Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Janeiro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-Of-View Shot - In Bruges (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 07.01.09

 

"After I killed him, I dropped the gun in the Thames, washed the residue off me hands in the bathroom of a Burger King, and walked home to await instructions. Shortly thereafter the instructions came through - "Get the fuck out of London, you dumb fucks. Get to Bruges." I didn't even know where Bruges fucking was... It's in Belgium."  

 

Bruges, uma das mais belas e historicamente ricas cidades da Bélgica.


Este é o último lugar para onde os assassinos profissionais Ken (Brendan Gleeson) e Ray (Colin Farrell) esperavam vir parar. Ken é mais velho e experiente e sabe aproveitar a estadia; Ray é um autêntico bebé grande que só reconhece Dublin como lugar digno de se viver.  Enquanto esperam por novas ordens em forma de chamada telefónica do seu chefe, o frio e autoritário Harry (Ralph Fiennes), os dois vêem-se imersos numa estranha aventura cultural que mete turistas, locais, anões, prostitutas e um enredo de peripécias hilariantes.
 

Quando o telefonema finalmente chega, as peculiares férias metamorfizam-se num perigo constante. A vida e a morte cruzam-se a alta velocidade, sempre com consequências cómicas mas, ao mesmo tempo, tocantes.


In Bruges é um filme chocante que, nas mãos erradas seria apenas ofensivo e provocador. O dramaturgo irlandês Martin McDonagh tem aqui a sua primeira incursão pelo mundo do cinema. Ninguém o diria já que In Bruges se apresenta, indubitavelmente, como um dos melhores e mais requintados filmes do ano.

 


Num filme de assassinos é estranho não haver nenhuma “missão” (por assim dizer) que ocupe todo o enredo. Mas In Bruges, não sendo no seu cerne apenas um filme de assassinos, se é que pode ser considerado um filme de assassinos…porque não precisa disso para nada.


Grande parte do filme limita-se a seguir Ray e Ken pelas suas visitas culturais. Se alguém me dissesse isto provavelmente disparava logo “mas qual é o interesse disso??”.  Muito, digo-vos. A combinação é exótica; as constantes discussões e as birras de Ray contrastam com a beleza e calma da portentosa cidade em pano de fundo e que, muitas vezes, toma o lugar de personagem, assistindo impávida e serena ao desmontar de um puzzle completamente alucinado.


O humor joga tanto no campo da idiotice desconcertante (que, diga-se, tem muita graça) como no da lógica partindo de pressupostos incrivelmente inteligentes, e aqui o diálogo toma especial importância. Quantas vezes em conversas com amigos ou conhecidos mandamos a nossa “bucha”? Ou os ouvimos mandar? E quando revemos essa conversa, não conseguimos evitar uma sonora gargalhada. In Bruges tem exactamente esse tipo de conversas: despreocupadas, naturais e cheias de “bocas” e asneiradas. Pode parecer um lugar-comum, mas se pensarmos bem, são raros os filmes que têm sucesso ao fazê-lo. In Bruges teve. Se teve!

 


Mas o mérito não pode ir só para o realizador/argumentista; os actores são, cada um e todos eles excepcionais. A química entre a dupla principal é maravilhosa e os seus momentos tête-à-tête são dos grandes highlights!


Brendan Gleeson é a derradeira figura paternal. Um homem que, paradoxalmente, nasceu e não nasceu para matar. Por trás daquela dureza para com Ray, ou depois, por trás de todo o apoio, está um homem infeliz e sozinho, e Gleeson é um deleite de se ver, um mapa emocional.
Do outro lado do ringue, Colin Farrell, naquele que é o melhor papel que lhe recordo. Espectacular! Talvez porque interpretou um irlandês e pôde finalmente dar aso à sua verdadeira natureza, talvez porque o esperava um personagem que só podia ser seu. A verdade é que o homem se encheu de sentimento e pujança, o que resultou numa personagem única e com a qual é simplesmente impossível não rir.
Depois há o sempre imperial Ralph Fiennes, que escusa grandes comentários; este senhor não brinca em serviço!


In Bruges não é apenas puro entretenimento, apesar de acreditar que sobreviveria bem se o fosse. Mas a realidade é que se trata de um filme extremamente complexo na sua moralidade e mensagem. Três homens, três almas torturadas que vivem sob cortinas de dor, vergonha e culpa soltam finalmente em Bruges toda a raiva e todos os demónios. No final, damos conta que rimos; mas rimos de algo que na verdade é real e doloroso, e que prevalece com mais força do que alguma vez poderíamos esperar.


Numa palavra, brilhante.
 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Dan a 08.01.2009 às 01:44

Não me quero tornar repetitivo, mas esta crítica está muito boa, de novo, os meus parabéns!

Este filme está, sem margem de dúvida, no meu top 5 do ano! Fiquei seriamente em dúvidas se a comédia negra encaixava no meu perfil, quando vi o Burn after reading, uma vez que não apreciei assim muito o género de humor do filme. Após ver o In Bruges fiquei devidamente esclarecido, que, afinal, o humor negro, é o meu género de humor preferido! In Bruges está tão repleto de pequenos permenores, que até impressiona. É um filme a rever! :)
Sem imagem de perfil

De Filipe Coutinho a 08.01.2009 às 22:56

Exactamente, não é meramente entretenimento. É bem mais do que isso.

Um excelente produto que de mim leva o 9 :p

Bj

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Janeiro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D