Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Dezembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Toy Story 3 (2010)

por Catarina d´Oliveira, em 04.12.10

 

 

"So long... partner"

 

Era uma vez uma empresa de animação que, em 1995, pegou num molho de bonecos e arriscou enveredar pelo mundo das longas-metragens animadas. O seu primeiro filme chamou-se Toy Story, e além de ser o primeiro filme da história a ser totalmente feito por computação gráfica, tornou-se num fenómeno imortal.


Hoje, 10 longas depois, surge-nos a mais recente pérola da jovem porém conceituada empresa: Toy Story 3, e estes bonecos nunca foram mais humanos. E aqui, meus amigos, há muitas perguntas sem resposta. Como é que estes mestres conseguem continuar a criar milagres cinematográficos sem parar? Como é que o argumento de uma terceira parcela de um franchise consegue ser tão fresca e inovadora? Às vezes, o melhor é não conseguir arranjar respostas e deixar a magia acontecer.

 

Devo confessar que a série Toy Story não me convencia. Gostei do primeiro filme, mas não foi uma experiência memorável. O segundo, se querem que vos diga a verdade, já nem estou certa de ter visto. Mas o terceiro obriga-me a dar o braço a torcer, porque é um daqueles ensaios que não são descartáveis e que, sem dúvida, perdurarão por muito, muito tempo.

 

 

 

Andy é agora um jovem de 17 anos pronto para partir para o mundo que é a vida universitária. Molly, a sua irmã, tornou-se numa adolescente “escrava” do iPod e até o alegre cãozinho de família anda agora deitado preguiçosamente pela casa, acusando já a idade avançada. Mas há quem continue na mesma…


Nos tempos em que a idade adulta tomou conta da casa, os antigos bonecos de Andy continuam… bonecos. Sem ninguém para os utilizar em brincadeiras, têm eles próprios de arranjar maneiras de se distraírem. Mas o futuro surge como uma imensa interrogação: alguém brincará com eles de novo ou estarão destinados a uma caixa num sótão poeirento para sempre?


Este é o ponto de partida para a alucinante aventura de Woody e companhia, que tanto toma tons de apocalipse eminente como gargalhada colorida. Este capítulo, o melhor dos três, tem tudo aquilo que mais podemos desejar num filme: humor, emoção, estimulação e inteligência.

 

Para “sobreviventes” de trilogias, a Terceira vez pode ser a morte do artista para uma série admirada (veja-se The Godfather III). Todavia, Toy Story 3 prosperou onde outros tantos falharam. Isto porque não só se manteve fiel às suas raízes, como também expandiu em largos quilómetros o seu alcance.

 

 
Reflectindo mais uma vez uma das melhores características da Pixar, compreende emoções genuínas e não tem medo de as escarrapachar no ecrã. Como o melhor conto de fadas, Toy Story 3 é mais sério do que parece, e, na verdade, nem sequer parece sério! O terceiro episódio da série entreterá as crianças com a sua natureza alegre e divertida, mas também as fará aprender coisas sobre matérias que têm vindo a ser desenvolvidas recentemente pela Pixar numa outra espécie de trilogia. Seguindo Wall-E e Up, Toy Story 3 tem muito a ensinar com a sua sentida contemplação da mortalidade, valor humano, memória e amor.

 

A mensagem é simples: apesar da distância e do tempo, a família e os amigos são o que mais conta. Não devemos temer a mudança, e a morte… essa devemos sempre enfrentá-la com dignidade.

 

Esta é uma rara mistura feita com uma habilidade que é mais que habilidade – é inspração. A cena em que escapam da prisão é excitante, e a metáfora light do campo de concentração não pode ter sido acidental.

Michael Arndt encarregou-se, em grande parte, do argumento magnífico, e o realizador Lee Unkrich mantém a linha excepcional dos anteriores, ainda que este seja também um filme muito negro, e que poderá assustar e entristecer as crianças. Calma, o final é feliz, mas credo... estes bonecos devem ter ficado traumatizados para o resto da vida.

 

 

Não podia deixar de falar no visual. Vi Toy Story 3 em 2-D e não creio que tenha perdido nada, ainda que reconheça que a Pixar utiliza muito bem o instrumento 3-D. Como seria de esperar, a cor, a profundidade e os pormenores arrebatam-nos completamente. Os bonecos continuam como os conhecemos, porém notamos que estão muito mais trabalhados e expressivos. Uma nota muito importante vai para os personagens humanos, cuja qualidade técnica subiu exponencialmente.

 

Uma nota muito especial não podia faltar também para as vozes (vi-o no original), onde astros como Tom Hanks, Tim Allen, Joan Cusack, Ned Beatty e Michael Keaton dão uma nova vida aos bonecos que há 15 anos nos acompanham.

 

Na altura em que o final chega finalmente, seja qual for a nossa idade, compreendemos que não podemos passar de uma fase da vida para outra sem a ajuda e apoio dos nossos amigos.


É sofisticado técnica e filosoficamente. Mas também é honesto sobre a vida, e esperançoso. Ultra-moderno e tradicional ao mesmo tempo. Na minha opinião não supera Up, mas é, realmente, algo muito bonito e especial de se ver.
 

8.5/10

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Dezembro 2010

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D