Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Luftslottet som sprängdes (2009)

por Catarina d´Oliveira, em 16.10.11

 

"Lisbeth Salander tem a sua própria percepção confusa do mundo."

(tradução do original sueco)

 

Depois de ter sido baleada três vezes – na cabeça, na anca e no braço – Lisbeth recupera lentamente no hospital de Gotemburgo. Alguns quartos ao lado e também em recuperação está o seu pai, Zalachenko. Enquanto isto, o jornalista da Millenum Mikael Blomqvist organiza um artigo de exposição relativo à “Secção” que o coloca e a todos os colegas em perigo.

 

Continuando a infeliz tendência observada em A Rapariga que Sonhava com Uma Lata de Gasolina e Um Fósforo, este terceiro e último episódio - com tradução portuguesa de A Rainha no Palácio das Correntes de Ar -  conduz a saga por um caminho não menos interessante, mas talvez menos atraente que os episódios precedentes. É verdade, é quase injusto um filme ter de seguir o brilhante primeiro episódio, mas a verdade é que o termo de comparação nunca desaparece.

 

 

E o maior problema deste terceiro Millenium é a falta de algo que viemos a desejar cada vez mais: a presença da inigualável protagonista Lisbeth Salander. Os dois primeiros filmes tornaram Salander numa das personagens mais icónicas da ficção moderna, muito graças à interpretação irrepreensível de Noomi Rapace, e depois de duas aventuras frenéticas que nos viciaram nesta personalidade peculiar e anti-heróica, tiram-nos violentamente o aditivo viciante. Aqui, presa entre hospitais e prisões, Lisbeth só dá um ar de sua graça mais para o final, e nas restantes duas horas parece ser Mikael Blomqvist – um infinitamente menos carismático e talentoso Michael Nykvist – o nosso herói durante muito tempo.

 

Apesar de tudo, e felizmente, a aura de Lisbeth continua a ser o núcleo do filme, conforme visitamos os confins da sua vida perturbada. Diminuída no hospital, não demoramos a vê-la crescer mais e mais, até reaparecer em todo o esplendor em tribunal, com um mohawk punk, coberta de maquilhagem preta e piercings e correntes, como uma rainha do sub-mundo.


Mas é uma injustiça enorme apontar 3 como a ovelha negra da família Millenium – afinal, é um episódio de natureza diferente dos anteriores, apesar de manter muitos dos mesmos temas, é essencialmente uma história de conspiração e exposição, onde a paranóia impera junto do bem e do mal e onde passamos muito tempo numa sala de julgamento. O enredo requer que, além de um thriller, este episódio seja também um drama jurídico, sendo, deve dizer-se, uma janela que reflecte de forma muito exacta o sistema sueco.
 

 

O ritmo é mais lento e vemos um outro lado de Lisbeth. Contudo, este abrandamento é essencial para reunir (quase) todos os elementos deste enredo complexo e dar o final não triunfante mas merecido a esta anti-heroína cativante.

 

É uma história com algo poderoso a dizer - e que não deixa que a calem - e que mostra que até as sociedades mais desenvolvidas e iluminadas, têm os seus monstros negros e corrupções internas. Uma história que se alimenta da necessidade de transparência e do reconhecimento da violência extrema sob a sombra dos eventos nórdicos inacreditáveis do Wikileaks e dos massacres recentes. Os vilões são-no sem serem caricaturados, o que é não só importante a nível de realismo e proximidade, mas também para nos dar algo que pensar – afinal, os homens que lideram são velhos e estão a um passo da morte. Aqui vale a pena ainda prezar a interpretação de Anders Ahlbom como o odiável Peter Teleborian – sem dúvida um vilão (quase) à altura de Salander.

 

 

E assim termina a saga de Salander: uma heroína complexa, cujas simpatia e empatia que sentimos andam na corda bamba, mas sem nunca cair penhasco abaixo. Afinal ela magoa as pessoas, está emocionalmente num caco e é imprevisível. Mas ainda assim notamos a sua vulnerabilidade e intensidade, e acima de tudo, a sua resiliência. Lisbeth Salander é uma das heroínas mais incomuns da ficção moderna, e também a mais icónica e inesquecível, e resta-nos apenas esperar que esta saga sueca, que até começou por ser uma mini-série televisiva, continue a fazer sucesso por todo o mundo e que nunca mais seja recordada de ânimo leve.

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De André Clemente a 16.11.2011 às 10:48

Ontem vi-o e concordo exactamente contigo um filme mais jurídico que perde um bocadinho de força onde Salander aparece menos e com menos intensidade, onde Mikael é mais destacado mas não é de todo um mau filme nem mancha os restantes da saga só um pouquinho menos bom concordo com os teus 7.5 ...beijinhos

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Outubro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D