Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - V for Vendetta (2005)

por Catarina d´Oliveira, em 16.05.09

 

"Remember, remember the 5th of November. The gunpowder, treason, and plot. I know of no reason why the gunpowder treason should ever be forgot."

 

Inglaterra, início do séc XVII
Depois da rainha Elizabeth I falecer em 1603, os católicos ingleses viam alguma luz ao fundo do túnel quanto ao seu sucessor, James I. Todavia, e para seu infortúnio, James não era mais tolerante do que Elizabeth. A partir daí, 13 homens decidiram tentar mudar o rumo da história da Inglaterra através de uma violência explosiva que acabou por sair furada.
 
O grupo, liderado por Robert Catesby, pretendia explodir as Casas do Parlamento aniquilando assim o Rei, os membros do parlamento e até possivelmente o Príncipe de Gales; todos aqueles que condenavam e faziam a vida negra aos católicos.
Para levar a cabo a revolta, o grupo posicionou 36 barris de pólvora numa cave mesmo por baixo da Câmara dos Lordes.
 
Mas conforme o plano evoluiu, tornou-se claro que pessoas inocentes acabariam por sair feridas ou ter mesmo um destino fatal no ataque (incluindo alguns que lutaram pelos direitos dos Católicos). Alguns dos conspiradores começaram a repensar o ataque e um deles chegou mesmo a enviar uma carta anónima a avisar um amigo  para não estar no Parlamento no dia 5 de Novembro. A carta terá chegado, eventualmente, às mãos do Rei que rapidamente planeou a placagem do ataque.
 
No dia 5 de Novembro de 1605, numa terça-feira, Guy Fawkes, que estava na cave por baixo do Parlamento perto dos 36 barris de pólvora com um relógio, um fósforo, papel enrolado e uma lanterna, foi descoberto, torturado (revelando o nome dos outros conspiradores) e por fim executado.
 
Hoje, mais de 400 anos depois, continua a manter-se a tradição de celebrar, no dia 5 de Novembro, a Bonfire Night (Noite das Fogueiras que celebra a segurança do Rei), durante a qual se queimam bonecos que representam Fawkes e se solta fogo de artifício (representando o que a explosão poderia ter sido).
 
Não se sabe ao certo se o plano dos conspiradores poderia alguma vez ter os resultados que pretendiam. Ao que se sabe, a pólvora estaria velha e em mau estado sendo que, a haver explosão, também não teria rebentado com mais do que um pequeno espaço.
Seja como for, a traição teve um grande impacto sendo que ainda hoje, os monarcas só visitam o Parlamento uma vez por ano, sendo este alvo de meticulosa revista tradicional antes da visita.
 

A dúvida paira no ar, no entanto, no que respeita às motivações de celebração de cada um. Porque se há quem celebre a execução de Fawkes e dos conspiradores, outros há que queiram honrar a sua tentativa de contrariar e combater um regime opressivo.

 

Num cenário Britânico futurista, uma figura mascarada conhecida apenas por V comete uma série de assassinatos e tenta unir uma população adormecida contra um estado totalitário numa explosiva e épica aventura até à Mudança.
Guy Fawkes é a inspiração deste homem sem cara mas com uma alma maior do que por vezes nos cabe absorver. O centro criminal Old Bailey é o primeiro alvo do “terrorista” que se revê depois quase que um discípulo de Fawkes e prometendo a explosão das Casas do Parlamento num grito desesperado para o reerguer de uma potência submergida na apatia e opressão.
No meio deste caos organizado, acaba por surgir um elemento inesperado mas, e em aboluto, essencial. Evey, uma jovem que trabalha numa estação de televisão britânica e que acaba por tornar-se o coração desta fenomenal fita.

 

V for Vendetta baseia-se num comic com o mesmo nome escrito por Alan Moore (autor de Watchmen, From Hell e The League of Extraordinary Gentlemen) em 1989. A realização coube ao estreante James McTeague e o argumento foi re-escrito pelos irmãos Wachowski (famosos pela realização da trilogia de The Matrix).  
É importante referir os Wachowski pelas conotações importantes e gritantes que inseriram numa história já de si tão “escandalosa” e crítica. V for Vendetta o filme consegue ser ainda mais atiçado contemplando, por exemplo, a religião como simples máscara para um desejo de poder e controle sem escrúpulos.
V for Vendetta é uma viagem arriscada porém corajosa. As sequências de acção incrivelmente bem conseguidas( pairando entre movimentos rápidos, iluminações apenas parciais e cores escuras) não têm medo de parar bruscamente para um momento de reflexão e debate filosófico.
Mas se o conceito, ou melhor, os conceitos, já que os ataques partem em diversas direcções atingindo alvos distintos, são já de si fascinantes e altamente desafiadores, ainda mais interessante é a carismática personagem que seguimos neste Big Bang da liberdade, V.
Um homem incrivelmente paradoxal. Um homem que, por trás de uma máscara esconde expressões que o seu corpo e voz acabam por exteriorizar ainda mais poeticamente. Um terrorista. Mas um terrorista que não aterroriza as pessoas. O seu objectivo é nobre; acordá-las e fazê-las ver que o poder está realmente nas suas mãos. Estamos com ele ou contra ele?

 

Hugo Weaving é espectacular. Sem qualquer possibilidade de expressão facial, consegue ser um homem absolutamente apaixonante e inacreditavelmente poderoso. A voz auxiliada apenas por um discurso eloquente e, no mínimo, merecedor de honras gregas, é a sua maior arma.
Do outro lado temos, como também já referi, o coração do filme na Evey de Natalie Portman. O sotaque britânico tem os seus altos e baixos, mas a potência da personagem é continuamente crescente e fascinante. V refere-se a si mesmo como uma ideia, e nós mesmos pensamo-lo assim. Evey é a parte humana da história, uma pessoa como nós encurralada nos cânticos de rebelião de uma força imparável. Desde Léon the Professional passando pelo surpreendente Garden State e pelo fabuloso Closer, Portman prova aqui e uma vez mais que é uma das GRANDES da sua geração.
 
V for Vendetta não é um produto de massas, e mesmo dentro do mais restrito grupo que o possa eventualmente apreciar, haverão muitos que o olharão de soslaio e mesmo com desagrado. Um filme sobre um terrorista que luta pelos outros? De que lado é suposto estarmos afinal? Do lado de um regime de ditadura? Ou do lado de um rebelde? Estas e outras questões vêm ao de cima mas não são nunca respondidas num filme intelectualmente perturbador, inquietante e proibido. Não somos arrastados pelas ideologias de V, nem somos obrigados a considerá-las certas; somos apenas desafiados a pensá-las e a reconhecê-las.
Rebelde e perigoso, não deve ser visto como modelo de conduta mas um lembrete para o poder que o medo pode acabar por dar a determinados indivíduos.

 

O enredo peca algumas vezes pela densidade excessiva, ou mesmo pela salada russa de ideias e críticas que nos serve, por vezes freneticamente. Mas V for Vendetta foi uma experiência marcante. Um conto sobre o grito de liberdade, um grito de esperança e um grito de verdade.
Li algures que os políticos mentem para esconder a verdade e que os artistas dizem mentiras para a revelar. Pois bem, V for Vendetta é uma mentira bem desenhada e provocadora, um trabalho de ficção escrito para espalhar verdades. Verdades que não são felizes ou reconfortantes. Verdades que nem sempre queremos ver. Verdades que preferimos mascarar com mentiras.

8/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Filipe Coutinho a 16.05.2009 às 20:12

Aqui o que realmente é curioso é que concordo quase em absoluto com a crítica mas a nota atribuído por nós é bem distinta.

Eu tive a oportunidade de ler a BD e digo-te, que adaptação extraordinária.... Talvez seja "A" adaptação sem qualquer tipo de heresia. E depois tem a Portman, ou antes, a minha Portman que mais uma vez prova o que é ser uma actriz.

E pronto, assim se faz cinema.

Bjs
Imagem de perfil

De Marcelo Pereira a 12.08.2009 às 15:50

Não consigo de lhe deixar de dar a nota máxima. Pode não ser perfeito em todos os seus traços genéricos, mas V for Vendetta esconde um âmago sublime, da mais soberba natureza. Natalie Portman, uma das grandes actrizes da sua geração, presta aqui um cunho inesquecível.
Gostei do texto, como sempre :)
Sem imagem de perfil

De RM a 08.10.2011 às 00:50

Nunca uma máscara foi ou virá a ser tão expressiva.

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Maio 2009

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D