades ou o certo ou o errado. O que realmente interessa é que estes homens lá estão, e têm uma missão que roça o mortal. Mas têm também um sonho: sobreviver e regressar.
Este é um filme independente que mete no chinelo muitos filmes e/ou blockbusters de orçamentos galácticos.

 

A imagem e fotografia estão a cargo de Barry Ackroyd (habituado às lides dos documentários) e talvez daí adevenha o realismo e pressão genuínas de The Hurt Locker; é quase como se nós mesmos estivessemos a um passo das bombas e a um simples toque da morte.

 

 

O sargento James é interpretado por Jeremy Renner, que, não desfazendo o restante elenco principal (duas belas interpretações por parte de Anthony Mackie e Brian Geraghty), é a estrela do espectáculo. James não é um homem de grandes palavras e nem de longe o típico herói de guerra. É um homem com um dos mais perigosos trabalhos do mundo, mas que ainda assim se orgulha nele e dele retira prazer e adrenalina.

Indo contra a concepção geral, é nos secundários que podemos encontrar as caras mais conhecidas, mas como a missão de The Hurt Locker não é comercial, as suas presenças são tão cruas e fugazes e a tensão é tanta que nem perdemos tempo a anotar mentalmente a presença de “estrelas”.


The Hurt Locker não tem receio de escarafunchar até ao cerne da natureza humana. A violência, a coragem, a loucura e os instintos são uma presença constante nas duas horas e pouco que passeamos pelas ruas sangrentas de Bagdade.

 

 

É um bravo ensaio sobre a sobrevivência, o risco, a realidade desligada e fragmentada dos combatentes. A paranóia e o suspense são os seus nomes do meio, e é daquelas fitas que podem ser consideradas de puro terror humano.

 

The Hurt Locker tem tudo: a alma, a qualidade visual e de enredo, as caras reconhecíveis a povoar vários lugares e, sobretudo, o F maiúsculo; que Filme!

 

9.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Outubro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D