Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Moonrise Kingdom (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 07.07.12

 

"I love you but you have no idea what you are talking about."

 

O panteão dos grandes pares românticos encabeçado pelos eternos Romeu & Julieta prepara-se para acolher os seus mais recentes integrantes: em todo o seu esplendor, apresentamos Sam & Suzy, os fugitivos apaixonados de uma das histórias de amor mais puras do cinema contemporâneo: Moonrise Kingdom.

 

Suzy e Sam são duas crianças de doze anos prestes a descobrir a ponta do icebergue da aventura amorosa. Cada um tem a sua estranheza inocente, sendo ambos indivíduos que não se enquadram na totalidade da pintura que integram. Um dia, durante uma produção teatral da escola da “Cheia de Noé”, a faísca do amor é lançada, até ao dia em que inúmeras palavras trocadas no papel de uma carta culminam na fuga conjunta.

 

Sam foge dos Escuteiros Khaki, onde é um excomungado apesar das habilidades exemplares; Suzi foge do casamento em rutura dos pais. A estrutura é a de um conto de fadas: Sam é um Peter Pan cujas aptidões visam única e exclusivamente a proteção da sua Bela Adormecida resgatada do castelo do mal, e tudo isto se desenrola enquanto a comunidade adulta da pequena ilha se convulsa na sua procura.

 

 

Moonrise Kingdom, que podia muito bem ter-se chamado “Guia do Amor para Crianças”, é largamente contado sob o ponto de vista das crianças e a partir da forma como elas veem o mundo.

 

Estilizado até ao tutano, projetado até ao mais ínfimo detalhe e impassível por todo o caminho percorrido, Moonrise Kingdom é inequivocamente um filme de autor, e esse autor só poderia ser, neste mundo ou noutro, Wes Anderson.

 

Como o icónico crítico Roger Ebert questionou, “haverá sítio mais entusiasmante para uma ideia nascer e florescer do que na mente de alguém como Wes Anderson?”. Dificilmente.

 

 

Anderson é alguém que vê o mundo alegremente desbotado, um mundo onde os livros de capa rija ainda não deram lugar aos Kindles e Ebooks desta vida, e onde as crianças, desgarradas desses inventos tecnológicos tantas vezes macabros, têm a possibilidade de ser verdadeiramente inocentes.

 

Esta ode destrambelhada à intensidade do primeiro amor é um projeto de descoberta constante e fascinante para o espectador – o detalhes são de requinte tal que não podem ser de forma alguma ignorados.

 

O argumento foi escrito pelo próprio Anderson em parceria com Roman Coppola, e que argumento! Versando sobre a forma como o Amor nos verga e o quão complicado pode ser, coexiste num universo de personagens excêntricas e cenários capazes de aquecer os corações de uma sala inteira.

 

 

O objeto pode ser aparentemente pequeno, mas Anderson amplifica o core emocional para que a audiência se afete cada vez mais pelo destino deste casal predestinado. A “imaturidade” de Anderson representa aqui um papel crucial, e nunca num mau sentido. Ao mesmo tempo que o realizador reconhece que estes personagens foram profundamente feridos pela vida, mantém a crença de que o Amor pode ser o seu salvamento último.

 

O otimismo de Moonrise é do mais cristalino que pode existir, porque é aquele que sobrevive mesmo quando nem tudo corre bem, e que aprende a coexistir com a tristeza e a dificuldade. A melancolia que acompanha Moonrise Kingdom está muito ligada à inveja sentida pelos adultos desesperados pelo regresso dos heróis. O que fica é a saudade inabalável do descuido, da inocência, do amor e da liberdade da juventude.

 

A banda Sonora, que alterna entre maravilhosas composições de Alexandre Desplat, pedaços escolhidos a dedo de “The Young Person's Guide to the Orchestra" de Benjamin Britten e outras peças musicais, que se unem à narrativa de forma homogénea, quase como a sua segunda voz.

 

 

A fotografia a 16mm de Robert Yeoman – que tantas vezes faz lembrar um diorama ou um postal gasto pelo tempo - é material retirado de um sonho: as florestas, os panoramas oceânicos e as paisagens míticas da ilha de New England são reconfortantes e infinitamente convidativas, na sua coloração dourada simplesmente deliciosa.

 

Do fundo dos óculos fundo-de-garrafa, Jared Gilman é glorioso como Sam, enquanto Kara Hayward é absolutamente desoladora. Juntos, estes garotos de doze anos interpretam garotos de doze anos, e por mais simplista que esta assunção possa parecer, penso que o momento em que se permitirem deitar os olhos sobre este título irão compreender do que vos falo. Além de que é incrivelmente saboroso observar dois jovens que não foram esculpidos até à exaustão para parecerem integrantes do Clube Disney.

 

O resto do elenco é um caso extreme de foras-de-série: Bruce Willis relembra-nos que também sabe representar, Edward Norton é surpreendente como o líder dos Escuteiros, Bill Murray (um habitué de Anderson – fez seis dos sete filmes do realizador) oferece-nos um Walt cheio de nuances de tirar a respiração incorporando uma espécie de Homer Simpson a antidepressivos, Frances McDormand é exímia na linguagem corporal que transmite, e para não nos alongarmos até todos os participantes, Tilda Swinton, como a personagem que mais perto nos surge de uma vilã nesta trama, com uma representante dos serviços sociais maléfica que, ironia das ironias, se chama Serviço Social.

 

 

O Cinema de Anderson sempre foi caprichoso e extravagante, mas Moonrise Kingdom tem a si associada uma natureza deliberadamente travessa, uma teatralidade aparentemente pouco natural que pode, a modos de má vontade, ser considerada asfixiante. Intendendo implicar, qualquer um pode dizer que esta ilha de desajustados é um manifesto alheamento do mundo real, mas para todos aqueles de nós, verdadeiros aventureiros do dia-a-dia, que guardamos religiosamente o mapa secreto da procura da felicidade numa caixa de sapatos debaixo da cama, esta “fonte da juventude” representa uma alegria que não poderá nunca ser eclipsada.

 

À falta de melhor analogia, é como uma road-trip às lembranças do passado, que nos permite abrir a janela do carro, por a cabeça de fora, e respirar fundo o ar puro da montanha até os pulmões encherem. E quando, ao expirar, os olhos se reabrem ao mundo, tudo o que existe é um sentimento de inexplicável e imensurável libertação.

 

9/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D