Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Novembro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - A Dangerous Method (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 08.11.11

 

“Do you think they know we're on our way, bringing them the plague?”

 

Como falava com um bom amigo antes de as luzes se apagarem e a sessão começar, é manifestamente verdade que o Cronenberg do século XXI é um pouco diferente do Cronenberg do século XX. Os filmes crípticos e metafóricos deram lugar a histórias mais terra-a-terra, ainda que sempre mantivessem o cunho muito pessoal do realizador.

 

Talvez a entrada nos 60 tenha despertado em Cronenberg um maior desejo de chegar a uma audiência mais vasta, talvez a pressão de Hollywood o tenha feito ceder a um registo mais mainstream… Ou então nem é nada disso, e como o próprio admitiu descomplexadamente no LEFF 2011 no passado Domingo, faz os filmes que lhe apetece e, desta vez, quis mergulhar no mundo da psicanálise, das pulsões e da sexualidade humana da forma mais directa possível – trazendo à vida os homens que quiseram olhar para lá da ponta do iceberg.

 

Baseado na peça “The Talking Cure” de Christopher Hampton, A Dangerous Method acompanha a relação tumultuosa entre os dois titãs da Psicologia, Sigmund Freud e Carl Jung. Convencional demais para David Cronenberg? Meta-se então ao barulho Sabina Spielrein, uma paciente de Jung que deu que falar e que acabaria por se tornar numa das primeiras psicanalistas da história.

 

 

Vale a pena aqui esclarecer: os adeptos de Cronenberg ficarão com um sabor amargo. Não porque este seja um filme mau – o que não é, de todo. Mas é um filme um pouco impessoal numa carreira tão pautada por toques pouco convencionais como a do realizador canadiano. O que ao mesmo tempo deveria ser esperado, dado a natureza realista e histórica da peça.

 

De Videodrome a Crash, não esquecendo, claro, Dead Ringers, Cronenberg cobriu de várias perspectivas os mistérios do corpo humano e os seus instintos mais básicos. E ao pé de visões tão pessoais, A Dangerous Method poderá parecer um filme frio, e que como os seus protagonistas, analisa o seu tema de um ponto de vista (quase) exclusivamente clínico. Mesmo quando versa sobre a perversidade sexual e a doença mental, é um drama contido e elegante guiado essencialmente por personagens, ideias e palavras. O argumento não quer tomar uma posição em detrimento de outra, mas ao invés disso mostrar-nos como também estes dois génios com falhas e defeitos que viriam a moldar profundamente os ideais que defenderam.

 

Mas apesar da mudança com o passar do século, e como vimos em A History of Violence e Eastern Promises, também aqui aparecem uns laivos do “velho” Cronenberg, e aqui tomarei invariavelmente por exemplo a marca sangrenta no lençol que sucede o encontro sexual de Jung e Spielrein.

 

 

Para quem conhece a filmografia de David Cronenberg e alguns dos temas recorrentes que surgem na mesma – a sexualidade, a metamorfose, a dualidade humana – não é surpresa nenhuma ver o nome do realizador no topo do poster de A Dangerous Method. A oportunidade parecia perfeita. Mas aqui fica-nos a faltar alguma coisa. Aquele ingrediente secreto que faria toda a diferença.

 

Estranhamente, peca pela falta do espírito real Cronenberguiano. Deveria ser um nadinha mais longo (o final é até abrupto), bastante mais profundo, mas sobretudo mais controverso. O argumento de Hampton acaba por ser, julgo eu, o maior culpado, oferecendo um melodrama fácil de digerir (e infelizmente, de esquecer), e que perde gás a meio do caminho. Mas não mandem o homem à forca: as histórias paralelas, no fundo, os dois romances (Jung/Spielrein e Jung/Freud), são eficientemente complementares

 

A Dangerous Method é, por necessidade própria, um filme que se rege pela palavra. Um pouco simplista por vezes, parece-me, mas pelo menos é claro em argumentação. Filmando em muitos dos locais onde a acção verdadeira ocorreu, desde a casa de Freud em Viena até ao Hospital Burgholzli em Zurique, Cronenberg ainda assim emprega um formalismo refinado com movimentos de câmera a alterar constantemente a dinâmica dos elementos dominador e dominado.

 

 

As interpretações trazem consenso e desacordo.

 

O consenso serve para Michael Fassbender e Viggo Mortensen nos seus retratos de Jung e Freud. O primeiro dá enorme profundidade aos conflitos de Jung, enquanto o segundo nos oferece um retrato singularmente divertido e imperioso de uma das personalidades mais determinantes de sempre da Psicologia. Os seus debates juntos são fascinantes e os detalhes fazem sem dúvida a diferença, num momento em que recordo com um sorriso o momento em que o professor corrige o pupilo relativamente ao nome da sua teoria.

 

Por outro lado temos Keira Knightley, cuja histeria inicial (que me fez recear que a moça deslocasse o maxilar duas ou três vezes) poderá afastar alguns da verdadeira essência do seu trabalho aqui, e que se revela, curiosamente, à medida que Spielrein fica mais lúcida. É verdade, a figura inicial é algo caricaturada e a actriz talvez tenha ultrapassado um pouco a linha do verosímil, mas o controle regressa ao seu domínio e a performance molda-se em algo sentido e realmente impressionante.

 

Vale ainda a pena fazer referência ao papel curto mas delicioso de Vincent Cassel como o promíscuo Otto Gross, um autêntico diabo a pairar à volta de Jung.

 

 

A atenção ao pormenor técnico é minuciosa e imensamente recompensadora para o espectador. Desde os acordes graves e intensos dirigidos pelo mestre Howard Shore, à fotografia imaculada de Peter Suschitzky ao guarda-roupa de Denise Cronenberg e à direcção artística de vários talentos internacionais.

 

É um filme visualmente belo e estimulante, marcado por boas performances e a discussão de ideais provocadores e não tanto por ser marcadamente negra e contorcida como trabalhos anteriores (e originais) de David Cronenberg. Parece-se, contudo, demasiado com uma peça de teatro. Não me parece que tenha grande futuro na awards season, à excepção da fotografia, banda sonora original e uma ou outra menção às interpretações dos actores.

 

Resumindo e concluindo, e já agora perdoem-me a expressão, não esperem um elaborado mind-fuck ou um filme de culto para a posteridade. É competente, elegante e de temas poderosos, mas a designação simplista de “um dos dramas do ano” terá de chegar para descrever A Dangerous Method, o que afinal, nem é dizer tanto assim…

 

8.0/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De André Clemente a 09.11.2011 às 13:12

Bem pele que li na crítica não está soberbo como o trailer parecia demonstrar...apesar de tudo continuo com muita vontade de vê-lo sou fã de Cronenberg...e apesar de não estar a receber críticas estupendas mantenho a confiança de que será bom o suficiente.
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 09.11.2011 às 14:17

André,

não é de todo um desperdício de tempo vê-lo. Eu gostei bastante, mas se calhar desiludi-me na medida em que tinha outras expectativas. E se não se soubesse que este filme era do Cronenberg, provavelmente pouca gente apostaria que era..

mas ainda assim vale muito a pena, seja pela temática, que também me interessa muito, quer pelos vários aspectos técnicos exemplares.

quando vires, diz-me o que achaste :)
Sem imagem de perfil

De André Clemente a 18.02.2012 às 18:42

Olá Catarina já não vinha cá à algum tempo...bem quanto a crítica estou de acordo acho que um 8 se ajusta apesar de eu ter expectativas muito altas acerca do filme...contudo foi um bom filme, óptima banda sonora e fotografia belíssima. beijinho

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Novembro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D