Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Kramer vs Kramer (1979)

por Catarina d´Oliveira, em 23.03.09

 

"How much courage does it take to walk out on your kid?"

 

Os finais do séc XIX e inícios do séc XX marcam o início de um novo mundo para a Mulher.
Sem dúvida não é nesta altura que se inicia a luta do outro lado da moeda humana mas é inequivocamente aqui que a batalha toma proporções massivas e incómodas para os seus adversários.

 

A primeira vaga da revolução feminista estendeu-se desde o início dos anos 60 até aos anos 70, batalhando obstáculos legais à igualdade (direito de voto, direito de propriedade, etc). A segunda vaga teve lugar após gloriosas vitórias da primeira e teve como objectivo continuar a pavimentar o caminho da mulher para um papel equivalente ao Homem na sociedade. Falamos de direitos respeitantes ao trabalho, à família, à sexualidade, ao divórcio e muitos outros.

 

É neste contexto de mudança que se enquadra o filme sobre o qual hoje aqui escrevo – Kramer vs Kramer.
 

 

Ted Kramer é um autêntico workaholic que, a certa altura da sua vida, começou a por o trabalho á frente da vida pessoal. Um dia a conduta traz frutos; frutos bons e frutos francamente maus. Promovido a um cargo importantíssimo depois de garantir um cliente excepcional, Ted chega a casa mesmo a tempo de ver a mulher Joanna a preparar-se para o abandonar, deixando o filho de ambos (Billy) nas mãos obviamente pouco capazes do pai.

 

Entre tentativas, erros e vitórias, Ted aprende a criar Billy e, acima de tudo, apaixona-se por ele. Inverte-se o jogo e Ted desleixa no trabalho o que empenha arduamente em casa. A promoção desaparece, e o desemprego bate à porta. Mas infelizmente esta não é a única má notícia... Joanna está de volta e com uma bomba: a intenção da custódia de Billy.

Segue-se uma batalha dentro e fora de tribunal mais violenta e cruel que qualquer épico bélico e p destino do jovem Billy jaz como um pendulo, ora para um lado, ora para outro, balouçando entre a batalha de duras palavras que Ted e Joanna travam com o coração.

 

A realidade de Kramer vs Kramer é o produto de uma sociedade crescentemente centrada no “Eu” e não no “Nós” onde o papel de pai e mãe e marido e mulher se alteram drásticamente. É por isso que devemos ter presente o backgroud social da altura que neste como em outros casos, toma um relevo especialmente importante no enredo. Na primeira fila assistimos à evolução de Ted de pai ausente a pai dedicado que aprende a amar a família e a com isso conjugar a situação de trabalho.

 

Robert Benton escreveu o argumento com o romance de de Avery Corman (com o mesmo nome) em mente. Kramer vs Kramer é uma peça complexa e ao mesmo tempo simples, sem retalhos complicados ou luxuosos. É um autêntico deleite interpretativo, um desfilar de personagens que sem serem espanpanantes, são aquilo pelo que mais procuramos num filme: um espelho da nossa real verdade.

 

Este é um filme de personagens e, consequentemente, um filme de interpretações.
É difícil um papel fazer-se notar se não tiver uma particularidade muito forte ou lidar com temas sensíveis: a deficiência,a homossexualidade, a toxicodependência, a loucura, por aí fora. Dustin Hoffman mostra em Kramer vs Kramer que não é preciso um personagem com especial potencial para fazer magia . Ted Kramer é um homem como qualquer outro, e Hoffman criou-o simples e honestamente, tornando-o uma pessoa tão verdadeira como poderíamos imaginar. Algumas cenas são dolorosas de tanto nos identificarmos com elas...de momento recordo o momento de pânico quando Billy se fere no parque e Ted o leva em braços e em desespero até ao hospital... Isto é amor pelo cinema e pela arte de representar. Tornar algo simples em algo memorável.

 

Apesar de  ausente duante quase uma hora, Meryl Streep dava já grandes sinais do grande mural de talento e sucesso que contruiria ao longo de anos. A Joanna que vemos não é uma mulher odiável mas uma alma perdida que parte tentando encontrar-se e que dá por si ainda mais perdida longe daquele que mais ama, o filho.
 

 

Mas como só tive a oportunidade de assistir a esta fita muito recentemente, não foi realmente uma surpresa ver um fogo de artifício de interpretações de Hoffman e Streep... afinal, hoje são dois mestres absolutos, e eu já o sabia bem. A minha grande surpresa surgiu num pequeno rapaz que, infelizmente, acabou por ter uma carreira curta nas lides do cinema. Falo de Justin Henry, o adorável Billy; o filho no meio da tempestade. Fiquei completamente atordoada com o talento de uma criança daquela idade... não admira que tenha sido nomeado para Oscar! As birras, as tristezas, as perguntas difíceis... está tudo lá e sempre tão espectacularmente natural  que nos perguntamos vezes e vezes sem conta se o que ele faz é representar ou ser ele mesmo...uma criança de 8 anos. Estupendo! E a química com Dustin Hoffman é fantástica. Tanto que a dupla chegou mesmo a improvisar muitas cenas... o melhor exemplo é a memorável cena do gelado! Sublime...
 
Inteligente, triste, engraçado, trágico (sem ser demasiado dramático), verdadeiro e honesto, Kramer vs Kramer é esplendorosamente virtuoso em vários aspectos, mas o facto de não escolher lados, não propiciar uma visão extremamente boa de um lado e má do outro é o seu maior trunfo.
 
É verdade que, a certa altura, tendemos a desgostar da mãe e a simpatizar com o pai; mas quando olhamos para o quadro completo, as coisas não são assim tão lineares. Afinal, Joanna fora obrigada a viver anos a fio com um homem invisível, um homem que no primeiro dia ao lado do filho mostra toda a sua ignorância quando lhe pergunta “Em que ano andas?”. Kramer não pretende colocar rótulos ou apontar dedos, apenas mostrar silenciosamente um espelho para que possamos ver reflectida a história de uma família como tantas outras...

 

"I came here to take my son home. And I realized he already is home."

 

9/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




Mais sobre mim

foto do autor


Calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D