Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


 

"Harry Potter, the boy who lived... come to die"

 

A conclusão da história cinematográfica fenomenal de Harry Potter é a prova de que a excitação autêntica é uma forma muito particular de magia.

 

Na Parte 1, Harry, Ron e Hermione tornaram-se lutadores da Resistência, forçados aos esconderijos escuros à medida que as forças de Voldemort cresciam e ganhavam domínio. A Parte 2 avança a partir do exacto ponto onde foi deixada na parte 1, e Harry, Ron e Hermione continuam a sua missão para destruir os sete Horcruxes que contêm pedaços da alma de Voldermort. São libertados os tanques de guerra para uma luta até à morte onde o trio e restantes resistentes caminham entre a morte e o limbo para vencer inimigo. Harry tem de enfrentar os sacrifícios que os seus amigos fazem por si, e lutar pelas suas obrigações enquanto feiticeiro e enquanto Homem.

 

Este é, na sua génese, um filme de Guerra: um cerco prolongado a Hogwarts e uma cruzada jovem contra o Senhor do Mal e as suas forças (aparentemente) imbatíveis. Os danos fazem lembrar Munique coberta de crateras na Segunda Guerra Mundial – uma visão que Rowling poderá ter tido aquando da escrita.

 

 

A acção não desaponta nem por um segundo. Esta é uma aventura de escala épica onde cada emoção é aumentada pelo sentimento agudo do que está em jogo e em risco. Ainda há muito diálogo e cenas de exposição, mas são contrabalançados com cenas de acção igualmente excitantes, tornando o ritmo muito mais complexo e construíndo uma estrutura que cria um filme carregado de tensão e emoção.

 

Para todos os que consideraram a parte 1 lenta (eu cá achei um prenúncio absolutamente fantástico ao final, e que, para melhor funcionamento de ambas as partes, requeria um ritmo diferente), esta é a confirmação de que esta era a calma antes da tempestade, um reunir de forças para a explosão infernal.

 

As cenas de batalhas são corrosivas e apresentadas de forma corajosa – com corpos sem vida adolescentes e adultos espalhados pelas ruínas – mas o coração da Parte 2 está nas trocas mais íntimas, levadas a cabo pela realeza britânica do cinema. O sentimento de que o exército de Voldemort está cada vez mais perto é palpável, tornando os fugazes momentos íntimos ainda mais preciosos. 

 

Pontos altos? Demasiados para lhes fazer justice nesta humilde review, mas podemos destacar a “emancipação” de Neville, o ressurgimento da fantástica Maggie Smith (professora McGonagall), o protagonismo maior ou mais pequeno dado a personagens do passado que aparecem de novo, nem que por apenas alguns segundos despedindo-se, a luta empilgante ainda que curta entre Julie Walters e Helena Bonham Carter (mãe dos Weasley e Bellatrix Lestrange) e Snape, que emerge como uma peça fundamental no destino de Harry, e Alan Rickman volta a brilhar guiando, com poder misterioso e concentrado, o feiticeiro de capa negra e cabelo escorrido numa reviravolta emocional.

 

 

Por ter tido a oportunidade de se dividir em dois filmes, o segundo filme não parece demasiado cheio ou longo e move-se com a urgência necessária até ao confronto final.

 

HPATDH 2 mostra-nos algum do melhor e mais expressivo trabalho do realizador David Yates e do responsável por fotografia Eduardo Serra. O clímax é completamente atingido: um ataque ao estilo blitzkrieg a Hogwarts, um twist em forma de flashback e o duelo final entre Harry e o seu nemesis. A fotografia é novamente rica e sombria. Hoje Hogwarts não é um local caloroso e cheio de possibilidades, mas uma fortaleza assustadora rodeada por devoradores da morte, onde um professor de traços negros impõe o seu regime fascista.

 

Yates consegue formar um emocionante sentimento de convergência de linhas dramáticas, temáticas, românticas, emocionais e musicais dos passados sete filmes. O realizador e a sua equipa de designers e magos dos efeitos especiais tomam vantagem do castelo para nos oferecer visões e cenários infinitamente inventivos e maravilhosos que existem numa escala que está a um nível que a série nunca achou almejou sequer atingir.

 

Ainda digna de apontamento é a banda sonora de Alexandre Desplat, que ajuda subtilmente ao entusiasmo das batalhas, mas também dá um certo calor aos momentos mais tocantes.

 

 

O único tiro ao lado, parece-me, foi a escolha dúbia de exibir o filme em 3D. Apesar de teoricamente a tecnologia se adaptar muito bem ao mundo da fantasia, neste caso faz pouco ou nada pela história, sendo uma apresentação até bastante plana. O epílogo também tem uns ares um pouco foleiros e antiquados, mas pode inspirar alguns sorrisos num final tão doloroso para os fãs.

 

Com tanta acção e emoção, o ritmo é a chave, e aqui, Yates e a sua equipa de produção têm um trabalho de excelência. Num episódio a rebentar pelas costuras com a abundância da imaginação de J.K. Rowling, a narrativa conjuga-se como um puzzle encantado.

 

 

Apesar de os filmes da saga terem sido muito sobre uma espécie de afastamento da realidade e imersão no espectáculo e fantasia, estes adolescentes e as suas lutas no equilíbrio sensível entre o bem e o mal oferecem um ancoramento muito eficiente e bem-vindo à realidade.

 

O final traz mixed feelings: ao mesmo tempo que significa o final definitivo da saga, não tem o mesmo impacto que teve para quem leu os livros, com todas as revelações, dores e alegrias em primeira-mão. Mas eu, devo confessar, fiquei um pouco como Rowling que disse, ao terminar de escrever a sua saga “nunca sonhei que pudesse sentir-me simultaneamente eufórica e com o coração partido”.

 

Harry Potter and the Deathly Hallows — Part 2 deixa-nos com o sentimento fantástico de que o mundo é enorme, enigmático, perigoso e mágico, e no derradeiro final, de que são os jovens que têm a responsabilidade de moldar um futuro melhor. E podemos dizer que este é um feito e pêras para uma história sobre um rapaz com uma varinha mágica.

 

 

Numa posição em que têm de agradar a gregos e troianos, a produção e a Warner Bros estão de parabéns por terem acertado no que era realmente importante, criando um magnífico ciclo de continuidade e magia. Ao permitirem o insight de talento de realizadores tão diferentes, desde Alfonso Cuaron a Mike Newell, enquanto honraram o trabalho da autora e ao escolherem três jovens promissores mas sem experiência para actuar ao lado dos grandes nomes do cinema britânico, foi criada uma obra indelével.

 

Em ambos os lados da câmera, todos tiveram performances inventivas e honradas, todos com serventes da grande feiticeira-mor Joanne Rowling.

Despedindo-nos de uma época feliz que não tem retorno (apenas pelos repetids visionamentos), dizemos adeus e obrigada.

 

"Until the end"

 

9.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Imagem de perfil

De Palavreadora a 15.07.2011 às 13:14

Totalmente de acordo! Finalmente, ao ler a frase “nunca sonhei que pudesse sentir-me simultaneamente eufórica e com o coração partido” consegui compreender porque é que depois de um ano de espera entusiástica pelo filme (a juntar a todos os outros anos desde que tudo começou), consegui sair da sala com uma sensação estranhamente irreprimível de tristeza, em vez da possível euforia que seria de esperar :')
Também me pareceu o 3D totalmente desnecessário, até me pareceu estragar certos momentos do filme. Passa-me um pouco ao lado a compreensão de como o 3D funciona, por isso não sei se pelos meus óculos (já usados em vários filmes), ou se pelo filme em si, em certas cenas Harry apareceu-me por várias vezes em duplicado. Para mim, quase se impõe um re-visionamento, em 2D - tenho quase a certeza que vou apreciar outros pormenores que me escaparam com os óculos!

Um apontamento para a mudança de visual do blog! Acho que se pensa sempre "ah, está tão bem, mudar ainda é um risco, não?!" mas não. Pelo que tenho acompanhado, as mudanças de visual aqui no cantinho têm sido sempre bastante positivas e bem-vindas! Parabéns! :)

Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 15.07.2011 às 14:29

Palavreadora,

antes de mais, bem vinda de novo ao blog, e obrigada por continuares a seguir fielmente :D

quanto ao filme, é isso mesmo: essa tristeza, ou talvez mais a negação de acabar um ciclo ~que me é tão querido, impediu-me de sentir a euforia que pensava vir a sentir; não se trata de o filme desiludir, antes pelo contrário, porque não mudaria nada (até as liberdades/mudanças relativamente aos livros), trata-se apenas de um fechar dificil de um ciclo de crescimento muito bom.

quanto ao blog, ainda estou a tentar atinar com umas definições avançadas no que respeita as cores xD não estou muito dentro disto, mas nos próximos dias penso resolver o assunto :P todavia, fico contente que o novo visual seja apelativo! estava a procura de algo mais minimalista, e acho que encontrei um bom equilibrio.
Sem imagem de perfil

De andreoliveira_76@hotmail.com a 17.07.2011 às 10:22

Fui ver o HPATDH 2 e a tua crítica Cata assenta que nem uma luva naquilo que senti, sem duvida o melhor filme de todos já contando com a parte 1 que é o mesmo filme, os efeitos estão maravilhosos e a banda sonora foi o que mais me surpreendeu pela positiva achei brutal.
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 17.07.2011 às 12:54

ainda bem que gostaste!

Apesar de não ter sentido o êxtase que esperava - obritve as respostas que também necessitava num segundo visionamento. A minha "negação" pelo findar de uma época tão boa de crescimento era certa.

Houve amigos que me disseram que acharam o filme apressado o que entendo perfeitamente e acho que pode ser a crítica mais feita a este filme, bom eu não me importava nada que tivesse 3 horas, lol, mas acho que, para o que quis transmitir tomou as decisões certas.

A ideia com que fiquei foi que, apesar do que pudessemos pensar, o confronto final em si não era o mais importante, mas talvez os vários momentos de uma longa guerra. Compreendo que a batalha entre harry e voldemort foi curta, mas também prezo que tenham dado oportunidade a outras personagens de se despedirem, e de terem o seu honrado tempo no ecrã, porque no fundo, elas construíram e povoaram este mundo imaginário tanto como harry.

de qualquer forma, grande filme!
Sem imagem de perfil

De André Clemente a 17.07.2011 às 13:01

Sim concordo o meu preferido até agora era o Prisioneiro mas este foi um grande final, sim a luta entre o Voldemort e o Harry foi curta tal como a da Bellatrix e a Molly Weasley, mas é como tu dizes focou bem a batalha final em geral e as outras personagens e a sua forma de se despedirem em grande.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.07.2011 às 17:21

Concordo com tudo o que tem sido dito nos comentários anteriores e na critica, que está, como sempre, incrivelmente bem feita. A cena em que a Mcgonagal faz as estátuas ganhar vida e em que os professores lançam feitiços de defesa em redor de hogwarts deu-me pele de galinha, tal como a morte do snape, mas isso já se esperava. A actuação da Helena Bonham Carter como Hermione foi também espectacular, todos os pequenos tiques estavam lá, impressionou-me...
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 26.07.2011 às 17:47

Caro anónimo,

antes de mais, agradeço os elogios!
em segundo lugar, também eu concordo consigo; a Bonham Carter é sem dúvida uma senhora, e as cenas em que imita os tiques de emma watson é divinal!

E essa mesma cena que referiu em que os professores lançam os feitiços também a mim me deixou arrepiadinha. Uma cena incrivelemente bem filmada e montada!

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D