Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Super 8 (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 02.08.11

 

"Bad things happen... but you can still live"

 

Em diversas ocasiões, J.J. Abrams foi apelidado de “o próximo Steven Spielberg”. Apesar de os seus projectos no pequeno e grande ecrã terem gerado reconhecimento geral, o argumentista, realizador e produtor de 45 anos ainda fica a uns quantos furos do mago cinematográfico. Mas a associação de Abrams a Spielberg não termina nesta alcunha. De facto, Spielberg teve os seus anos de ouro quando Abrams, ainda criança, corria de um lado para o outro com a sua Super 8, ambicionando um dia poder realizar filmes a sério. Super 8 é assim uma homenagem confessa a Spielberg dos anos 70 e 80.

 

No Inverno de 1979, conhecemos Joe, um rapaz de 12/13 anos que passa pelo pior momento da sua vida. A mãe acabou de morrer, e entretém-se tristemente num baloiço enquanto amigos e familiares falam sobre como difícil será a vida para ele a partir de agora. Os adultos sentem pena, mas os amigos… bom fazem o que seria de esperar de miúdos daquela idade: falam do corpo esmigalhado da mãe e dos canapés servidos.

 

Charles está ainda preocupado com a possibilidade de Joe o deixar na mão com o seu filme, já que o ia ajudar na maquilhagem, som e outras tarefas. Era exactamente isso que tinham planeado: gravar um filme de zombies para o levar a um festival.

 

 

Para uma das cenas, os jovens encontram-se numa estação de comboio à noite, e têm a oportunidade de conhecer finalmente a protagonista feminina do filme que estão a produzir: Alice, uma rapariga bonita mas misteriosa, que numa leitura da cena pôe os rapazes a chorar… estava encontrada uma estrela.

 

Mas antes que Charles pudesse gravar a sua cena perfeita, um comboio que passava pela estação na altura (um imenso “valor de produção”, como lhe chama entusiasticamente o realizador) descarrila e origina uma explosão de proporções gigantescas. Para surpresa de Joe, uma criatura escapa de um dos vagões, mas o tempo urge, e os miúdos fogem do local antes da chegada das forças militares.

 

Algo muito estranho está a acontecer - os cães fogem e os materiais electrónicos desaparecem, bem como algumas pessoas. A noite traz barulhos assustadores, e a cidade agora cheia de militares continua sem respostas às suas dúvidas.

 

Super 8 é modesto sobre a origem exacta da ameaça que paira sobre a cidade de Lillian, e eu vou seguir a mesma linha, não revelando nada. Devemos contudo enfatizar que esta questão se torna facilmente o ponto mais fraco e menos atractivo do filme – Abrams está mais preocupado com o storytelling do que propriamente com a história.

 

 

Olhem bem de perto e verão o medley Spielberguiano de que vos falei: uma força misteriosa e  destruidora (Duel), um xerife a perseguir uma criatura (Jaws), pessoas normais a desmascararem um segredo militar (Close Encounters of the Third Kind), uma ameaça subterrânea que rapta pessoas (Poltergeist), adolescentes numa missão perigosa (The Goonies) e, é claro, a referência a E.T.: The Extra-Terrestrial, que não precisa de especificação.

 

Mas os elementos evocativos de Spielberg não acabam por aqui: a banda sonora de Michael Giacchino faz muitas vezes lembrar os sons magistrais de John Williams, e a fotografia e ângulos são incrivelmente familiares (não deixando, claro está, de primar pela qualidade).

 

Uma das “fraquezas” óbvias do filme poderá ser que, aqueles mais familiarizados com o trabalho de Steven Spielberg, poderão saber antecipadamente o rumo das coisas, apesar de Abrams introduzir as suas usuais questões e dúvidas.

 

E depois temos uma primeira metade magnífica, qual pérola perdida numa arca do tempo, e a segunda, infelizmente acaba por se desviar ligeiramente, com a relação de Alice e o pai um pouco mal desenvolvida, alguns efeitos especiais duvidosos e uma história de perigo que não se liga totalmente à componente humana... contudo, nada disto impede Super 8 de ser um filme lindíssimo.

 

 

Uma lição importante de Spielberg e que Abrams fez questão de cumprir é que, no que toca a monstros, menos é mais, e aqui, até ao desvendar final, temos apenas relances de uma criatura que nunca sabemos muito bem o que é. No caso de Spielberg, tudo começou com Jaws, ainda que inadvertidamente: o modelo de tubarão tinha um ar demasiado falso para aparecer demasiado tempo no ecrã. Em Super 8, foi uma decisão deliberada e inteligente.

 

As performances dos “nossos” miúdos são espantosas, com Joel Courtney e Elle Fanning a personificarem na perfeição a condição da adolescência apaixonada e aventureira. Mas não podemos deixar de apreciar todos os outros – Riley Griffiths, Ryan Lee, Gabriel Basso e Zach Mills. As relações entre os miúdos são o coração e a alma do filme. Os seis amigos agem da exacta forma como os adolescentes: Charles domina, depois temos a rivalidade entre Joe e Charles por Alice, a emergência de Joe como o herói inesperado, e o comic relief tantas vezes proporcionado por Cary. Os adultos são claramente secundários. E é por estas personagens serem tão cuidadosamente desenhadas que o mistério do filme se torna supérfluo.

 

As razões que levarão a maior parte de nós a ver Super 8 terão a ver com o conteúdo de ficção científica e aventura; mas as razões que nos levarão a relembra-lo serão os momentos de intimidade e verdade criados pelos seus personagens.

 

 

Como um dia Spielberg fez, Abrams captura aqui não só a inocência e o entusiasmo da infância, mas também de ir ao cinema e de fazer filmes. Super 8 é uma delicada carta de amor a uma era (anos 70) mas sobretudo a um cinema que deixou, entretanto, de existir: uma era antes de o blockbuster ser sinónimo de franchise, explosões e falta de conteúdo. Um filme com saudades de uma altura em que as personagens e as emoções eram mais importantes do que os efeitos especiais.

 

O que temos aqui é um filme de Verão à antiga que não se apoia em super-heróis ou estrelas de cinema. O que temos aqui é uma história muito bem contada, cheia de humor, entusiasmo e emoção. É uma história de amor com um alien, e não o contrário. E isso é incrivelmente refrescante.

 

ATENÇÃO: Só mais uma coisa: no final, não saiam da sala a correr. Os créditos trazem uma surpresa agradável.

 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D