Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Moneyball (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 12.01.12

 

"There are rich teams and there are poor teams, then there's fifty-feet of crap, and then there's us."

 

Há filmes que parecem destinados a não ser, mas por alguma razão maior, acabam nas grandes telas de Cinema. Hoje venho falar-vos de um desses filmes.

 

Depois de a Sony o ter renegado e de Steven Soderbergh ter abandonado o leme da realização (por incompatibilidades criativas), o projecto andava à deriva e pronto a perder-se num mar de argumentos não adaptados. Mas foi Brad Pitt, o protagonista e produtor, quem não descansou e atirou uma boia de salvação ao guião, conseguindo trazer a bordo Aaron Sorkin para co-escrevê-lo e Bennett Miller (com apenas dois filmes no currículo - Capote e o documentário The Cruise) para realizá-lo. As coisas estavam de novo nos eixos e prontas a embarcar num mar de sucesso.

 

Moneyball começa com um final: os Yankees acabaram de afastar os Oakland A’s da American League Division Series. Billy Beane é o manager da equipa perdedora, e não só tem de lidar com o afastamento dos playoffs como também com a perda dos seus três melhores jogadores.

 

E é quando tudo parece perdido que surge uma luz ao fundo do túnel. Beane conhece Peter Brand, um jovem licenciado em Economia que usa a mágica dos números para mostrar ao manager como é possível construir uma equipa vencedora através de um sistema chamado sabermetrics.

 

 

Beane avisa a sua equipa de conselheiros da velha guarda: “esta é a nova direcção dos Oakland A’s. Somos contadores de cartas numa mesa de blackjack”.

 

E aí começa a construção daquilo que Beane apelida de “uma ilha de brinquedos desajustados” – uma espécie de colecção de cromos de caderneta que saem milhares de vezes na saqueta e ninguém os quer, aqueles que não dão para fazer inveja aos amigos. Baseando-se em percentagens em vez de opiniões subjectivas, Bean e Brand juntam um conjunto de jogadores renegados para formar uma equipa à altura dos monstros milionários da American League.

 

Nesta adaptação do livro “Moneyball: The Art of Winning na Unfair Game” de Michael Lewis, Moneyball é o retrato de um iconoclasta, um homem disposto a desafiar o convencional alimentando-se não apenas do desejo de ganhar, mas de mudar as regras e de redescobrir a alegria no jogo.

 

 

Apesar do terreno perigoso que o seu tema percorre (afinal números e baseball não serão o maior chamariz de audiências do mundo), é um drama real que se interliga com um jogo místico e um grande filme. É claro que estaríamos a mentir se o quiséssemos vender como um filme-não-desportivo – Beane é indissociável do desporto que ama, mas reduzir Moneyball a “um filme sobre um gajo que usou números para criar uma equipa de baseball” é quase criminoso. Estamos perante a história de um triunfo relativo de um homem sobre as suas dúvidas e sobre aqueles que dele também duvidavam. Em certa medida, é também um filme sobre a lealdade, a lealdade a uma ideia e aos valores que aprendemos a prezar na vida.

 

O mais fantástico desta abordagem é que, ainda que à primeira vista este pareça um caso de uma obsessão com números e estatísticas deixando de lado as pessoas, é completamente o oposto: estes algarismos são apenas o meio para chegar àqueles seres humanos que foram postos de parte por não serem bons o suficiente mas que, juntos e tornando-se quase perversos, desafiam todas as probabilidades e convenções até à vitória.

 

Se ainda assim não conseguirem vê-lo além do desporto, pensem no baseball como uma metáfora para a vida, e aí, Moneyball é um ensaio sobre como mudar as engrenagens, e reparar a nossa vida, reinventando-a. Pelo caminho, ainda temos direito a pequenas incursões pela história de Beane como jogador e como pai de família, o que não só permite uma compreensão alargada da sua visão e filosofia de jogo, como conferem um toque de humanidade ao filme.

 

 

Bennett Miller demonstra maturidade e respeito pela audiência, e Moneyball é um triunfo absoluto no Cinema contemporâneo. O seu estilo de storytelling é o contraponto ideal para uma história que se passa no mundo volátil do desporto. Estamos perante um realizador que sabe tornar apelativas histórias que de outra forma não o seriam, sem que as torne espalhafatosas e, um pouco como Billy, vendo as oportunidades onde os outros só viram possíveis perdas. A parte melhor é que, com ritmo e fluidez, nos mantém em suspenso – porque mesmo que pensando saber, por convenção, como terminam estes filmes, a realidade é que não temos a certeza onde Beane e a sua história acabarão.

 

Wally Pfister, oscarizado no ano passado pelo seu trabalho em Inception, trabalha a fotografia aqui uns tons abaixo, mas com uma classe e cuidado de mestre.

 

Admito que nunca fui a maior entusiasta de Brad Pitt, mas a verdade é que ele tem envelhecido como um bom vinho do porto, e Moneyball é a prova viva disso mesmo. Com o cabelo a cair rebeldemente sobre uma face que já denota o sinal do tempo e num papel com traços de Capra, percorre o arco clássico do desespero à esperança (quase) cega, mas as imensas camadas são algo de maravilhoso.

 

Pode até ser o caso, que Pitt esteja a “fazer de si mesmo”. Mas a verdade é que quando a simbiose entre o actor e o papel é tão clara que torna difícil distinguir onde começa um e termina o outro, das duas, uma: ou é uma repetição do “síndrome mais do mesmo” (não olhes agora Miley Cyrus) ou pode querer dizer que estamos perante algo especial.

 

 

Aquela cena íntima, onde a filha lhe toca uma música na loja de instrumentos é um daqueles momentos definitivos numa carreira, que demonstra a delicadeza e a generosidade que um actor mais novo, quem sabe um Pitt mais novo, não conseguiria imprimir. Pitt já foi um actor bem-parecido mas rígido, mas a experiência dos anos têm-no tornando um actor cada vez mais talentoso, generoso e, no fundo, Actor.

 

Jonah Hill é uma revelação – depois de trabalhos como Superbad ou Forgetting Sarah Marshall – o cheiinho que já não o é dá uma perninha dramática sem esquecer as suas raízes cómicas e faz um brilharete. A sua química com Pitt é fantástica, e funcionam tão bem juntos que, na verdade, acho que pouco interessaria se fossem um par de mendigos ou de polícias ou de jarras.

 

Os secundários, desde a adorável filha de Beane ao treinador desafiante interpretado por Phillip Seymour Hoffman, dão cor ao filme.

 

O filme é um pouco longo, mas os seus motivos nobres desculpam-no. Como a vida de Beane não estava destinada a ter um final hollywoodesco convencional, no final, a energia perde-se em dois momentos onde dois personagens tentam lembrar ao herói a mudança que este introduziu no mundo do baseball, e a vitória que esse feito significa. Um momento apenas seria, talvez, mais eficaz.

 

 

Moneyball partilha muitas semelhanças com The Social Network, além da mais óbvia – o mesmo argumentista. Ambos são filmes com temas pouco apelativos cinematograficamente e ambos abordam mudanças culturais drásticas associadas à tecnologia. Uma última semelhança tem a ver com o sucesso de ambos quando reflectidos no grande ecrã.

 

Em baseball, um batedor faz um home run quando bate na bola e corre por todas as bases antes de atingir o home plate para marcar ponto”.

 

Neste caso, e arrisco-me a ter eu mesma um final cliché, não vejo porque não concluir que Moneyball é um poderosíssimo e vitorioso home run.

 

 

"I made one decision in my life based on money. And I swore I would never do it again."


8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De André Clemente a 12.01.2012 às 20:41

Até que enfim lol mas já o vi há uns dias, bastante bom o Sorkin não facilita, excelente review para mim 8/10. beijinho
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 12.01.2012 às 20:43

LOL pois é estava dificil. Só hoje é que a escrevi e como tinha o pirralho cá em casa, foi aos soluços xD mas saiu. Obrigada andré ;)

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D