Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Låt Den Rätte Komma In (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 27.05.09

 

Oskar: Tens mesmo doze anos?
Eli: Sim. Apenas tenho doze anos há muito tempo.

(tradução do original sueco)
 
Ser vampiro já esteve muito “in” e parece que a moda está a voltar. Desde séries televisivas a aventuras cinematográficas, os vampiros parecem vir das profundezas da escuridão para invadir o nosso iluminado imaginário mais uma vez.
 
Como já aqui confessei diversas vezes, nunca achei especial piada a vampiros; contam-se pelos dedos das mãos os filmes de vampiros que gostei realmente. Bom, talvez pelos dedos de UMA mão; e talvez não use os dedos todos… mas adiante!

 

Esta semana decidi dedicar algumas linhas a um filme com vampiros que finalmente conseguiu interessar-me e deixar-me pasmada depois do término. Falo, é claro, do fenómeno Låt Den Rätte Komma In (ou Let the Right One In no título americano também adoptado), uma fita vinda directamente da Suécia e que, de uma forma fresca e elegante, me raptou numa viagem negra e intelectualmente alucinante. 

 

 

Baseado num romance sueco com o mesmo nome de John Ajvide Lindqvist (que foi também o autor do argumento do filme), Låt den rätte komma in conta a história de Oskar, um rapaz de 12 anos quase tão branco como a neve que cobre todo o bairro dos subúrbios de Estocolmo que habita. Na escola, o bullying e os abusos e em casa, a ausência física do pai e emocional da mãe tornam Oskar um rapaz profundamente sozinho cujo passatempo favorito é coleccionar recortes de jornal sobre mortes locais.

 

Os dias de solidão de Oskar terminam com a chegada uma rapariga estranha chamada Eli e um homem que se supõe ser seu pai. Com o passar do tempo, a relação entre os dois jovens começa a desenvolver-se e acabam por aceitar manter um “compromisso”. Eli acaba por ser provar uma detonadora da força interior de Oskar, mostrando-lhe que não tem de viver uma vida de constante sofrimento e abuso.
Ah… é verdade. Um pormenor que me escapou. Eli é uma vampira.

 

Antes que me esqueça, alguns apontamentos técnicos que não queria deixar passar ao lado. A fotografia de Hoyte van Hoytema é belíssima no contraste entre a neve branca, o azul gelado e as cores escuras. O argumento é inteligente e subtil tendo uma aura muito própria, algo que prevejo perdido na adaptação americana que já está na agenda. A banda sonora é absolutamente estupenda. Perfeita na combinação entre melodias harmoniosas, românticas e melancólicas que jogam de forma única com o tom da fita. A terminar, a maquilhagem soberba de Eli que sofre mutações contínuas conforme a sua sede de “sangue” aumenta ou diminui.
 

 

Uma das particularidades que me fez gostar realmente desta bela peça cinematográfica foi a apresentação de uma história que não é de vampiros. É antes um conto com toques de fantasia sobre a relação entre dois indivíduos desajustados da sociedade.
O elemento “vampiro” ajuda na construção dessa relação mas nunca ofusca o verdadeiro sentimento latente. Outra questão especialmente positiva foi a abordagem suficientemente afastada daquilo que é, efectivamente, ser um vampiro.

 

Por um lado sabemos que, como todos os vampiros, Eli precisa desesperadamente de sangue, não pode expor-se à luz do Sol e tem algumas capacidades físicas de cariz animalesco. Por outro lado, e este agradou-me particularmente, não vemos nem um laivo de presas afiadas, ou transformações em morcego ou “vai de retro” com alho e crucifixo. O próprio "terror" associado à fita é apenas um elemento, uma das muitas variáveis a contribuir para a construção. Nunca é um produto. Todas as características de Eli e todos os momentos "gore" têm um propósito narrativo e sequencial específico e é isso que torna o vampiro um ser completamente novo e fascinante em Låt den rätte komma in.

 

Mas não o fascínio não parte só da vampira. A evolução de personalidade de Oskar e a convergência com a nova amizade é uma enregeladora e complexa viagem pela mente perturbada juvenil. Oskar cai perigosamente numa espiral de afastamento e delírio; nas noites frias da Suécia, vêmo-lo de canivete em punho a ensaiar uma retaliação que nunca seria possível... sem Eli.

 

E Eli é uma personagem deslumbrante que provoca um sentido de constante desconfiança e desconforto. Afinal, o que é que ela procura e o que é que pretende de Oskar? Uma primeira amizade em muitos anos de existência? Ou um novo servo dedicado? Apesar de algumas acções penderem para o lado da afecção, estas são perguntas para as quais nunca obtemos resposta; Eli é um mistério, e a mente humana fascina-se e obsessa por mistérios.

 

 

Como algumas outras abordagens, Låt den rätte komma in acaba por reproduzir uma figura trágica do vampiro algo cliché. Algumas irregularidades são notadas no ritmo, o que acaba por comprometer um pouco a fluidez da narração.

 

Ainda que tendo algumas sequências potencialmente chocantes para espectadores mais sensíveis, não considero Låt den rätte komma in um filme de terror puro. É mais um drama, uma ópera dramática. Um retrato credível e terno de uma amizade improvável.

Uma história em que o maior horror não é a presença de uma criatura sobrenatural, mas uma simples condição humana que ameaça desumanizar-nos: a solidão.


Oskar: És uma vampira?
Eli: Vivo de sangue… sim.
(tradução do original sueco)

 

8/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D