Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Point-of-View Shot - A Clockwork Orange (1971)

por Catarina d´Oliveira, em 13.04.09

 

"There was me, that is Alex, and my three droogs, that is Pete, Georgie, and Dim, and we sat in the Korova Milkbar trying to make up our rassoodocks what to do with the evening. The Korova milkbar sold milk-plus, milk plus vellocet or synthemesc or drencrom, which is what we were drinking. This would sharpen you up and make you ready for a bit of the old ultra-violence."

 

Stanley Kubrick fez filmes brilhantes, mas, acima de tudo, perigosos. Filmes que ousaram como outros não o fizeram, filmes que não se limitaram a tocar feridas abertas mas também a macerá-las com ferros ferventes. Mas filmes perigosos são por vezes geniais. Este certamente foi.
A pérola futurista adoptou o nome de A Clockwork Orange, ou, para nós, Laranja Mecânica. Um nome que só de si diz muito de uma raça robótica, sem sentimentos e bizarra mas que no exterior aparenta a normalidade. Uma raça de uma realidade futura alternativa, num mundo dominado pela violência, revolta política, álcool e sexo.
A tagline deixa-nos desde logo intrigados: “As aventuras de um homem cujos principais interesses são a violação, ultra-violência e Bethoveen”. Ora esta… vandalismo, violência… Bethoveen?
Estamos em Inglaterra e acompanhamos dolorosamente um grupo de rapazes que, nas noites frias e nubladas, aterroriza gratuitamente aqueles que se lhes atravessarem no caminho. Espancando, violando e humilhando, o gang dominado por Alex só receia uma coisa: a polícia. Um dia, depois de uma discussão dentro do grupo, durante mais um das suas violentas aventuras, o grupo trai Alex e este acaba por ser preso. Corroído ainda mais pelo ódio, Alex tenta encurtar a pena ao aceitar participar num procedimento novo que, supostamente, torna as pessoas boas. Será Alex um homem renascido… ou não?
A abertura do filme é memorável . Um close-up tremendo de uma figura bizarra com fundos olhos azuis, usando pestanas falsas num dos olhos e um chapéu preto. No zoom out damos conta que estamos na presença não de um, mas de um grupo de jovens frios, com ar malvado, vestindo roupas brancas e bebendo leite. É desde o primeiro minuto que somos assaltados pelas metáforas, pela violência gráfica e pelos paradoxos que dão cor e uma vida assustadora à obra de Kubrick.
É realmente espantosa a oposição entre a existência quase demoníaca do grupo e do seu líder e alguns pormenores (aparentemente) inocentes como o gosto pelo leite e pela música de Bethoveen.
Sendo passado num futuro hipotético, A Clockwork Orange é uma violenta crítica mascarada à sociedade britânica dos anos 50 e 60. Não é apenas o grupo de Alex que suja as ruas do mundo; o mundo em si já é um lugar nojento, uma sarjeta putrefacta sem esperança nem redenção.
A violência e agressividade cruéis não são gratuitas, adornando um quadro completo e assustador com salpicos de medo e borrões de temor.
Malcom McDowell faz de Alex o personagem impossível. Ou será que vos parece coerente que possamos sequer pensar em simpatizar ou compreender a algum nível um monstro como estes? A verdade é que, sabe-se lá como, criamos uma relação especial com ele.
A música é uma presença notável (quase devia ter ganho um Óscar para melhor interpretação secundária!) com a música clássica a cruzar-se com o gótico e rock de uma forma completamente insana. Uma canção alegre como “Singin in the Rain” só consegue tornar ainda mais perturbante uma cena que quase só conseguimos ver pelo canto do olho de tão crua e horrenda.
A Clockwork Orange é uma poesia visual, irónica, esquizofrénica e alucinante do princípio ao fim, desafiando mesmo as mentes mais invulgares. A náusea acompanha-nos e perdura, mas aquilo a que assistimos é muito mais poderoso do que o nojo de uma realidade tão imunda. O mundo só se perderá pelas nossas mãos e não por outras. E se continuamos caminhando para uma existência que nem animal pode chamar-se… a perdição será muito possivelmente o destino.
Kubrick explorou o mistério da conduta humana usando as emoções e a acção física de formas não convencionais, obrigando-nos a manter a rédea intelectual bem curta e controlada. Mas nem sempre é fácil. Esta é uma das mais bizarras e desorientadoras experiências que o cinema me ofereceu.
Talvez o Mundo dos anos 70 não estivesse preparado para receber um filme como o génio de Stanley Kubrick ousou lançar. Pelo menos, eu sei que o mundo do séc. XXI não está.
"I was cured, all right!"

9/10

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Filipe Coutinho a 13.04.2009 às 21:44

Ora bem, vi este filmes nas maravilhosas noites da dois há pouco tempo. É verdade que o sono já era bastante mas ainda assim permitiu-me ver este filme de forma coerente. Dou-lhe 8 em 10. Considero Kubrick perfeito em tudo o que faz mas os seus filmes (exceptuando Shining) teimam em não me agradar a larga escala. Este foi outro caso. Mas referiste e bem o caso do Singin in the rain. Nunca mais vai ser o mesmo ouvir essa música :p

Bjks
Sem imagem de perfil

De Filipe Machado a 14.04.2009 às 22:16

Um dos meus filmes favoritos de sempre!!! 10/10
Imagem de perfil

De Marcelo Pereira a 15.04.2009 às 20:55

Tentando procurar palavras que o saibam descrever minimamente, a minha pesquisa é em vão. Ainda que com a sua qualidade autenticamente certificada, Clockwork Orange foge aos padrões quer contextualizados com a época da sua realização, quer com os contemporâneos, onde a sua obra se manterá eterna. É tão característico que uma possível cópia (ainda que depois de uma sequela de Donnie Darko, não penso que alguma indústria já o ponderara) ia roçar o rídiculo. Uma obra-prima em todos os sentidos, cenas e planos, diálogos e personagens. Stanley Kubrick não é um realizador, mas sim O realizador.
Soberbo!

Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De Clark Kent lá do sítio a 09.10.2009 às 03:09

Antes de mais, "my appy-polly-loggies" por esta invasão de terreno.

Tinha que escolher este post para comentar, visto este ser o post do "FILME" (sim, o filme, com letras bem gordas), embora esteja um pouco desiludido com este 9/10. Um dia vou conseguir ter aquele olhar à DeLarge, sabes bem que tenho tentado.

O meu percurso até aqui, depois de ter decidido deitar-me cedíssimo: Chocapic nocturno -» Colgate na boca -» Cabelo na almofada -» Uma hora de sono -» Dois sonhos kubrickianos -» Olhos de novo abertos -» Insónia -» Checkar os Hi5's do pessoal -» Catarina Oliveira (oops! d'Oliveira, assim está correcto).

Quando reparo num link refundido que por lá andava. Copy. Paste. Enter.

Primeiro shot, "Isto parece-me um blog de cinema. Muito bom Cátia!", pensei. Começo a comer as letras e todos estes bocadinhos de fita, "Isto deve ser de alguém próximo dela, a Cátia não tem esta capacidade nos dedos, para escrever estas cenas tão catitas, embora eu saiba das potencialidades do seu nariz". Fui verificar o Extreme Close-Up," e não é que é mesmo dela!".

Mergulhei por aqui e apetece-me besuntar-me de mel e ir ter com os ursos, por te detestar um bocadinho menos que ontem. Porque isto está muito bom e merece um enorme (não tão grande assim) "CLAP CLAP CLAP", e eu não sou um sacana que bate palmas muitas veses. Este foi o meu primeiro e último comentário, não sei se cá volte noutra altura, mas lá que gostei, podes acreditar que sim.

E agora como diria o nosso amigo deLarge,

Viddy well, little sister. Viddy well.
Sem imagem de perfil

De Jogos Online a 12.10.2010 às 23:04

Adoro este Site e já o sigo à alguns dias a acompanhar todos os posts. Não percebo quase nada de Blogs, será que existe maneira de receber os novos artigos e os mais recentes comentários no meu email?
Sem imagem de perfil

De Jogos Online a 23.04.2011 às 23:31

Obrigado, Ricardo

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor



Calendário

Abril 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

free hit counters


Action Props Jogos
Awards Season Época de Prémios
Deep Focus Artigos
Flashback Regresso ao Passado
Flashforward Notícias e Projectos
Freeze Frame Shot Imagens
Master Shot Listas e Tops
Mise en Scène Trailers e Posters
New Shots Estreias
Outtake Fora da Sétima Arte
Point-of-View Shot Críticas
Pull Back Shot Um olhar sobre o passado das Estrelas
Smash Cut Citações
Snorricam Extras
Widescreen Cenas Icónicas

. Blog Oficial


Membro do Círculo de Críticos Online Portugueses

. Blog Oficial




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D