Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - Nothing but the Truth (2008)

por Catarina d´Oliveira, em 05.08.09

 

"Who was your source?"

 

Às vezes não são só aqueles filmes manhosos que ganham uma viagem directa para o lançamento em DVD passando à frente o lançamento nas salas de cinema. Às vezes bons filmes caem na teia do “straight-to-DVD” por razões que a própria razão desconhece. No caso presente, Nothing But The Truth não teve direito a lançamento nos cinemas norte-americanos. Ao que parece, a distribuidora deu-se mal com a economia e o lançamento passou de futuro para ex-futuro. Felizmente em Portugal a história foi diferente e é com grande alegria que vejo este filme presente nas nossas salas!


Todo o jornalista sonha com o seu dia de viragem. Aquele dia em que serão os autores da publicação que gerou o burburinho, a queda de um alto cargo, o fim de um conflito, a exposição da corrupção.


Rachel Armstrong tem nas mãos a chave do seu futuro e publica-a: o Presidente ignorou as descobertas de uma agente da CIA que provavam a inocência da Venezuela num ataque aos Estados Unidos, e optou por atacar os latinos por via aérea. Rachel faz mais; dá um nome e uma cara ao agente secreto: Erica Van Doren, a mulher do Embaixador dos Estados Unidos na Venezuela cuja filha anda na mesma escola que o seu filho.


O governo é rápido na pressão e tenta rapidamente forçar Rachel a revelar a sua fonte. Quando se nega a fazê-lo, é presa por desobediência à justiça. Até onde estará disposta a ir pela lealdade à sua fonte? Poderá o princípio da confidencialidade sobrepor-se a uma questão de segurança nacional?
 

 

Nothing but the Truth foi feito com muita cabeça e eleva importantes questões éticas e humanas. Devem a liberdade de imprensa e o direito de protecção das fontes ser sobrepostos pelo poder daqueles nos altos cargos? Até onde estamos dispostos a ir na defesa de um princípio e até onde poderemos afectar os nossos próprios familiares?

 

Rod Lurie traz ao de cima o que de melhor o elenco tem para oferecer e não fosse o seu precalço de distribuição e talvez pudéssemos ter ouvido falar muito mais de algumas destas performances.

 

Kate Beckinsale constrói Rachel a partir de uma estrutura muito interessante e complexa: frágil porém corajosa; um mártir mas nunca uma santa. De uma forma ou outra, ela acaba por “abandonar a família” em nome dos seus princípios (que apesar de tudo, são desconhecidos a todos incluindo ao espectador até praticamente o final da fita).


Matt Dillon é também complexamente delicioso como o promotor sem escrúpulos que, no fundo, está apenas a cumprir a sua função. Subjectivamente, Dubois é o vilão no tabuleiro; Objectivamente, está apenas a fazer o seu trabalho. Dillon referiu mesmo em várias entrevistas que o interpretou como se ele fosse o “bom da fita”, o que se vem contribuir para a complexidade de um personagem especial e crucial na acção.
 

 

Por outro lado, Vera Farmiga oscila na perfeição entre a mão de ferro e a vulnerabilidade da agente Erica Van Doren.

Alan Alda é, como se esperava, brilhante no papel do advogado bonacheirão que acaba por deixar de lado as vaidades e entregar-se de corpo e alma ao caso de uma mulher única. A cena onde defende os direitos dos jornalistas no Supremo Tribunal de Justiça é digna de especial atenção; uma bela lição de escrita cinematográfica em temas políticos e de media com um discurso absolutamente arrebatador.

 

Lurie afasta-se do caso real em que se baseia (ler no final sobre o caso verídico) em alguns pontos, alguns deles cruciais e alguns deles, sublimemente executados. De facto, as razões que moviam Rachel e que movem os jornalistas podem ser mais complexas do que aquilo que nos permitimos a pensar. A conclusão atingiu-me como um raio: perfeitamente plausível, sem deixar buracos por tapar e inesperada e surpreendentemente simples. A resposta à pergunta que esteve na boca de quase todos os personagens era simples e complicada, e por isso, impossível.

 

As abordagens abertas do sexismo e da hipocrisia beneficiaram infinitamente a fita e ainda mais as protagonistas femininas que questionaram e lutaram contra uma maré que lhes varreu a ambas a felicidade e a família, não as dispondo apenas como as pobres coitadas.

 

  

Apesar das performances excepcionais e o objecto interessante, o filme nunca faz o “click” que poderia, muito provavelmente e sem desfazer Lurie, fazer noutras mãos. Mas Nothing But the Truth é um belo trabalho de estudo sobre a relação entre a política/poder e o jornalismo, mas também sobre as pessoas e os seus prinícipios e responsabilidades. Não diminui nunca o espectador e oferece drama e suspense da melhor e mais realista qualidade. Agora digam-me… como é que isto não chegou aos cinemas americanos?


Afinal, um crítico da Rolling Stone disse tudo na sua crítica: Lurie criou um thriller político diferente; um thriller com cérebro e coração.
 

"Some time ago, I began to feel the personal, human pressure on Rachel Armstrong and I told her that I was there to represent her and not her principle. And it was not until I met her that I realized that with great people there's no difference between principle and the person."

 

7.5/10

 
 

Nothing but the Truth não é um retrato fiel do "Caso Plame" (também conhecido por "Plamegate") ocorrido em 2003,  sendo que em muitos pontos segue uma linha narrativa diferente, mas é em si que encontra as suas bases.

 

Em Julho desse ano, Valerie Plame, mulher do antigo Embaixador ds Estados Unidos Joseph C. Wilson, viu revelada a sua identidade como agente da CIA pelo colunista Robert Novak.


Wilson viajou ao Níger em 2002 para comprovar a ligação entre a indústria local de Urânio e Saddam Hussein. Vale a pena recordar que, nesse mesmo ano, os EUA acusaram o Iraque de ter tentado comprar urânio do Níger para o fabrico de armas nucleares. Depois da viagem, Wilson escreveu numa coluna do New York Times que, na verdade, o Níger não vendeu qualquer Urânio ao Iraque.

 

Depois da publicação do artigo que revelava a identidade de Plame, Wilson afirmou várias vezes que membros da administração Bush revelaram a informação por vingança ao seu artigo, publicado oito dias antes do artigo de Robert Novak. Plame era especializada em armas de destruição massiva, o que teria motivado os partidários do presidente achar que tinha sido ela a ter a ideia de enviar o marido na viagem ao Níger.

 

No caso estiveram envolvidos muitos jornalistas, apesar de Novak ter sido aquele a publicar a história. Judith Miller foi outra das envolvidas no processo mas ao contrário de Novak que eventualmente acabou por ser absolvido, Miller foi responsabilizada pela passagem da informação original a Novak e obrigada a revelar a sua fonte. Recusando-se terminantemente a fazê-lo perante o tribunal de justiça, passou 12 semanas na prisão em 2005. Foi apenas nessa altura que, finalmente autorizada pela sua fonte, Miller resolveu revelá-la sendo, por isso, liberta. Lewis Libby, Chefe do Gabinete do vice-presidente Dick Cheney, foi quem passou as informações sobre a agente Valerie Plame. Em 2007, Libby acabou mesmo por ser condenado a dois anos e meio de prisão por ter mentido à Justiça.

 

"If journalists cannot be trusted to keep confidences, then journalists cannot function and there cannot be a free press."

Judith Miller

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D