Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Intouchables (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 22.07.12

 

"Pas de bras, pas de chocolat."

 

Se as relações românticas estão para o cinema como as desgraças quotidianas estão para o noticiário das oito, por alguma razão que desconheço, e apesar de representar um dos pilares fundadores na vida de qualquer indivíduo são, a amizade encontra inúmeros obstáculos no que ao seu retrato cinematográfico diz respeito, particularmente se se tratar de uma amizade entre dois homens.

 

No cinema, para o macho ser amigo não chega, e das duas uma: ou nos servem buddy movies regados com ação ou com comédia, muitas vezes e infelizmente de gosto discutível.

 

Continua a ser um mistério para mim que existam tão poucos filmes que sejam honestos e diretos no tratamento de uma das variações relacionais mais importantes na vivência humana. Felizmente, os franceses mostraram que há uma solução para o problema.

 

Intouchables baseia-se na história verídica que relata a amizade entre Philippe, um homem que ficou tetraplégico na sequência de um acidente de parapente, e Driss, um jovem dos subúrbios acabado de sair da prisão que é contratado para o assistir no dia-a-dia.

 

 

Le Scaphandre et le Papillon meets Driving Miss Daisy, portanto, o que não pretende de todo ser um apontamento pejorativo.

 

A aversão americana às legendas a ponto de serem quase consideradas inimigas nacionais não impediu que um título simultaneamente muito francês na execução mas relativamente mainstream na sua estrutura fizesse história. Intouchables, a comédia dramática realizada por Olivier Nakache e Eric Toledano, tornou-se o filme não falado em inglês mais rentável da história, e apesar de ter quase 200 filmes falados na língua de Shakespeare à sua frente em ganhos globais, este é um feito que apenas com muito esforço poderá ser ultrapassado.

 

Em termos de enredo, não vale a pena enganar ninguém: não acontece grande coisa se excluirmos as pequenas voltas e reviravoltas que são estrategicamente colocadas para manter a atenção do espectador quando é mais passível que esta se comece a perder.

 

 

O título original (Intouchables) apela muito menos ao sentido narrativo do título do que o português (Amigos Improváveis), que parece largamente mais adequado ao enquadramento. Contudo não é preciso ir muito longe para compreender porque é que cada um dos nossos protagonistas é, de facto, intocável: Philippe pela sua paralisia, e Driss pela classe social.

 

Ainda antes do início do filme somos informados de que Intouchables é “baseado numa história verídica”, contudo, os seus pontos mais fortes pouco têm que ver com o grau de veracidade factual da mesma, e nesse sentido, fica o conselho: não percam o sono por causa das divergências. Driss poderia ser de qualquer raça, etnia ou nacionalidade. Não faria qualquer diferença, uma vez que o núcleo duro de Intouchables é a forma como ele e Philippe se unem enquanto seres humanos, sem olhar a outras superficialidades.

 

Sem se tornar um clássico contemporâneo – pelo menos para já – é um olhar simples e enternecedor sobre a génese e o desenvolvimento de uma amizade verdadeira e que nos deixa a questionar no vazio a razão pela qual não existem mais filmes como este.

 

 

Os realizadores/argumentistas Olivier Nakache têm especial atenção à caracterização das personagens, pondo de parte os clichés (ainda que o tratamento do choque cultural entre ricos e pobres seja um pouco rude) para encontrar o núcleo de dois homens que estabelecem uma relação emocional aparentemente impossível.

 

Omar Sy interpreta Driss, e pela performance chegou a levar a melhor sobre Jean Dujardin nos Césares – para os mais distraídos, são os Óscares franceses – e tornou-se o primeiro negro a levar o referido galardão para casa. Mais que justificado: poderosíssimo nos momentos dramáticos, Sy brilha inequivocamente quando lhe é permitido dar azo à sua veia humorística descontraída e com o carisma maior que a vida, retratar na perfeição a exultação máxima do espírito humano: a mais pura manifestação de joie de vivre.

 

François Cluzet é instigante na performance cheia de nuances de um homem apesar de só conseguir expressar qualquer tipo de sensação do pescoço para cima é inteligente, compassivo e sobretudo humano.

 

 

A camaradagem é excecional o que é, no fundo, essencial num filme cuja relação retratada é não só essencial para construir o significado do todo, mas também a razão única para a sua existência, sendo assim a única coisa que precisa de estar bem oleada e funcionar bem para que o resto resulte.

 

O elenco secundário, encabeçado exemplarmente por Anne Le Ny, rodeia a dupla principal agilmente.

 

A análise das diferenças entre classes é condescendente e grosseira (não estou certa que precisássemos, por exemplo, de ouvir Ave Maria de Franz Schubert enquanto Driss se encanta com uma casa-de-banho gigante que se opõe ao cubículo apertado que partilha em casa com meia dúzia de irmãos), mas ainda apesar do sentimentalismo e da inegável natureza formulaica (mais difundida pelos ideais cinematográficos norte-americanos) há algo em Intouchables que se convulsa para transcender o cliché – o seu retrato da intimidade entre dois homens cujos orgulho e alegria de viver foram roubados por dois enquadramentos muito distintos.

 

 

Com destino carimbado para as audiências mais maduras (apesar da minha crença de poder ser apreciado pelos mais jovens), esta é uma história sólida, regada com performances extraordinárias e sem um único condimento apelando aos efeitos visuais ou 3D. É aquele tipo de filme que inspira a proliferação do word-of-mouth através da linguagem universal do choque cultural.

 

A box office é dominada por dois tipos de filmes muito claros: os blockbusters tão caros que fazem corar quem se aventura a adivinhar o seu orçamento, e os mais raros filmes surpresa, que surgem de nenhures para abanar a competição. Intouchables é um desses filmes despretensiosos, mas que mesmo assim alcançam um sucesso que nada menos é do que espantoso e, em certa medida especial: porque este tipo de magnetismo está normalmente confinado a contos fantasiosos, invasões aliens e super-heróis.

 

Saber que uma das mais honestas manifestações da capacidade de amar pode lutar pela nossa atenção ao lado de colossos como estes é uma reafirmação análoga da crença de que, afinal, até somos uns tipos com bom coração.

 

 

8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D