Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - The Perks of Being a Wallflower (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 22.11.12

 

"Right now we are alive and in this moment I swear we are infinite"

 

Adolescência. Inescapável no seu alcance, omnipresente no ciclo da vida. Todos já por lá passámos, estamos a passar, ou passaremos.

 

Tempo da acne. Das guerras com os pais. Das crises de identidade. Das hormonas saltitonas. Da irritabilidade constante. Do inesperado desaparecimento da coordenação corporal. Da revolta. Da irreverência. Do crescimento a pique. Do desenvolvimento sexual.

 

É sobre isso e muito mais que nos fala uma das estreias da semana, ‘The Perks of Being a Wallflower’, adaptação baseada no romance epistolar homónimo de Stepehn Chbosky publicado em 1999.

 

 

O ano é o de 1991, era onde a mixtape substitui o sms na forma mais (im)pessoal de dizer “gosto de ti”, e a história é a de Charlie, um rapaz tímido e solitário que deseja ardentemente que o seu primeiro dia na escola secundária dê uma volta na sua vida pouco feliz. A taxa de sucesso é nula.

 

Tudo muda, no entanto, com o aparecimento súbito das personalidades coloridas de Sam e Patrick, dois alunos mais velhos e boémios à procura da liberdade no conformismo da adolescência dispostos a deixar Charlie entrar no seu mundo, embarcando juntos num voo alternadamente elevado e rasante da história da adolescência que encapsula graciosamente as complexidades do crescimento de forma graciosa, divertida e compassiva.

 

 

 

Em 1996, Chuck Palahniuk descreveu a insónia no seu romance de ficção transgressiva, “Fight Club”, que “tudo é uma cópia, de uma cópia, de uma cópia”. A mesma linha de lógica poderia ser aplicada a determinados arcos de narrativa, que tão habituados estamos a ver mastigados no Cinema moderno que lhes cheiramos a presença à distância. Eventualmente, e embebidos numa espécie de “zombismo cultural”, chega algo que nos acerta em cheio no estômago e deixa marca.

 

'The Perks of Being a Wallflower' deixa marca, e deixa-a porque retrata um ciclo tão delicado da vida de uma forma que talvez não fosse vista desde os clássicos adolescentes de John Hughes, onde a cabeça de cartaz é, inequivocamente, 'Breakfast Club'(1985). Marca porque é universal no seu apelo.

 

 

 

Idealmente, e narrativamente falando, o passado de Charlie necessitaria de mais detalhe e reflexão, e o filme acaba por ser vítima de repetição que o tema sofreu ao longo dos anos. Mas colocar “originalidade” na mesma frase que “ritos de passagem” é um caso específico do paradoxo. Se algo não é comum ou generalizado, não pode ser um rito.

 

'The Perks of Being a Wallflower' é mais um conto de moralidade embutido numa história sobre a angústia de estar preso num corpo (e alma) que já não é de uma criança, mas também não o é de um adulto, e também da saga de um grupo de desajustados que encontram na união a sua máxima força.

 

O filme de Chbosky (que além de autor do romance, também escreveu o argumento e realizou o filme) revisita, portanto, o género da adolescência escolar sem prescindir de alguns clichés comuns, como a luta no refeitório, o primeiro beijo, ou o professor que faz a diferença. Mas também se diferencia dos demais concorrentes pela sua abordagem intensa e pura, pela sinceridade e talento runido que, juntos, um pouco como o tal grupo de inadaptados, ultrapassa os seus antecedentes óbvios.

 

 

 

O resultado é uma experiência estimulante ainda que frágil, divertida ainda que melancólica, e profundamente real ainda que ficcional.

 

A realização é levada a cabo com a convicção e preocupação de alguém que conhece profundamente esta história melhor que ninguém. E a banda sonora, tamgém digna de nota, é um mergulho nostálgico com escolhas cool que vão desde The Smiths e David Bowie a Dexys Midnight Runners.

 

Logan Lerman, mais conhecido pela sua participação em “Percy Jackson”, conta aqui com o seu trabalho mais sólido e agraciável até ao momento dando ao protagonista uma característica de observador nato muito naturalista, que esconde uma alma triste e torturada, em busca da liberdade.

 

Se existe algum equivalente à apropriação indébita no universo cinematográfico, então Ezra Miller é considerado culpado. O jovem ator que pasmou meio mundo com o diabólico Kevin em “We Need to Talk About Kevin” atua num polo energético oposto aparecendo completamente metamorfizado numa performance inteligente e absolutamente magnética como o colorido Patrick.

 

  

Por último, mas não menos importante, Emma Watson não deixa de aparentar ser ligeiramente refinada demais para o papel de bad girl, mas deixa aqui a prova resoluta de que é capaz de deixar de lado a capa e a varinha mágica e embarcar na aventura de outras paragens Muggles.

 

O restante elenco secundário – onde se incluem Paul Rudd, Kate Walsh, Dylan McDermott e Joan Cusack – é igualmente digno de nota e apreço.

 

Talvez os problemas destes mini-hipsters não reflitam a vossa experiência na adolescência com qualquer rigor ou semelhança assinalável, mas há uma espécie de genialidade sensitiva na forma como 'The Perks of Being a Wallflower' toma a realidade aumentada do cosmos adolescente, onde todos os microscópicos movimentos têm um significado e uma consequência, e onde um momento íntimo único é capaz de desvendar os mais majestosos segredos escondidos do universo. Como a própria adolescência, é também negro e complexo na exploração da sua profundidade emocional e social.

 

 

Mas de alguma forma, a crença que fica é que 'The Perks of Being a Wallflower' não podia nem deveria ser perfeito, porque tal como a fragilidade humana que carrega nos seus 100 minutos, deve ser gretado, ferido, incompleto mesmo, pelo seu posicionamento no macrocosmos da vida. Deve magoar e marcar.

 

Adolescência. Inescapável no seu alcance, omnipresente no ciclo da vida. Todos já por lá passámos, estamos a passar, ou passaremos.

 

Tempo da descoberta. Da originalidade das mixtapes. Da imortalidade do ser. Da amizade. Do Amor. Do inifinito da vida.

 

9.0/10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De suzi a 31.01.2013 às 13:56

Gostei muito do filme e eu que detesto estes filmes sobre adolescentes... Ezra Miller é um ator que sobressai, pelo menos nos 3 filmes que vi, 'We need to talk about Kevin' e 'Another Happy day' e este. Este rapaz é brilhante!
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 31.01.2013 às 13:58

Concordo completamente suzi; também já vi esses e mais outro que agora nao me recordo do nome, e o rapaz de facto é um pequeno prodígio! só espero que continue a aparecer!

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D