Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2008

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-Of-View Shot - Savage Grace (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 14.10.08

 

 

"You are truly disgusting do you know that? I go away for one week and what do you do? Something very intellectual. Very Intellectual indeed..."
 
A psicologia humana sempre foi um tema do meu mais alto interesse.
“Porque é que será que as pessoas fazem isto? Porquê?” … sabem como é… aquelas perguntas surdas que parecem nunca ter resposta teimam em perseguir-nos fazendo-nos questionar “Mas afinal, quem é ele? E ela? Quem sou EU?”.
 
Esta última pergunta é aquela que esmaga a mente e o espírito das duas personagens centrais de Savage Grace: Barbara Daly e o seu filho, Anthony.
 
A chocante e verídica história da família Baekeland dá-nos uma visão da vida rica e boémia dos anos 40 aos anos 70, passada com o sentido do sabor das mais belas e abastadas cidades europeias.
 
 A provocadora Barbara Daly é casada com Brooks Baekland um herdeiro riquíssimo de uma qualquer fortuna relacionada com plásticos. Juntos têm um filho, Tony, que tem uma relação demasiado distante com o pai, e, ao mesmo tempo, demasiado próxima com a mãe. Com o passar dos anos, e pulando de país para país, acompanhamos a degradação contínua de uma família crescentemente disfuncional que procura o brilho cínico social e que descura cada vez mais o que é realmente uma relação humana verdadeira.
 
Filme implacável e controverso. Mais controverso ainda pela despreocupação palpável de o ser. Uma poética tragédia ao estilo grego de uma mãe e de um filho, de dois pólos que se atraem a pontos de desmesurado desconcerto para o observador.
 
Por aí tenho visto dizer que o tema central deste drama de Tom Kalin é o Amor. Por mim, penso de uma forma diferente: vejo Savage Grace como um perturbante retrato negro do que a Solidão pode fazer a um ser humano.
De facto, todas as personagens estão, de certo modo, sozinhas;  Barbara não sabe quem é mesmo antes de ser abandonada por Brooks… Brooks é frio e distante, desligado daquele que deveria ser o seu maior amor, o filho Tony, que por sua vez se vê envolto em dúvidas que o encurralam cada vez mais com o pesado passar do tempo.
 
 
A solidão e dúvidas… são estas as grandes causadoras da mais chocante cena de Savage Grace: o momento em que Barbara faz sexo com o próprio filho Tony. O momento em que uma mãe completamente sozinha tenta reencontrar um homem completamente perdido na sua sexualidade e na sua própria mente, o filho… O incesto.
 
O impacto avassalador da última meia hora de filme fica dançando na nossa mente por horas… a relação conturbada, a loucura a apoderar-se lenta e preversamente da mente de Tony (de apontar alguns sinais dados ao longo do filme, como a crescente obsessão com a coleira do falecido cão), e, numa espécie de clímax dramático, a morte completamente fria e seca de uma mãe…
Na verdade, valendo pela sua meia hora final, Savage Grace seria um dos grandes dramas do ano. Acontece que, como sabem, antes dessa meia hora excelente, existe uma hora muito fraca…
 
Algo que constato muitas vezes é uma certa “carência de alma” nos filmes, o que é, para mim, um aspecto essencial que o realizador tem imperativamente de ter em conta e, infelizmente, Tom Kalin não teve esse cuidado em Savage Grace.
Com pouco ritmo arrasta-se chegando mesmo a ser aborrecido por longos minutos. Uma história tão poderosa pedia mais. Muito mais, aliás!
 
Grande parte da crítica aplaude a interpretação do actor que acompanha uma absolutamente estrondosa e esmagadora Julianne Moore, o jovem Eddie Redmayne… Honestamente, e claro, nunca podendo dizer que ele fez um mau papel (que de facto não fez!), não considero que o tenha feito com excelência, tendo inclusivamente, alguns momentos relativamente fracos.
 
É uma pena… o material era poderosíssimo, e é lamentável que só parte dele tenha sido bem aproveitado. No entanto, é uma fita que recomendo vivamente não só àqueles interessados pelas questões escondidas da personalidade e psicologia humanas, mas a todos aqueles que se atrevam a uma viagem desafiadora, por vezes perversa, que tanto nos repugna como nos atrai.
 
Uma história de uma família que, na verdade, nunca o chegou a ser.
Uma verdade que é mais chocante que a ficção.
 
6.5/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Fernando Ribeiro a 14.10.2008 às 18:59

Antes de mais, excelente crítica. Concordo plenamente contigo quando falas especificamente na última meia hora do filme. "Savage Grace" tem um início muito morto, já que demora muito para a acção arrancar verdadeiramente. Fora isso, creio que é um bom drama mas que irá passar despercebido nas nossas salas de cinema. O que é pena!

Beijinho!
Imagem de perfil

De The Joker a 15.10.2008 às 14:04

Tenho de ver o filme e aí já tirarei as minhas próprias conclusões! Boa crítica!

Bj
Sem imagem de perfil

De geraldo l. melo a 14.12.2008 às 15:38

Acabei de ver o excelente filme em DVD e não tem nada disso de lentidão ou loucura do filho. É um ensaio sobre a falta do que fazer das altas classes e do peso de uma herança, no caso, até intelectual( vejam como o Brooks rejeita o pai vagabundo e admira o avô) . O incesto é apenas conseqüência. E os assassinato e suicídio também. Uma parábola sobre a ausência de limites, o encontro fatal de Eros e Tanatos. Qual é, afinal, o final (ou o fundo, objetivo, consumação) do amor físico, ou seja, da forma, senão o próprio caos( dissolução) ? Quanto à coleira do cão era a única forma de ele se manter conectado a algo fixo na permanente mudança de endereço e de personalidade que lhe acometia. Nada a ver com loucura. Com paixão, talvez.

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2008

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D