Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Memento (2000)

por Catarina d´Oliveira, em 09.03.09

 

"How am I supposed to heal if I can't... feel time?"

 

Lembramo-nos realmente do que pensamos lembrar? Quanto embelezamento posterior suporta uma memória? Como podemos ter certeza de uma memória?

 

A palavra memória deriva como tantas outras palavras do Latim e diz respeito à capacidade de registar, armazenas e manipular informação – ideias, imagens, expressões, conhecimento – a partir de experiências pessoais. Não existindo uma forma de armazenamento mental, como seria possível viver? Faríamos tudo sempre igual com a mesma surpresa à milésima vez do que à primeira?

 

Leonard Shelby acorda todos os dias com a mesma memória. Uma imagem feliz da mulher que é distorcida e esborratada pela última lembrança que possui; a violação e morte da mulher que amou. Há quanto tempo isso aconteceu? Não sabe, não recorda. O que sabe é que o homem que o fez sentirá o sabor da vingança.

 

O quarto onde agora mora está coberto de anotações e fotografias escritas. No espelho reflete-se um homem com o corpo repleto de escritos que parecem relembrar pistas para alguma coisa...Retirado do trabalho de detective desde o incidente, Leonard sofre de uma variação de amnésia desde o incidente que o impede de reter memórias a curto-prazo.

 


Esta peculiar situação do protagonista reveste várias formas e objectivos chegando até a apresentar-se como uma espécie de comic relief para aliviar a tensão (recordo o genial momento em que Leonard foge desenfreadamente por um parque de roulotes e, derepente, esquece-se porque o está a fazer, não sabendo se está a perseguir ou ser perseguido).

 

Repetidamente apresenta-se e explica o seu problema ao dono do motel que habita e a duas personagens recorrentes que nem nós sabemos se são conhecidas, amigas ou impostoras: Natalie, uma mulher que o pode ter ajudado e/ou manipulado, e Teddy um estranhíssimo mas dedicado amigo que poderá ser um traficante ou um polícia. Numa jornada inquietante e de tirar o fôlego seguimos a desconstruída história de Leonard na perseguição do Homem que matou a sua mulher. Parece cliché? Experimentem a imaginar a história...a andar para trás.

 

Christopher Nolan utiliza em Memento um formato que não sendo totalmente original  serve generosamente vários propósitos. Ao contar a história do fim para o princípio, Nolan transporta-nos para a cabeça de Leonard, e durante quase duas horas temos uma pequena amostra do desvario e desorientação da cabeça do protagonista. Ao mesmo tempo, Nolan consegue tornar uma história banal num símbolo cinematográfico e agarrar o espectador do início ao fim (ou será do fim ao início?).

 

 

Mas se Nolan foi o grande maestro de uma orquestra doentiamente sintonizada, Guy Pearce, o nosso protagonista é sem dúvida a estrela no seu solo. Dinâmico e curiosamente tocante (já que o personagem não apresenta arco de desenvolvimento psicológico) Pearce ajuda a tornar esta diabólica jornada numa experiência surreal  e postivamente estranha para o espectador.

 

Memento tem uma característica única da desorientação. É um puzzle invertido que se completa com o desencaixar das peças; isto se alguma vez se completa realmente.
Os filmes que não se limitam a dar sempre me atraíram, e se são fãs de filmes que vos obrigam a beber cada segundo de fita, Memento é um dos melhores exmplares. Olhem para o relógio para ver as horas e poderão perder uma pista crucial.

 

Ao mesmo tempo que rebobinamos a vida de Leonard somos presenteados com algumas sequências estranhas a preto e branco que reportam aos seus dias de investigador activo e que se vêem a provar absolutamente essenciais na imagem final que se nos apresenta.

Quem diria que um filme cujo final é conhecido poucos segundos depois de se ter iniciado poderia ser tão electrizante, misterioso e claustrofóbico. A desconstrução do tempo é sublime e nunca arbitrária. Se tivesse algum tipo de ambição neste campo, Memento seria o tipo de filme que eu gostaria de ter escrito ou idealizado. 

 

 

É claro que não é desprovido de falhas. Uma questão gritante fez-me, de certa forma, confusão ao longo de toda a fita ... se a última coisa que Leonard recordava era a mulher, como era possível lembrar-se que tinha um problema de memória? Afinal não tinha isso apontado em lado nenhum... De qualquer forma e apesar de me incomodar, há certos argumentos que, pela sua complexidade impedem questões lógicas como estas.

Os últimos minutos trazem revelações surpreendentes e que ilustram não só a natureza do problema de Leonard como também a sua própria natureza enquanto ser humano.

 

Emergem questões sobre a verdade e a mentira e a máscara de felicidade que tantas vezes insistimos em usar, cobrindo os nossos medos e angústias e no caso de Leonard, os seus demónios. E a ambiguidade que se instala nos derradeiros momentos é, contrariamente ao que possam pensar, necessária e o grande objectivo. Deitados na cama à noite começamos também a recordar o que lembramos e a dar-nos conta que, se calhar, tal como Leonard nenhum de nós compreende totalmente o filme da sua vida.
 

"My wife deserves revenge, whether I know about it or not"

 

9/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Filipe Coutinho a 09.03.2009 às 22:15

Excelente crítica como sempre.

A este filme é impossível dar menos que a nota máxima tal a sua inventividade, criatividade e concretização :p Um trabalho fabuloso de um conjunto de pessoas com muito talento.

Bjs
Imagem de perfil

De l00ker a 10.03.2009 às 11:16

que me lembre, foi o 1º filme a mostrar a história de trás para a frente. O filme é aliás muito à frente! E lembro-me de ficar com uma ideia ao fim do 1º visionamento e à 2ª vez ficar com uma ideia diferente sobre o final. Este é daqueles filmes que considero de culto, daqueles filmes que merecem um canto especial na nossa "dvdteca" ou "blu-rayteca" (siga siga!). E tal como dizes e bem (excelente post, mais uma vez ;)) um segundo desatento e pode ser a morte do artista.

p.s. - agora abriste-me a curiosidade para ir ver o que escrevi na altura sobre este filme no meu blog :)
Imagem de perfil

De thesubsidal a 10.03.2009 às 23:31

É, de facto, um excelente filme! Talvez o melhor do Nolan.
Imagem de perfil

De CinemaBox a 10.03.2009 às 23:51

Depois desta tua crítica, deu-me vontade de rever o filme =D mas infelizmente, este foi um daqueles filmes em que cometi o erro de emprestar à pessoa errada, porque nunca mais me devolveu =( bolas!
Sem imagem de perfil

De Alexandre a 10.03.2011 às 14:28

Bastante bom e interessante, mas demasiado preso aos moldes de Hollywood, ao contrário de Irréversible (2002) que, além de ser também contado inversamente, as cenas são realmente contínuas e brutal em todos os sentidos, desde o grafismo à intensidade emocional, passando pela originalidade de filmagem, som, etc.
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 11.03.2011 às 20:16

Alexandre,

já cá tenho esse em fila de espera para ver. :P depois deixarei por aqui o meu parecer
obrigada pela partilha!

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Março 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D