Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Looper (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 13.10.12

 

"I work as a specialized assassin, in an outfit called the Loopers. When my organization from the future wants someone to die, they zap them back to me and I eliminate the target from the future. The only rule is: never let your target escape... even if your target is you."



O enredo é complexo, e por prevenção de equívocos faltosos, cingir-nos-emos à sinopse original.

 

Ambientado a um futuro (relativamente) próximo, o thriller de ação Looper transporta-nos para um lugar onde a viagem no tempo será inventada, mas proibida e apenas disponível nos mercados negros. Quando a máfia deseja livrar-se de alguém, enviarão o alvo para o passado onde um “looper” – um assassino contratado, como Joe (Joseph Gordon-Levitt) – o esperará com o dedo no gatilho, pronto a disparar.

 

Joe está de bem na vida. Bem-sucedido no trabalho, com dinheiro, boas perspetivas de futuro… até o dia em que a máfia deseja “fechar o ciclo”, enviando a versão futura de Joe (Bruce Willis) para que este seja morto, o que vai desencadear uma caça ao homem desenfreada que mudará o Amanhã.

 

 

Rian Johnson andava a deixar-nos da dúvida. Depois de uma estreia imensamente promissora na cadeira de realização com a singularidade de ‘Brick’ (2005), fez-nos questionar se estaríamos perante um caso de “sorte de principiante” depois de um largamente desapontante ‘The Brothers Bloom’, apenas três anos depois.

 

Podemos limpar a gotícula de suor da testa: Johnson é dos bons.

 

A narrativa é intricada e a mais criativa provavelmente desde ‘Inception’ em 2010, e é gerida com segurança pelo realizador que infunde subtilezas e pedaços de alma, sendo bem auxiliando por um trabalho de câmara gracioso e fluído. A Johnson (e, claro, à equipa por detrás do design de produção) se devem também as devidas congratulações pelos pequenos toques Western de extremo gosto dos quais soube tirar partido – silêncios, quietudes, sequências de espaço aberto, entre outros, apenas aproveitados para o melhor fim.

 

 

Looper consegue um equilíbrio raro entre uma viagem excitante e a inteligência que demonstra e que espera em igual medida do espectador. A pequena gema com toques q.b. de neo-noir faísca de dilemas existenciais e fatalismo carrega a premissa das “viagens no tempo”, sempre potencialmente venenosa, e Johnson permite-se a umas quantas batotices, mas nada temam: com um sentido de humor negro e ação entusiasmante, Looper raramente sai do bom trilho.

 

A certa altura, o Joe de Bruce Willis atira com uma expressão impassível qualquer coisa como “se começarmos [a explicar a viagem no tempo] vamos estar aqui o dia todo, a fazer diagramas com palhinhas".

 

De facto, Johnson toma uma série de decisões inteligentes, entre as quais o facto de manter a questão da viagem no tempo com rédea curta, não requerendo justificações demasiado explicativas sobre a mesma, que só levariam ao levantamento de mais dúvidas sobre a física e filosofia do dispositivo. Tudo se mantém simples, mas nunca palerma.

 

 

É, no fundo, uma reflexão sobre como uma decisão tomada por uma pessoa num espaço e tempo precisos, afeta profundamente o futuro, abrindo um leque de possibilidades imensas de acontecimentos.

 

Se a função da maquilhagem era fazer Joseph Gordon-Levitt parecido a Bruce Willis, falhou. Se, por outro lado, esta pretendia apenas endurecer o aspeto do jovem rapaz que um dia, de cabelos longos, protagonizou ‘3rd Rock from the Sun’ (1996-2001), então tudo certo.

 

Mas se a maquilhagem se pode estranhar, e não necessariamente entranhar, mais difícil será dizê-lo da sólida dupla protagonista. Joseph Gordon-Levitt está especialmente notável, uma vez que se nota perfeitamente nos jeitos e trajeitos que foi ele quem teve de trabalhar para “ser” Bruce Willis, e não o contrário – como aliás já se esperava.

 

 

Claro que tudo isto se torna melhor quando o elenco secundário é tão ou mais interessante do que o principal: Jeff Daniels é memorável como o líder da máfia, Paul Dano é afetante como um looper tramado e Emily Blunt que se mantém como a peça emocional mais importante de todo o enredo.

 

Não é difícil reclamar sobre incoerências no argumento, passagens inconsequentes, ou “desenvolvimentos que poderiam ter sido” – talvez o mais gritante neste último grupo, seja o caso do intrigante do sub-plot de Kid Blue.

 

 

Mas um dos segredos para disfrutar em pleno da poção mágica de um enredo intelectualmente instigante e entretenimento de qualidade que Looper tem para oferecer é não procurar a ciência exata na ficção, e vice-versa.

 

Não é o tipo de filme que pressagia uma mudança na indústria, mas é claramente o tipo de filme que não vemos surgir no Cinema com frequência suficiente.



8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2012

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D