Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - The Iron Lady (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 15.02.12

 

"One must be brave if one is to take the wheel."

 

A sinopse oficial de The Iron Lady vai mais ou menos assim: um retrato intimista e surpreendente de Margaret Thatcher, a primeira e única Primeira-ministra do Reino Unido. Uma das mulheres mais famosas e influentes do séc. XX, Thatcher apareceu do nada para quebrar as barreiras de classe e género num mundo dominado pelos homens.

 

The Iron Lady é um exercício de especulação emocional sobre uma Thatcher idosa, física e mentalmente debilitada que recorda, entre o nevoeiro, alguns episódios relevantes da sua carreira. O resultado traduz-se num retrato muito mais compassivo e terno do que o título sugere.

 

Dando continuidade à tradição de biopics britânicos de figuras histórias, The Iron Lady segue, com menos complexidade e aprumo, The Queen (2006) e The King’s Speech (2010), dois filmes que, ao contrário deste que hoje vos trago, decidiram (inteligentemente) balizar as narrativas num curto espaço de tempo dando espaço às personagens, conflitos e resoluções para respirar. 

 

Phillida Lloyd e Abi Morgan, realizadora e argumentista respectivamente, foram mais ambiciosas, e talvez lhes tenha saído caro.

 

 

A acção “presente” alude ao ano de 2005, quando se deram os ataques terroristas em Londres, e o argumento de Abi Morgan (que escreveu também este ano, com uma mãozinha de Steve Mcqueen, o controverso Shame) usa esses mesmos eventos presentes para activar a memória do que aconteceu no passado.

 

Em menos de duas horas revisitamos protestos, os motins aquando da implementação do imposto comunitário, a Guerra das Falklands, a greve dos mineiros, os bombardeamentos do Provisional Irish Republican Army, o desemprego crescente, o colapso da produção industrial e o aumento do buraco que distanciava ricos de pobres. O grande problema, com excepção feita a alguns momentos perspicazes, é que o fazemos à pressa, reduzindo acontecimentos e consequências e, assim, sacrificando impacto.

 

A sensação que fica, e perdoem-me o termo, é que fomos um bocadinho aldrabados. Fomos aldrabados, sobretudo, com uma visão diminutiva de uma figura maior e com informação incompleta. O argumento de Abi Morgan pretende cobrir coisas a mais, e fá-lo de forma desorganizada e algo arbitrária, saltitando entre eventos marcantes como quem risca dias num calendário, retirando-lhes significado. O que nos apresentam é uma espécie de enlatado que revisita brevemente os eventos mais importantes na vida pessoal e política de alguém cujos feitos e relevância histórica mereciam mais do que uma compilação tipo “best of” com pouca alma.

 

 

Na verdade, e agora que penso nisso, The Iron Lady tem profundos problemas de ritmo, um sintoma grave que sozinho poderia ditar o fracasso de qualquer grande filme. Ao mesmo tempo que todos estes acontecimentos de ruptura são cobertos a velocidade relâmpago, demasiado tempo é passado no presente. E no presente, esse tempo arrasta-se lentamente. A exploração do declínio presente não é propriamente original, mas é manifestamente um bom dispositivo para justificar os regressos ao passado; contudo a relação conjugal alucinatória toma uma forma demasiado repetitiva.

 

Quando aos ideais que toldaram a Dama de Ferro, resta dizer que o filme é bastante recitativo, mas pouco ou nenhum tempo é dedicado a aprofundar estas “ideias” que sempre foram mais importantes para Thatcher do que “sentimentos”.

 

O primeiro esforço cinematográfico de Phyllida Lloyd – o alegre mas algo coxo Mamma Mia! - foi trocidado pela crítica. A sua segunda tentativa é mais polida, mas demonstra que muito há ainda para aprender.

 

O potencial de ter nas raízes uma das figuras políticas mais controversas da história moderna sente-se algo desperdiçado - The Iron Lady acaba por ser um filme tímido, com medo de tomar uma posição controversa, que é sem dúvida melhor do que não tomar posição alguma, o que infelizmente parece ser o caso.

 

   

Apesar da fotografia de Elliot Davis ser correcta e formalmente sóbria, creio que a montagem de Justine Wright viu-se aqui pouco inspirada e a denotar certa falta de fluidez. Quanto à banda sonora, Thomas Newman oferece-nos uma composição que segue com aprumo o tom ondular – ora calmo, ora bombástico - de toda a narrativa.

 

Alexandra Roach não pode ser esquecida, uma fogosa jovem Thatcher que personifica toda a ambição de uma Mulher que acredita na possibilidade do aparentemente impossível.

 

Mas a mulher de quem se fala é Meryl Streep, que nos traz mais uma interpretação para a colecção da perfeição. Discute-se que se trata de uma imitação, mas não é sempre isso que obtemos num biopic? Talvez apenas neste caso seja tão mais claro por termos tão presente na memória a figura de Thatcher, onde Streep se dissolve completamente. Se fecharmos os olhos é como se a Dama de Ferro estivesse de novo nos seus anos áureos. Numa performance galvanizante, Streep é arrogante, superior, lutadora e incansável como Thatcher. Se o quisermos por da forma mais simples e verdadeira: ela é Thatcher.

 

 

Depois de vencer o BAFTA de Melhor Actriz no passado Domingo, Streep defendeu o seu filme, quando discursou comovida sobre a ambição de Iron Lady: olhar para a vida de Margaret Thatcher de dentro para fora e oferecer algo verdadeiro. Se foi essa a real intenção de toda a equipa, foi das mais nobres. Pena que tenha sido traída pela execução menor e inconstante.

 

O caminho que esta crítica tomou não pretende desencorajar-vos a assistir a The Iron Lady. Na verdade, não é um mau filme. Mas talvez para mim, pior do que um mau filme, é um filme que causa indiferença; um filme frio e superficial que termina imediatamente a seguir a deixarmos a sala de cinema. Este é um deles.

 

E talvez este seja um daqueles filmes que aos meus olhos sofrerá eternamente da violenta colisão entre a expectativa do que poderia ser, e a constatação do que na verdade é. Talvez seja mesmo.

 

 

6.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 16.02.2012 às 14:35

Então qual é a tua preferida ao Oscar, a Viola ou a Meryl?
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 16.02.2012 às 15:03

Olá Maria,

se me perguntares quem acho agora que vai vencer, a resposta seria Viola Davis. Quanto à minha favorita pessoal... bom eu adorei a performance da Meryl. Acho que foi, em muitas instâncias, perfeita e a essência do que uma interpretação num biopic deve ser. Mas depois tenho outro "diabinho" no cerebro a desafiar-me com actrizes jovens que também mereciam uma distinção... por exemplo a Rooney Mara, que deve ser a concorrente com menos chances nesta corrida.

Mas enfim, tenho dito sempre - gostava de assistir ao dia em que a Meryl Streep levava um Oscar para casa, e acho que este ano não era de todo uma má oportunidade para isso :P

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Fevereiro 2012

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D