Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Cosmopolis (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 30.05.12

 

"Everything in our lives, has brought us to this moment."

 

 

Não há muitas pessoas que tenham sido capazes de se afirmar como adjetivos; a descrição única para uma combinação singular de fatores.

 

O cibernético. O sexual. O estranho. O obsessivo. O febril. O eletrizante.

 

Cornenberg.

 

Aquando do lançamento de A Dangerous Method, o mundo questionou-se se o mestre do terror e do excêntrico se estaria a converter numa versão soft de si mesmo. A resposta chega como que em jeito provocador: “Vocês estavam mesmo a pedi-las”.

 


 

Cosmopolis, o mais recente filme do realizador canadiano, acompanha a história de Eric Packer, um jovem génio multimilionário que atravessa obstinadamente a cidade de Nova Iorque para cortar o cabelo.

 

Por esta altura, já todos os leitores se devem ter dado conta de que esta é muito mais do que uma jornada com fins estéticos, até porque, e perdoem o spoiler, o barbeiro deixa muito a desejar nos seus dotes com a tesoura.

 

Cosmopolis é um inebriante retrato da alienação num mundo onde, vertiginosamente, tudo – dinheiro, relações, vida e morte - perde sentido. É horror americano do século XXI, que encontra no cibercapitalismo o seu bicho-papão e numa odisseia definida por encontros pontuais a sua forma. Além do enterro do capitalismo, Cosmopolis adereça outra preocupação recorrente no cinema de Cronenberg – a das limitações do corpo e da psique humana.

 

 

Todo o filme se sente carregado de uma tensão que antevê o fim dos dias, algo que Cronenberg sempre provou dominar como se de um animal domesticado se tratasse. A parábola pós-capitalista representa de alguma forma um regresso ao passado para o realizador, numa espécie de inversão luxuosa de eXistenZ (1999).

 

A natureza experimental limita a maximização da potência das mensagens que se quer fazer passar. O diálogo é uma renúncia assumida ao realismo: ornamentado e poético, coloca inúmeras questões que são apenas respondidas com indiferença ou outras questões. E valorizar em todos os momentos o simbolismo em nome do enredo tem o seu preço. Cosmopolis é, por isso, um filme intelectualmente desgastante.

 

  

A essência fria, quase robótica, e a recitação monocórdica de Robert Pattinson estão de acordo com a abordagem de Cronenberg, mas o jovem ator britânico não deixou de ceder a alguns dos seus mais impetuosos tiques, enquadrando-se no personagem com mais ou menos destreza, de acordo com quem partilha o ecrã. Os seus 22 minutos ao lado de Paul Giamatti (que é responsável pelos traços mais humanos reconhecíveis na obra) são manifestamente os mais bem conseguidos. É impossível não imaginar o seu Packer como um dos célebres pacientes dos protagonistas do penúltimo filme de Cronenberg, A Dangerous Method.

 

Já a brilhante aparição de Mathieu Amalric, quase em jeito de cameo, deixa-nos a desejar que o terrorista das tartes de nata faça mais visitas ao cinema contemporâneo.

 

 

Pondo a questão em pratos limpos: havia duas formas de fazer Cosmopolis: torná-lo numa espécie de thriller mais convencional e mainstream, ou fazer dele uma espécie de colagem estilística da obra que o suporta, sacrificando sobretudo convenções de argumento. A escolha de Cronenberg é clara.

 

Este é talvez o filme mais ambicioso de Cronenberg, e aquele que parte de uma base de trabalho mais estimulante. O resultado é inequivocamente denso, opaco e altamente polarizador; se isto se traduz num sucesso total refletido numa obra relevante para o seu tempo, só poderemos saber depois de repetidas visualizações, mas sobretudo, se permitirmos que o tempo o envelheça.

 

Mas mesmo que seja impossível decifrar na íntegra as mensagens e que seja, na sua base, um exercício impenetrável, Cosmopolis não deixa de se impor como um reflexo de uma equação civilizacional pronta a explodir, e uma sumptuosa discussão de ideias que são importantes de mais para o nosso século para serem varridas para debaixo do tapete.

 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De suzi a 01.06.2012 às 16:52

O meu tempo disponível é muito pouco, já tenho uma enorme lista de filmes em espera... este é mais um! Assim não dá!!!! :-)))
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 01.06.2012 às 22:44

ahaha desculpa suzi :P não te queria complicar a vida.

mas de facto o cosmopolis trata de coisas demasiado importantes para não ser visto; é verdade que não vai agradar a toda a gente, mas acho que pelo menos a experiência de o ver deveríamos ter todos :) quando vires, não hesites em dizer o que achaste :D

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Maio 2012

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D