Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-Of-View Shot - The Hours (2002)

por Catarina d´Oliveira, em 15.07.08
 
 
 
 "Someone has to die in order that the rest of us should value life more"
 
2002 foi um ano de bons filmes: Chicago, Cidade de Deus, Lord of the Rings The Two Towers, The Pianist, Gangs of New York, entre outros que aqui não falarei para não tornar a lista mais extensa. No entanto, e apesar da sua espectacularidade em aspectos distintos, nenhum me tocou tão fundo como a adaptação do romance de Michael Cunningham, The Hours.
 
Neste filme acompanhamos apenas um dia na vida de três mulheres de três gerações diferentes, que são de alguma forma afectadas pelo romance “Mrs Dalloway”: Virginia Woolf em 1925 (escreve o romance), Laura Brown em 1951 (lê o romance) e Clarissa Vaughan em 2001 (vive a história do romance).
As três travam lutas interiores que nada têm de igual, ou de diferente. De alguma forma, todas as três vivem uma mentira e todas morrem aos poucos.
 
O romance de Cunningham é apaixonante, vivo e, à primeira vista, quase impossível de reproduzir em filme. Nunca é fácil adaptar uma acção dividida em vários pedaços; ainda mais difícil o é quando a acção se desenrola em períodos diferentes. A verdade é que o realizador Stephen Daldry consegue fazê-lo roçando a perfeição, com transições magníficas, originais e que mantém história viva.
 
Além da natural força do argumento, vem ao de cima um elenco absolutamente brilhante liderado por três das melhores actrizes do nosso tempo – Nicole Kidman, Juliane Moore e Meryl Streep. Houvesse prémios suficientes para todas e todas deveriam recebê-los, e fosse eu capaz de hipérboles mais possantes, assim descreveria o desempenho estrondoso destas três Senhoras. Cada toque, cada gesto... nos seus olhos se vê o peso do mundo, a imensa infelicidade que as habita, a derradeira e sempre certa passagem das horas - uns morrem, outros sobrevivem e outros vivem.
 
O elenco secundário, os homens na vida das protagonistas, acompanha o elenco principal com actuações também elas de se lhe tirar o chapéu, com especial atenção para Ed Harris,sublime no papel de Richard, um seropositivo.
 
A banda sonora que acompanha praticamente todas as cenas é das mais belas que já tive a oportunidade de ouvir e encaixa na perfeição a cada momento, trazendo por vezes momentos de tal forma arrepiantes que parecemos estar completamente submersos no mundo d'As Horas.
E o desfecho do filme… poderosíssimo, sem palavras.
 
 
The Hours não é um ensaio sobre a depressão, sobre a tristeza ou a solidão; é antes um hino ao ser humano, e à dor da passagem do tempo. É triste, denso, difícil de digerir. Provavelmente, se virem este filme, sairão mais deprimidos do que entraram. Mas que não se confunda, isto são elogios, não críticas.
 
Não é um filme para todos, e com isto não quero dizer que seja um filme para intelectuais ou apenas para alguém com grande profundidade poética e/ou artística, não. É uma obra para quem está disposto a deixar-se envolver, a lidar com os seus próprios demónios; a enfrentar as suas próprias horas, o confronto inevitável com o tempo, que consome e corrói a alma.
 
Compreender este filme não implica saber exactamente o que transmite.
Compreendê-lo significa, apenas e só, senti-lo.
 
É provável que haja mais gente a discordar da minha opinião do que a concordar, mas este foi, a meu ver, dos melhores Dramas dos últimos anos, e um dos meus filmes favoritos de sempre. Estrondoso, arrepiante, brilhante.
 
São filmes como este que elevam o cinema à categoria de Arte.
 
"Dear Leonard, to look life in the face. Always, to look life in the face. And to know it, for what it is... at last, to know it, to love it, for what it is, and then, to put it away.
Leonard, always the years between us. Always, the years. Always, the love.
Always... the hours."
 
10/10 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Roberto F. A. Simões a 28.09.2008 às 19:49

Crítica: Philip Glass é primoroso! Comprova-o uma vez mais neste filme onde a excelência do argumento e das interpretações é notável. Nicole Kidman, uma das maiores actrizes de todos os tempos, mostra toda a sua versatilidade num papel em tudo diferente do que fizera até então. Está genial. Meryl Streep, uma das maiores actrizes de todos os tempos, está divinal! Julianne Moore está muito boa e Ed Harris surpreende num dos seus melhores papéis, está impressionante. Mas David Hare construiu um argumento cheio, cheio de subtilezas... Um filme sobre tudo aquilo que antecede a Morte... o Tempo... as Horas... e a angústia decorrente desse consciência.

CINEROAD
http://cineroad.blogspot.com/

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D