Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - The Hunger Games (2012)

por Catarina d´Oliveira, em 16.04.12

 

"Hope: it is the only thing stronger than fear."

 

Num futuro não muito distante, os E.U.A. sucumbiram a secas, guerras, fogos e fome, e deram lugar a Panem, uma nação dividida em 12 Distritos governados pelo Capitólio, uma espécie de Cidade de Oz “on crack”, populada por Marie Antoinette’s wannabes que assaltaram uma coleção de Alexander McQueen. Para entretenimento da “nobreza” e lembrança da situação de submissão dos fracos, todos os anos se realiza uma competição onde dois representantes de cada distrito se enfrentam até à morte numa arena vigiada por uma produção “à Big Brother”. Estes são os Jogos da Fome.

 

Buscando muita inspiração no romance japonês "Battle Royale", The Hunger Games é uma alegoria ao totalitarismo e à cultura da reality tv que se diferencia dos seus “concorrentes” diretos (sagas de Harry Potter e Twilight) por se manter no domínio do real – aqui não há super-poderes ou magia, apenas super-tecnologia. Mas esta é também uma história de esperança, de sobrevivência, e de um amor duplamente condenado – afinal, é dirigido à grande massa teen habituada a blockbusters com amores difíceis.

 

Mas a verdade é que, mesmo dentro do universo jovem a quem manifestamente se dirige, The Hunger Games é uma saga muito mais complexa do que à primeira vista nos pode parecer. De facto, os temas abordados são de uma emergência extrema, pelo que dedicar-lhes algumas linhas desta análise não só me pareceu correto como imperativo. 

 

 

Claros como a água são os temas diretos da Pobreza e da Fome que abalam os 12 Distritos governados pelo Capitólio. Estes dois problemas graves que afetam praticamente toda a população do Panem (sim, há distritos mais privilegiados que outros, logo também temos uma estrutura de classes bem visível) nascem da opressão exercida por um Governo que deve muito às políticas ditatoriais que, infelizmente, a história do mundo tão bem conhece. Um dos instrumentos que se vê aqui replicado é a propaganda que tem no vídeo mostrado antes da Ceifa o seu expoente máximo de demonstração, querendo sempre passar a ideia de um Capitólio bem-feitor, que apenas deseja o bem do povo que governa, mas que também funciona como uma forte alfinetada de lembrança do poder totalitário do Governo, e de que todo e qualquer desafio à autoridade será punido.

 

A Guerra é outro dos temas abordados, e intimamente ligado aos referidos no último parágrafo. O sentimento que fica é que paira sempre no ar: seja porque foi a partir dela que os Estados Unidos se reorganizaram nos 12/13 Distritos do Panem, seja porque parece que existe no ar uma tensão eminente, que fará uma nova revolução por parte dos reprimidos rebentar a qualquer momento.

 

A exploração da “cultura Big Brother” é outro dos temas mais interessantes da saga. Porque cruzar os pensamentos de que civilizações antigas já se divertiram às custas de combates até à morte e a cultura degradante de reality tv que é cada vez mais o pão nosso de cada dia, não nos deixa muito longe daquele que é o centro de The Hunger Games. Devemos começar a preocupar-nos?

 

 

Sustentando todo o enredo temos depois as questões da moralidade – seja relacionada com a decrepitude de toda a envolvência dos jogos, da amoralidade do Capitólio, ou até das decisões complexas de cada tributo durante os Jogos – e da esperança – que reside, com pouca luz é certo, no coração de todos os reprimidos e que ganha nova forma sob a forma de Katniss Everdeen durante dos Jogos.

 

Depois há, claro, o triângulo amoroso, que é ainda a única razão remotamente concebível para sequer pensar em colocar Twilight e Hunger Games na mesma frase, e que é também um dos maiores chamarizes para a massa adolescente. Ainda assim, e esta foi para mim uma boa surpresa, o romance acaba por ter um relevo muito mais secundário no filme do que no livro, o que acaba por se adequar mais à sua situação “fabricada”. De qualquer forma, e da maneira que a cultura televisiva evoluiu, não era de estranhar que o trio acabasse num episódio da Oprah ou do Dr. Phil a tentar resolver as suas diferenças.

 

O filme divide-se claramente em dois atos: antes e durante os Jogos, e por incrível que pareça, é a primeira parte que surge como a mais cativante e que nos introduz de forma geralmente exemplar ao universo distópico de Suzanne Collins.

 

 

Já a segunda metade, que, sublinho, não está mal executada, surge como uma secção extremamente segura, e que impede o filme de voar e sobreviver à passagem do tempo, como apenas poucos conseguiram. The Hunger Games não tentou aproximar-se de um público mais adulto apesar de se ter tentado distanciar do registo mais teen do livro. As opiniões dividir-se-ão, decerto, mas creio que todos nós e o Cinema teríamos saído destes Jogos mais ricos se Gary Ross, o realizador, tivesse escolhido arriscar mais. A classificação necessária do PG-13 ditou a moderação.

 

Mas o que este rating fez de mais grave foi eliminar a gravidade inerente ao enredo – o que temos é um filme tímido que surge de um conceito ousado e que transpira terror humano. O grande problema é que, no final de contas, todos saímos da sala aliviados pela vitória do “bem” e satisfeitos com um bom filme, mas completamente impassíveis face a uma chacina de adolescentes, o que não deixa de ser um bocadinho preocupante.

 

 

Devemos, ainda assim, dar crédito a Gary Ross por ter pelo menos lançado um bom vislumbre aos vários temas que Collins aborda nos seus livros. The Hunger Games é uma transferência sólida e honrosa do universo literário, e temos de lhe dar o inescapável crédito de ter encontrado a protagonista perfeita – Jennifer Lawrence que nos oferece um upgrade da sua inesquecível Ree em Winter’s Bone e uma heroína feminina por quem dá realmente gosto torcer.

 

Já agora, o resto do elenco é, de uma forma geral, exemplar, desde o sempre prazeroso Stanley Tucci a um Woody Harrelson que faz o equilíbrio perfeito entre mentor paternal e alcoólico desgarrado.

 

Do meu ponto de vista, Peeta nunca foi um personagem interessante – eu gosto do rapaz, mas personagens que nos movem mais por pena do que por outra coisanão me apelam muito, e o filme ainda veio exacerbar mais essa questão. Além de que o moço parece que precisa de uma injeção de adrenalina para acordar…

 

 

Ao contrário de outras célebres adaptações cinematoráficas, a verdade é que, do alto das suas duas horas e vinte, The Hunger Games acabou por não ver muito do seu conteúdo de fora do ecrã, apesar de ter chegado para algumas escolhas bastante questionáveis – como a alteração à cena das bestas que perseguem Katniss e Peeta, que traria uma outra dimensão do total aproveitamento e abuso do Governo do seu povo, mesmo depois da morte; assim tivemos apenas um vislumbre do que seria afogar meia dúzia de pit bulls numa piscina de esteroides.

 

Ross pareceu-me, em muitas instâncias, algo descuidado. A urgência do livro está algo ausente do filme e aqui nem é tanto uma questão de comparação, mas uma questão lógica: estes miúdos não só têm de lutar até à morte como têm de sobreviver às condições da Natureza artificial da arena… e a verdade é que, além das lutas e das duas intervenções directas dos produtores dos Jogos, nunca ninguém parece muito subnutrido, ou desidratado, ou cansado sequer.

 

O trabalho de camara e de efeitos visuais também não me impressionou, especialmente tendo em conta o orçamento chorudo da produção. No primeiro caso, Ross pareceu-me bastante incerto no estilo, especialmente nos minutos iniciais que nos oferecem planos tremidos completamente infundados, e falhou redondamente em deixar a sua impressão digital no título (se é que tentou). A montagem também não ajudou à festa, parecendo-me excessiva. No segundo caso, os efeitos foram, em momentos cruciais, bastante desapontantes: o melhor exemplo que me surge na memória é o desfile de tributos no Capitólio, onde Katniss recebe pela primeira vez o cognome de “rapariga em chamas” mas que se traduz numa versão cinematográfica do acontecimento algo risível e pouco impactante.

 

 

Apesar de todos os meus desabafos, não se deixem enganar: às vezes somos picuinhas com filmes não porque não gostámos deles, mas exatamente porque gostámos... talvez apenas não o suficiente porque nos vimos a braços com potencial desperdiçado. Este é um dos casos. The Hunger Games, tem qualidades imensas e funciona otimamente como filme – sem substituir nunca o livro, existe de forma bastante harmoniosa e explicativa para quem não tiver curiosidade de o ler.

 

Mas o momento em que o dinheiro trinfou sobre as possibilidades imensas do enredo foi, para mim, uma grande infelicidade. Porque, na minha visão, isto não são apenas Jogos, ou romance, ou entretenimento. É, ou neste caso infelizmente, poderia ser, uma experiência humana arrebatadora.

 

 

8/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

De André Clemente a 16.04.2012 às 21:17

Senti o mesmo Catarina, a crítica está óptima 8/10 é a minha escolha também ;)
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 16.04.2012 às 21:31

Obrigada andré! Resta-nos ver se o 2º episódio tem um bocadinho mais de sorte com uma realização mais inspirada
Sem imagem de perfil

De Mafalda Neto a 16.04.2012 às 23:57

Bem, eu fui ver o filme sem qualquer tipo de expectativa, de mente aberta e decidida a não cair na armadilha fácil da comparação com outras sagas, como a máquina publicitária nos quer obrigar a fazer. Mais, se o formos comparar com Twilight, como parece ser o objectivo, isso será insultuoso para The Hunger Games, e muito mais rapidamente comparo o filme com a saga Harry Potter (o que considero linsojeiro).

Ao contrário de ti, gostei do trabalho de Gary Ross que conseguiu tornar o filme muito envolvente mas sem ser aborrecido, muito pelo contrário houve partes em que a adrenalina na sala era palpável. O elenco foi também um boa surpresa, com Stanley Tucci em grande, Woody Harrelson, excelente como referes, a fazer lembrar o papel de Zombieland e Lenny Kravitz a surpreender. Há que referir também o guarda-roupa e o trabalho de maquilhagem espectaculares.

Por último, Jennifer Lawrence acaba por fazer uma escolha de carreira acertada, ao demonstrar o seu talento a uma audiência maior, mas o grande trunfo do filme para mim é sem dúvida todo o conceito daquele mundo, e todas as mensagens subliminares que dali se podem retirar, de que tão bem falas, e que me deixaram fascinada - talvez por não conhecer o livro nem o "Battle Royale" (de que já me disseram que é praticamente vítima de plágio por Suzanne Collins).

Resumindo, gostei muito e que venha o próximo. E claro excelente análise ;)
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 17.04.2012 às 00:36

Mafalda,

antes de mais, obrigada pelo comentário, e especialmente por ser um comentário que inclui também a tua visão do filme. às vezes pode não parecer, mas é muito por estas trocas de ideias que vale a pena manter um blog, e por isso agradeço-te.

quanto à tua posição, compreendo o que dizes. eu aliás, poderei ter sido um pouco injusta com o ross no texto, mas acho que o 8/10 mostrou que lhe reconheci muito mérito. a questão foi mesmo achar sobretudo que aquele pg-13 lixou um bocado tudo...e fiquei chateada, apesar de compreender as raZÕES comerciais por tras de tudo. Isso e algumas escolhas dele que achei menos certas e pronto - daí o "espancamento" que lhe dei lol. mas acho que é muito mais facil de imaginar uma versao pior de hunger games do que uma melhor, por isso o trabalho dele nao foi negativo, de todo.

como referiste e muito bem - e foi uma falha redonda no meu texto porque me esqueci completamente LOL - o guarda-roupa, maquilhagem, direcção artistica etc - top notch, mesmo!

quanto ao livro, devias dar uma olhadela - se por um lado acho que é muito mais teen na abordagem ao romance (o que nao gostei particularmente mas isso sao gostos lol), tem, como é claro algum desenvolvimento adicional a toda essa envolvencia que falaste e que disseste gostar, por isso devias mesmo espreitar. eu cá estou já a devorar o segundo - a collins nao escreve especialmente bem, mas realmente criou aqui um enredo e tanto!
Sem imagem de perfil

De Mafalda Neto a 17.04.2012 às 16:42

Claro é para isso que aqui estamos, comentários e trocas de ideias ;)

Sim, sim eu percebi que apesar das críticas, gostaste do filme e é como dizes é quando gostamos das coisas que as criticamos, porque acreditamos no seu valor. Pois, a classificação e negócio que é o cinema muitas vezes acabam por estragar algumas coisas, mas nada que já não estejamos habituados.

Bem, sendo assim vou espreitar mesmo o livros. (aqui que ninguém nos ouve adorei o twilight nos meus 15 anos, por isso não deve ser dificil gostar destes)
Sem imagem de perfil

De Pedro Nunes a 17.04.2012 às 09:21

"à chacina de outras 22 pessoas"... spoilers, não??
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 17.04.2012 às 10:26

tens toda a razão pedro. distração ;) vou alterar
Sem imagem de perfil

De Sam a 30.04.2012 às 15:18

Esta crítica mereceu destaque na rubrica «A "Polémica" do Mês» do Keyzer Soze’s Place, disponível aqui: http://sozekeyser.blogspot.pt/2012/04/polemica-do-mes-11.html

Cumps cinéfilos!
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 30.04.2012 às 15:23

ÉS o mÁior Sam :D thanks. vou tentar retribuir :D
Sem imagem de perfil

De Sam a 30.04.2012 às 15:27

Ora essa, o destaque é merecido! :)

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D