Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Rango (2011)

por Catarina d´Oliveira, em 16.03.11

 

"So you want something to believe in?
[aponta para a placa que diz "Sheriff"]
Believe in that there sign. For as long as it hangs there we've got hope."

 

Na cidade de Dirt, o único líquido existente está contido no cuspo de tabaco de vermes sedentos. Nesta curiosa cidade no meio do deserto, a água é tão preciosa que é guardada a sete chaves no cofre de um banco, excepção feita ao stock privado do presidente. Parece que este pequeno ponto no imenso deserto precisa de um herói, e pronto ou não, esta é a hora de Rango.

 

Com imagens geradas por computador esta comédia western povoada com criaturas do deserto dá a 2011 um salto algo tardio (afinal já estamos em Março) mas bem-vindo com uma peça divertida e com um estilo de animação distinto e impressionante.

 

Num mundo asfixiado do cinema de animação, começa a ser realmente complicado ser original ou magnífico. Ainda assim, e logo na sua estreia em animação, Gore Verbinski matou três coelhos de uma cajadada só sendo não só magnífico e original, como não tendo necessitado do truque 3D para fazer vender o seu peixe.

 

 

O grande aplauso tem de ir para o realizador Gore Verninski e a equipa de autênticos magos dos efeitos visuais da Industrial Light & Magic que de pixels fizeram paisagens quase perturbantemente semelhantes ao real: o melhor elogio que lhes podemos fazer é que, de facto, em muitos momentos, este parece um autêntico filme live-action, e não uma animação. A pele escamosa dos répteis e os pêlos pejados de sujidade dos roedores têm a si associado um realismo quase táctil.

 

No que respeita a storytelling, Rango vai saquear e depois misturar variados elementos de filmes clássicos, desde Chinatown aos westerns de Clint Eastwood, dando uma lufada de ar fresco à já de si familiar história do herói por engano e conveniência. É claro que estes elementos comuns são aplicados, não podemos esquecer, a dois protagonistas que são lagartos, um presidente que é uma tartaruga, e o grande pistoleiro da cidade é uma cascavel cujos olhos amarelos apenas parecem capazes de nos engolir.

 

Este deverá ser um deleite para os amantes do bom Western. O diálogo incorpora falas (ou adaptações das mesmas) do passado, a filmagem imita momentos clássicos, a banda sonora utiliza elementos sonoros conhecidos. Todos os motivos e clichés Western que nos possamos lembrar

estão presentes em Rango, desde o confronto no meio da cidade sob o Sol quente até às ervas secas arrastadas pelo vento.

 

O que parece, no entanto, é que tanto o argumentista John Logan como o realizador Gore Verbinski se apoiam demasiado nas referências intermináveis, tanto de filmes cómicos como dramáticos, que acabam por, descuidadamente, empilhá-los sem nenhuma base ordeira.

 

 

É um trabalho de técnica e amor, e é uma grande pena que seja tão vazio da alma que deveria ter para ser grandioso. A premissa não é má, mas John Logan cria um deserto populado por ganância, malícia e um herói inadvertido sem a graça necessária. Não me entendam mal. O espírito não podia ser mais western, e as personagens, apesar de esteticamente desprezíveis, são muito atraentes do ponto de vista narrativo.

 

Roger Deakins, o homem responsável pela fantástica fotografia de True Grit do ano passado serviu como consultor visual de Rango (como é possível notar em tantas sequências). Este é um filme incrivelmente bem desenhado. É verdade que as personagens são exageradas, mas tenho a sensação de que se não fossem, não só a fita perderia muita da sua personalidade, como a confundiríamos inúmeras vezes com um live-action, tal é o cuidado na representação e projecção de locais e objectos. O mais recente filme de Gore Verbinsi é tecnicamente perfeito, podemos dizer, e faz coisas muitos interessantes com o espaço e a perspectiva, especialmente se tomarmos em atenção as sequências de acção. As texturas são maravilhosas, e a cor chave é sem dúvida o castanho, que fornece uma palete quase ilimitada.

 

É apenas óbvio que Johnny Depp brilhe no papel do camaleão Rango quando ele próprio é um actor tão camaleónico e adaptável a tantos e tão diversificados ambientes. Mas não é apenas dele o mérito. Isla Fisher também salta à vista como a carismática Beans, bem como Abigail Breslin como Priscilla, uma jovem ratinha de grandes olhos amarelos mas com bravo coração, Alfred Molina como o filosófico Roadkill, Bill Nighy como a fantástica cascavel Jake e Ned Beatty como a tartaruga punho de ferro e presidente de Dirt.
E a vivacidade das interpretações advém em grande parte da decisão de Gore Verbinski de por toda a gente a mexer e a representar enquanto gravava as suas vozes, em vez de estarem simplesmente fechados numa cabine de som. O resultado vê-se mas, acima de tudo, sente-se.

 

 

Com muita pena minha, este Rango, ainda que revolucionário em termos técnicos, acaba por ser uma espécie de continuação do trabalho de Verbinski ao longo dos anos: uma fita que dá muito prazer de ver, mas que faz uma mistura frustrante de um enredo algo desleixado, uma atitude marota e muita acção.

 

Ah! E outra coisa! Está em glorioso 2D! E o que é que isto quer dizer? Ora quer dizer que as imagens mantém a sua cor e vivacidade e que não precisamos de óculos escuro que só empatam. 2011 começa bem. Venha mais disto!

 

7.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De André Clemente a 13.07.2011 às 12:05

Parabéns pela remodelação ficou muito bem...quanto à crítica está excelente mas acho que merecia pelo menos um 8. :D
Imagem de perfil

De Catarina d´Oliveira a 13.07.2011 às 15:00

André,

muito obrigada :D ainda estou aqui às voltas com o editor de CSS para alterar umas cores/elementos do design, mas a estrutura já está :D aind abem que gostas e obrigada por continuares a visitar e a ler!
Sem imagem de perfil

De André Clemente a 13.07.2011 às 18:30

Não vou deixar de ler e como foste minha colega não podia deixar de vir ao teu blog visto que tmb sou apaixonado pelo cinema. Continuação de bom trabalho com a remodelação.

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D