Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Nothing but the Truth (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 05.08.09

 

"Who was your source?"

 

Às vezes não são só aqueles filmes manhosos que ganham uma viagem directa para o lançamento em DVD passando à frente o lançamento nas salas de cinema. Às vezes bons filmes caem na teia do “straight-to-DVD” por razões que a própria razão desconhece. No caso presente, Nothing But The Truth não teve direito a lançamento nos cinemas norte-americanos. Ao que parece, a distribuidora deu-se mal com a economia e o lançamento passou de futuro para ex-futuro. Felizmente em Portugal a história foi diferente e é com grande alegria que vejo este filme presente nas nossas salas!


Todo o jornalista sonha com o seu dia de viragem. Aquele dia em que serão os autores da publicação que gerou o burburinho, a queda de um alto cargo, o fim de um conflito, a exposição da corrupção.


Rachel Armstrong tem nas mãos a chave do seu futuro e publica-a: o Presidente ignorou as descobertas de uma agente da CIA que provavam a inocência da Venezuela num ataque aos Estados Unidos, e optou por atacar os latinos por via aérea. Rachel faz mais; dá um nome e uma cara ao agente secreto: Erica Van Doren, a mulher do Embaixador dos Estados Unidos na Venezuela cuja filha anda na mesma escola que o seu filho.


O governo é rápido na pressão e tenta rapidamente forçar Rachel a revelar a sua fonte. Quando se nega a fazê-lo, é presa por desobediência à justiça. Até onde estará disposta a ir pela lealdade à sua fonte? Poderá o princípio da confidencialidade sobrepor-se a uma questão de segurança nacional?
 

 

Nothing but the Truth foi feito com muita cabeça e eleva importantes questões éticas e humanas. Devem a liberdade de imprensa e o direito de protecção das fontes ser sobrepostos pelo poder daqueles nos altos cargos? Até onde estamos dispostos a ir na defesa de um princípio e até onde poderemos afectar os nossos próprios familiares?

 

Rod Lurie traz ao de cima o que de melhor o elenco tem para oferecer e não fosse o seu precalço de distribuição e talvez pudéssemos ter ouvido falar muito mais de algumas destas performances.

 

Kate Beckinsale constrói Rachel a partir de uma estrutura muito interessante e complexa: frágil porém corajosa; um mártir mas nunca uma santa. De uma forma ou outra, ela acaba por “abandonar a família” em nome dos seus princípios (que apesar de tudo, são desconhecidos a todos incluindo ao espectador até praticamente o final da fita).


Matt Dillon é também complexamente delicioso como o promotor sem escrúpulos que, no fundo, está apenas a cumprir a sua função. Subjectivamente, Dubois é o vilão no tabuleiro; Objectivamente, está apenas a fazer o seu trabalho. Dillon referiu mesmo em várias entrevistas que o interpretou como se ele fosse o “bom da fita”, o que se vem contribuir para a complexidade de um personagem especial e crucial na acção.
 

 

Por outro lado, Vera Farmiga oscila na perfeição entre a mão de ferro e a vulnerabilidade da agente Erica Van Doren.

Alan Alda é, como se esperava, brilhante no papel do advogado bonacheirão que acaba por deixar de lado as vaidades e entregar-se de corpo e alma ao caso de uma mulher única. A cena onde defende os direitos dos jornalistas no Supremo Tribunal de Justiça é digna de especial atenção; uma bela lição de escrita cinematográfica em temas políticos e de media com um discurso absolutamente arrebatador.

 

Lurie afasta-se do caso real em que se baseia (ler no final sobre o caso verídico) em alguns pontos, alguns deles cruciais e alguns deles, sublimemente executados. De facto, as razões que moviam Rachel e que movem os jornalistas podem ser mais complexas do que aquilo que nos permitimos a pensar. A conclusão atingiu-me como um raio: perfeitamente plausível, sem deixar buracos por tapar e inesperada e surpreendentemente simples. A resposta à pergunta que esteve na boca de quase todos os personagens era simples e complicada, e por isso, impossível.

 

As abordagens abertas do sexismo e da hipocrisia beneficiaram infinitamente a fita e ainda mais as protagonistas femininas que questionaram e lutaram contra uma maré que lhes varreu a ambas a felicidade e a família, não as dispondo apenas como as pobres coitadas.

 

  

Apesar das performances excepcionais e o objecto interessante, o filme nunca faz o “click” que poderia, muito provavelmente e sem desfazer Lurie, fazer noutras mãos. Mas Nothing But the Truth é um belo trabalho de estudo sobre a relação entre a política/poder e o jornalismo, mas também sobre as pessoas e os seus prinícipios e responsabilidades. Não diminui nunca o espectador e oferece drama e suspense da melhor e mais realista qualidade. Agora digam-me… como é que isto não chegou aos cinemas americanos?


Afinal, um crítico da Rolling Stone disse tudo na sua crítica: Lurie criou um thriller político diferente; um thriller com cérebro e coração.
 

"Some time ago, I began to feel the personal, human pressure on Rachel Armstrong and I told her that I was there to represent her and not her principle. And it was not until I met her that I realized that with great people there's no difference between principle and the person."

 

7.5/10

 
 

Nothing but the Truth não é um retrato fiel do "Caso Plame" (também conhecido por "Plamegate") ocorrido em 2003,  sendo que em muitos pontos segue uma linha narrativa diferente, mas é em si que encontra as suas bases.

 

Em Julho desse ano, Valerie Plame, mulher do antigo Embaixador ds Estados Unidos Joseph C. Wilson, viu revelada a sua identidade como agente da CIA pelo colunista Robert Novak.


Wilson viajou ao Níger em 2002 para comprovar a ligação entre a indústria local de Urânio e Saddam Hussein. Vale a pena recordar que, nesse mesmo ano, os EUA acusaram o Iraque de ter tentado comprar urânio do Níger para o fabrico de armas nucleares. Depois da viagem, Wilson escreveu numa coluna do New York Times que, na verdade, o Níger não vendeu qualquer Urânio ao Iraque.

 

Depois da publicação do artigo que revelava a identidade de Plame, Wilson afirmou várias vezes que membros da administração Bush revelaram a informação por vingança ao seu artigo, publicado oito dias antes do artigo de Robert Novak. Plame era especializada em armas de destruição massiva, o que teria motivado os partidários do presidente achar que tinha sido ela a ter a ideia de enviar o marido na viagem ao Níger.

 

No caso estiveram envolvidos muitos jornalistas, apesar de Novak ter sido aquele a publicar a história. Judith Miller foi outra das envolvidas no processo mas ao contrário de Novak que eventualmente acabou por ser absolvido, Miller foi responsabilizada pela passagem da informação original a Novak e obrigada a revelar a sua fonte. Recusando-se terminantemente a fazê-lo perante o tribunal de justiça, passou 12 semanas na prisão em 2005. Foi apenas nessa altura que, finalmente autorizada pela sua fonte, Miller resolveu revelá-la sendo, por isso, liberta. Lewis Libby, Chefe do Gabinete do vice-presidente Dick Cheney, foi quem passou as informações sobre a agente Valerie Plame. Em 2007, Libby acabou mesmo por ser condenado a dois anos e meio de prisão por ter mentido à Justiça.

 

"If journalists cannot be trusted to keep confidences, then journalists cannot function and there cannot be a free press."

Judith Miller

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D