Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Deep Focus - Ensaio sobre Fobias no Grande Ecrã (II)

por Catarina d´Oliveira, em 19.12.10

Continuando o artigo iniciado aqui, mais umas quantas fobias para partilhar convosco.

 

(medo de palhaços)

 

Este é um daqueles medos que pode parecer estranho e mesmo ridículo para o indivíduo mais racional… Todavia, todos de nós que vimos IT de Stepen King, ficámos traumatizados e assim, este medo é totalmente plausível. O enredo desenvolve-se à volta de uma criatura demoníaca que toma a forma de um palhaço e aterroriza uma pequena cidade. As simple as that. Tim Curry tem uma performance majestosa, e a verdade é que só a pintura da cara chegaria para dar suores frios a qualquer coulrofóbico… A parte boa é que, a certa altura, o nosso amigo Pennywise se transforma numa espécie de aranha gigante, e os coulrofóbicos podem respirar de alívio… a menos que tenham também medo de aranhas. Aí é melhor esquecerem este filme.

 

(medo da morte oud e coisas mortas)

 

They’re coming to get you” – com esta frase (Night of the Living Dead, 1968), George A. Romero lançou finalmente os zombies para o mainstream do horror, pondo em pânico todos aqueles que sofriam (e sofrem) de fobia de coisas mortas, ou que pelo menos deviam estar mortas. Hoje o que não falta por aí é material fresquinho para por os necrofóbicos com um ataque de nervos. Se têm algum inimigo assim, mostrem-lhe o competentíssimo Dawn of the Dead (2004). Se, por outro lado, têm um amigo… tentem diverti-lo com Shaun of the Dead (2004). Afinal, e como já foi frisado nesta rubrica, rir é o melhor remédio.

 

(medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão)

 

Days of Heaven é um filme de 1978, protagonizado por Richard Gere e que contava uma história passada na América em 1916. É a história de um homem que tinha apenas uma mulher que o amava, e é uma história (agorafóbicos, segurem-se bem) contada inteiramente num espaço aberto. Temos ainda o exemplo do clássico Hitchcockiano North by North West (1959), onde um executivo inocente é perseguido pelos Estados Unidos por ser confundido com outra pessoa. Foi um dos primeiros filmes a representar o medo de espaços públicos e abertos.

 

(medo de fantasmas)

 

O recente primo do The Blair Witch Project (1999), Paranormal Activity (2007), é quase demais para que não têm de suportar uma fobia em relação a fantasmas. Para aqueles que não conseguem dormir com a luz apagada, por mais triste que esta recomendação possa parecer, é sincera e preocupada: levem uma troca de roupa interior, porque vão precisar. The Amityville Horror (1979 e 2005)… not a good choice either.

 

(medo de crianças)

 

Tenho de admitir que, por mais que goste de crianças, às vezes existem filmes que me provocam uma certa pedofobia. Na verdade, a lista de filmes para desenvolver esta fobia é vastíssima, mas vou indicar apenas alguns. Joshua (2006) tem uma certa queda para atacar animais, esventrar bonecos e apredrejar mendigos, Cole Sear de Sixth Sense (1996) via pessoas mortas (um cubo de gelo difícil de derreter nas conversas de recreio), Gage Creed de Pet Sematary (1989) é morto a meio do filme para depois renascer em busca de sangue, Rhoda Penmark de The Bad Seed (1956) tinha uma grande afinidade com a morte, desordem e jóias, os miúdos de Village of the Damned (1960 e 1995) são assustadores até à raiz dos cabelos loiros e exercem um preverso poder sobre os pais, Damien Thorn (The Omen – 1976 e 2006) é nada mais nada menos que o próprio filho de Satanás, o anti-cristo, o rebento do cornudo… e são precisos mais exemplos? Parece que nenhum destes pequenotes ia ser convidado a ir a vossa casa comer gelatina e gelado…

 

(medo de pessoas estúpidas)

 

Uma fobia interessante e que, sim, existe mesmo. Dada a quantidade de filmes ah.. estúpidos… que saem todos os anos, o difícil é seleccionar os que mais se adequam a esta lista. Todavia, podemos lembrar Jackass: the Movie de 2002 (onde homens parvos fazem coisas estúpidas), Epic Movie de 2007 (ou qualquer um dos “… Movie” que existem) ou mesmo o clássico de 1980 Airplane! (sim, é uma grande comédia; sim, adorei o filme; não, não tem muito humor inteligente).

 

(medo de pensar)

 

Ora cá está uma fobia complicada de ultrapassar que pode muitas vezes levar quem a tem à loucura pela recusa de pensar ou responder ao ambiente em que se inserem. Neste caso, poderíamos argumentar que qualquer filme servia para por um indivíduo com este medo de cabelos em pé e a chorar que nem uma criança, mas resolvi propor três relativamente recentes que já põem a cabeça em água dos que pensam, quanto mais dos que não pensam. Memento (2000) é contado do final para o início, e acho que não preciso dizer mais nada. Donnie Darko (2001) inclui um coelho que fala, viagens no tempo, esquizofrenia e terapias do mais bizarro que se pode imaginar. Por fim, não podia deixar de fora David Lynch com Mulholland Drive (2001), um trabalho por que será sempre lembrado e que recebe muito crédito por não ser compreendido… nem pelo próprio Lynch.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Deep Focus - Ensaio sobre Fobias no Grande Ecrã

por Catarina d´Oliveira, em 17.12.10

 

Os filmes podem ter um efeito profundo no sentimento de “medo” dos indivíduos. Em alguns casos, podem ser um passo na vitória sobre o medo, noutros podem contribuir para um já existente, e ainda existe aquela raça rara de filmes que, sozinhos, podem criar uma complexa e bem integrada fobia.


A Fobia consiste em reacções de medo persistentes e desproporcionadas em relação a um objecto, lugar, animal ou situação que representa perigo ou ameaça.. Do ponto de vista da psicopatologia, as fobias fazem parte do espectro dos distúrbios de ansiedade com a característica especial de se manifestarem em situações particulares.


Em mais um artigo especial do Close-Up, vamos falar de algumas fobias e da sua presença no cinema.

 

(medo de aranhas)

 

Bem, apesar de o tema principal ser um bando de aranhas assassinas a invadir uma pequena cidade americana, o filme Arachnophobia (1990) tem uma boa dose de gargalhadas que pode anestesiar os efeitos do filme nos mais ferrenhos aracnofóbicos. Além deste exemplar cinematográfico temos ainda Starship Troopers (1997), que envolve uma guerra de humanos contra insectos, Spider (2002), que conta a história de um homem cujo apelido é… spider por ter coleccionado aranhas em pequeno e... bom, se calhar os amigos aracnofóbicos também não nutrem especial afecto por Spider-Man.

 

(medo de bonecos, ventríloquos, estátuas de cera ou criaturas animadas)

 

No fundo, esta fobia representa o medo de coisas que imitem um ser vivo. Esta fobia é mais comum do que muitos pensam havendo, inclusive, muitos filmes a ilustrar a coisa: um dos mais famosos… o nosso amigo Chucky, protagonista do clássico Child’s Play de 1988. A sinopse é simples: um rapazinho recebe o seu boneco de sonho…que vem enfeitiçado por magia negra e é, na verdade, um sedento assassino. Outro caso representativo desta fobia é Dead Silence (2007), a história de ventriloquos vingativos que, depois de verem a sua dona morta, ganham vida e matam famílias numa pacata cidade americana... Este é um daqueles casos que, se não sofrem de automatonofobia, depois de verem estes filmes, não se vão sentir muito à vontade na mesma divisão que um boneco daqueles. (Para que conste…também nunca gostei muito deles… têm um ar assustador).

 


(medo excessivo da água; a selachofobia, no artigo também referida, designa o medo de tubarões)

 

Muitas vezes no cinema, estas duas fobias aparecem de mãos dadas. O terror gerado pelo simples argumento de Open Water de 2003 (dois mergulhadores perdidos no meio do oceano rodeados de tubarões) será um desafio para os hidrofóbicos e selachofóbicos. Outro incontornável? Jaws (1975) – Spielberg pôs os gigantes brancos no mapa, definitivamente. Um facto interessante sobre o filme é que, ainda que incrivelmente credíveis, os tubarões mecânicos apresentaram muitos problemas de funcionamento ao realizador, que em vez de poder ter um slasher com um “vilão” pronto para a carnificina, teve de optar por um estilo de maior suspense e feel hitchcockiano. Se conseguirem resistir até final, deverão emergir mais fortes depois destas aterrorizadoras experiências.

 

(medo de pessoas feias)

 

Yep, existe mesmo. Pelos vistos, existem pessoas com medo da feiura… e estes amigos, deviam ser obrigados a, Alex DeLarge’s Style, ver o clássico de David Lynch, The Elephant Man (1980). O papel emotivo de John Hurt como Joseph Merrick, um rapaz deformado e altamente explorado deveria não só mostrar aos cacofóbicos que a verdadeira beleza está cá dentro, como também fá-los-ia pensar que as pessoas feias pareciam modelos ao pé de Merrick.


(medo incomum de tomar banho)

 

Nesta fobia em particular, acho que todos sabem a que filme me irei referir. Com 50 cortes, 77 ângulos diferentes e 3 minutos de duração, a cena em que uma mulher toma banho relaxadamente e é inesperada e brutalmente assassinada por um homem com uma faca é um clássico do cinema de terror e suspense. Para preservar a história e suspense de Psycho (1960), Hitchcock proibiu os visionamentos de imprensa para os críticos de cinema, bem como as entrevistas sobre o filme e ainda proibiu os membros da audiência de entrarem na sala de cinema depois de o filme ter começado. Tudo isto, só acrescentou antecipação na mente de todos. Durante a famosa cena do duche, diz-se que pessoas no cinema desmaiaram, vomitaram e saíram a correr do cinema. Nunca um ataque tinha sido tornado tão pessoal no ecrã de cinema. Conseguem sentir as fobias do público a borbulhar?

 


(medo de espaços fechados; tafofobia respeita ao medo de ser enterrado vivo)

 

Em Panic Room (2002), Jodie Foster intepretou o papel de uma mãe a tentar proteger a sua filha da sua fobia – calustrofobia. Esta é uma das fobias mais comuns e, consequentemente, as pessoas que a têm não conseguem estar em elevadores ou espaços apertados. Mas a calustrofobia e tafofobia são levadas a um nível superior em Buried (2010), onde Ryan Reynolds interpreta um homem que acorda num caixão enterrado no deserto com apenas um isqueiro, um telemóvel e oxigénio bem limitado. O cenário, que também apareceu algures em Kill Bill Vol.2 deve fazer todos os claustrofóbicos pensar que, afinal, o elevador não é assim tão mau.

 


(medo de dormir)

 

Aqui também acho que estamos em sintonia. Um bom momento ao lado de Freddy Krueger é o bilhete de sonho para qualquer somnifóbico que se preze. A série, ou melhor os primeiros filmes da série, que têm como protagonista o infame assassino que persegue adolescentes durante o sono testará certamente os nervos daqueles que tremem só de pensar em contar carneirinhos. Deve atentar-se que este filme também poderá causar fobia a camisolas com riscas, chapéus velhos, e mãos alternativas ou com unhas grandes.

 

(Continua...)

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial



subscrever feeds


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D